Notícias

O segredo do sucesso

O segredo do sucesso

A Felicidade é o verdadeiro Produto Interno Bruto de uma empresa. É desta forma que os economistas Aléx Rovira e Pascual Olmos, diretor executivo da área comercial da Repsol e líder de uma equipa com mais onze mil pessoas, encaram os desafios que enfrentam atualmente as organizações na atração, retenção e gestão quotidiana dos seus talentos. Os autores da obra “A Vida que Tu Mereces” estiveram em Portugal e falaram ao Expresso das tendências futuras do mercado de trabalho mundial e das novas formas de gerar emprego.

31.01.2014 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



As empresas que encaram os colaboradores como meras “máquinas” são organizações que, simplesmente, não têm futuro. O alerta vem de Pascual Olmos, o diretor executivo da Repsol e co-autor da obra “A Vida que Tu Mereces”, recentemente publicada em parceria com Aléx Rovira. Para os autores, “o mundo enfrenta uma crise que não é apenas económica, mas também de valores, institucional, política, de justiça e de padrões de comportamento”. Um contexto que para os economistas, deu lugar ao desemprego, ao aumento dos níveis de corrupção e à falta de confiança. No seu mais recente livro, Aléx Rovira e Pascual Olmos desmistificam estas questões e demonstram como é possível harmonizar o trabalho e a competitividade com a realização pessoal de cada um.

Pascual Olmos reconhece que o atual cenário europeu em matéria de empregabilidade é “difícil, mas não dramático”. O especialista está convicto de que “as competências dos trabalhadores terão de ser cada vez mais técnicas e de maior valor acrescentado” pois esta, reforça, “é a única maneira de competir com os países asiáticos e emergentes, onde a mão-de-obra é barata”.  A recuperação económica é certa e a criação de emprego também deverá aumentar, mas “o que teremos será um mercado dual, onde empregos antigos com condições de estabilidade que ainda conhecemos atualmente vão conviver com novos empregos temporários, a tempo parcial, mais desvalorizados e mais precários”, explica.

Uma visão também corroborada por Aléx Rovira para quem a diferenciação passa pela capacidade de gerar valor, o que implica “encontrar nichos de mercado estratégicos onde nos possamos diferenciar”. O autor dá como exemplo a Mercadona, em Espanha. Um caso de eficiência na distribuição comercial e na gestão. Mas outros exemplos abundam, mesmo quando a tendência é “um mercado laboral onde profissionais altamente qualificados convivem com mão-de-obra pouco qualificada”. Para Aléx Rovira, parte da estratégia para abordar com sucesso a recuperação do mercado de trabalho futuro, passa por levar os organismos competentes a “recuperar e relançar a formação profissional”.

Para os autores, a evolução positiva da empregabilidade passa também por pensar as causas que conduziram ao atual cenário e “e encontrar um modelo alternativo de gestão baseado no valor, que integre a economia, a espiritualidade e a psicologia. Uma nova via que nos permita atingir, a cada um de nós, a realização pessoal”, explicam enfatizando que “é possível ser-se feliz no trabalho, criar motivação no trabalhador quando este já não tem esperança e promover uma harmonização entre o trabalho e a vida pessoal e familiar de cada um”. Uma estratégia, que garantem, já é seguida pelas empresas de sucesso.

A par com a felicidade que deve destacar-se nas políticas de gestão empresarial, a competência mais determinante para o sucesso profissional é a atitude continua de evolução, qualificação e melhoria. Contrariar a crise e aumentar a competitividade passa, segundo Pascual Olmos, pela capacidade das empresas motivarem os seus quadros e levá-los a alcançar a felicidade. “Uma empresa com trabalhadores motivados é, pelo menos, 40% mais produtiva que as suas concorrentes”, concluí Olmos.

Da tecnologia à componente emocional

Para Pascual Olmos, a tecnologia será o grande motor de crescimento e de recuperação do mercado de trabalho nos próximos dez anos. Comunicação, engenharias, robótica e telemedicina, novos materiais, mas também serviços, turismo e lazer vão liderar o potencial de criação de emprego. Sectores a que Aléx Rovira acrescenta as energias limpas e renováveis, a indústria da reciclagem, a nanotecnologia aplicada à medicina e muitas outras. O economista diz que mais do que apenas formação técnica, os profissionais do futuro devem explorar competências-chave, determinantes para a sua evolução e competitividade no mercado laboral: inteligência emocional e social; inteligência lógico-racional; inteligência prático-operativa; inteligência espiritual; inteligência criativa e não menos importante, “inteligência ética para evitar novas crises como a que estamos a viver hoje”. Para Rovira, “a miséria moral de quem lidera é que deu origem à miséria económica que vivemos”. 



OUTRAS NOTÍCIAS
APS qualifica na área dos seguros

APS qualifica na área dos seguros


A Academia Portuguesa de Seguros (APS), entidade formadora da Associação Portuguesa de Seguradores, prepara-se para lançar uma nova edição do curso de “Gest&at...

Recrutamento recupera dinâmica

Recrutamento recupera dinâmica


A contratação vai aumentar em 2014. Esta é uma das principais conclusões do Guia do Mercado Laboral 2014, esta semana divulgado pela empresa de recrutamento Hays. Segundo e...

Europa apoia criatividade

Europa apoia criatividade


Há 170 milhões de euros para investir na criatividade e no sector cultural europeu, em 2014. A União Europeia tem esta verba reservada para aplicar no programa Europa Criativa, su...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


GESTOR/A DE OBRA - HIDRÁULICA - ALMODÔVAR

Spring Professional Portugal

PROJECT COORDINATOR

Michael Page Portugal

RESPONSÁVEL COMERCIAL - ENERGIA

Michael Page Portugal