Notícias

Erasmus da lusofonia une alunos e professores

Erasmus da lusofonia une alunos e professores

Cerca de 120 alunos e professores de universidades de língua portuguesa vão ver mais facilitadas as suas aspirações de estudar ou trabalhar no espaço lusófono.
24.02.2012 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Poderia chamar-se o Erasmus da Lusofonia, porque, afinal, é disso que se trata. A Associação de Universidades de Língua Portuguesa (AULP) é uma das dinamizadoras de um projeto que possibilitará a mais de 120 alunos e professores de universidades de língua portuguesa, a realização de intercâmbios. Jorge Ferrão, presidente da AULP, garante que está dado o primeiro passo para a construção de um Erasmus da lusofonia. A AULP e a Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), do Brasil, já assinaram o primeiro Memorando de Entendimento em Ensino Superior, Ciência e Pesquisa. Outros se poderão seguir, com outros países, numa missão que para Jorge Ferrão tem por objetivo “iniciar verdadeiramente um programa de mobilidade e partilha de conhecimento entre as universidades lusófonas”. A CAPES é a primeira agência financiadora deste projeto e contribuiu já com 1,5 milhões de euros que viabilizarão o primeiro ano desta operação. Segundo o presidente da AULP, “o montante permitirá cobrir os custos com passagens aéreas, vistos, estadias e as universidades aderentes comparticiparão outros custos, como materiais”. O responsável estima que seja possível apoiar nesta fase, o intercâmbio de, pelo menos, 120 pessoas que deverão ser mais discentes do que docentes. Quatro a cinco semanas é quanto deverá durar cada intercâmbio. Os interessados em participar neste projeto deverão formalizar a sua candidatura junto da AULP que confessa que privilegiará os alunos dos segundo e terceiro anos de licenciatura. “Vamos dar prioridade aos alunos que ainda não iniciaram os seus trabalhos de final de curso e que a partir dessas trocas de experiência possam beneficiar da deslocação e do contacto com outros estudantes”, revela Jorge Ferrão. O presidente da AULP é também reitor da universidade de Lúrio, em Moçambique, e estima que os estudantes africanos prefiram fazer intercâmbios nas áreas das ciências naturais e os portugueses e brasileiros optem mais pelas ciências sociais. “Os alunos africanos querem claramente aprofundar os seus conhecimentos sobre o continente africano, enquanto os europeus procuram laboratórios de referência, que muitas vezes não temos nos nossos países”, explica o presidente que diz acreditar num equilíbrio entre a adesão de estudantes africanos e os restantes. As primeiras fundações deste projeto lusófono já estão em marcha e com o financiamento para o primeiro ano garantido, as universidades parceiras do projeto preparam agora editais até abril. Jorge Ferrão espera que 60 dias depois existam condições para iniciar formalmente os intercâmbios. Fundada em 1986, a AULP reúne mais de 150 universidades públicas e privadas e institutos politécnicos, nos oito países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e em Macau”.


OUTRAS NOTÍCIAS
Educar na área da dor

Educar na área da dor


Chama-se Pain Education e é a mais recente aposta formativa da Fundação Grünenthal na área da dor. O programa formativo já arrancou e é parte integrante de uma aposta mais vasta da fundação nesta temá...

Huawei recruta mais 50

Huawei recruta mais 50


No ano passado a chinesa Huawei faturou em Portugal 70 milhões de euros. A empresa que está presente em território nacional desde 2004, já investiu mais de 40 milhões de euros na economia lusa e asseg...

EIC recruta quadros para Angola

EIC recruta quadros para Angola


A Elite International Careers (EIC) vai estar em Lisboa com o seu 4º Fórum de Recrutamento Elite Angolan Careers. A empresa especializada em consultoria de recrutamento e de recursos humanos estará em...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


AR ITALIANO

Experis Finance, Tax & Legal

CONTROLLER DE GESTÃO INDUSTRIAL

Spring Professional Portugal