Notícias

Bluepharma: um ‘antibiótico’ para o desemprego

Bluepharma: um ‘antibiótico’ para o desemprego

A Bluepharma Indústria Farmacêutica nasceu em Coimbra, a partir da unidade industrial da Bayer. A empresa é hoje uma das maiores produtoras nacionais de medicamentos para exportação. Cerca de 70% do que produz tem como destino o mercado externo. Um mercado que tem vindo a crescer e que está a obrigar a empresa a reforçar a sua estrutura de recursos humanos. A farmacêutica tem em curso um plano para contratar 80 novos colaboradores.
07.09.2012 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Foi este ano considerada a empresa mais empreendedora do ano pelo European Institute for Business Administration. Mas não é só no empreendedorismo que a farmacêutica Bluepharma se destaca. Os medicamentos genéricos produzidos no seu laboratório de Coimbra, outrora propriedade da Bayer, estão à venda em 30 países e Paulo Barradas Rebelo, presidente executivo (CEO) da Bluepharma, não tem dúvidas de que a expansão da marca - que este ano já entrou em Moçambique - não ficará por aqui. De olhos postos no mercado chinês, onde poderá entrar também já no próximo ano, Paulo Barradas Rebelo espera conseguir duplicar, até 2015, a faturação anual da empresa. Para viabilizar esta estratégia de expansão global, a farmacêutica que se especializou no mercado dos genéricos continua a investir forte na sua área de investigação e desenvolvimento (I&D) e no reforço do seu número de colaboradores. Está em marcha o recrutamento de 80 novos quadros para a empresa.
A Bluepharma é a terceira farmacêutica nacional que mais investe em I&D, segundo dados do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. A empresa tem concentrado os seus esforços em áreas emergentes de cariz biotecnológico, desenvolvendo um conjunto de projetos em parceria com alguns dos centros de I&D de maior relevância nacional e internacional. Mas no momento de recrutar, esta não é a única área na qual a empresa investe. Nas vagas agora em aberto, há também oportunidades na área da produção, embalagem e controlo de qualidade. “Pese embora o contexto económico, a Bluepharma tem aumentado o seu volume de negócios e, consequentemente, as necessidades de recursos humanos”, explica Paulo Barradas Rebelo acrescentando que “os processos de recrutamento que têm vindo a decorrer resultam diretamente do aumento das exportações”.
Engenharia, saúde e farmácia
A Bluepharma emprega neste momento 244 colaboradores. Em média a empresa recruta dez colaboradores a cada ano, com exceção de 2011, altura em que, agindo em contra ciclo, a empresa contratou 38 novos elementos e este ano, em que já chegaram à empresa 68 reforços.

Os perfis são, regra geral, sempre ligados à indústria farmacêutica. A empresa dá prioridade a licenciados com formação na área da Engenharia (diversos ramos), Ciências da Saúde e, especialmente, na área das Ciências Farmacêuticas, Química e Bioquímica. Além da formação, explica o CEO, “privilegiamos experiência profissional de um ano na área, conhecimentos de informática na ótica do utilizador, bons conhecimentos de inglês e, preferencialmente, conhecimentos de SAP”.
Atualmente, a percentagem de colaboradores da empresa com formação superior ultrapassa os cinquenta por cento, mas entre os requisitos que a empresa exige a quem queira integrar a sua equipa estão também “um forte espírito empreendedor, de inovação e de rigor”, enfatiza Paulo Barradas Rebelo que faz questão de reforçar: “a qualidade é um dos pilares da estratégia da Bluepharma e a sua equipa tem de ser, por isso, o seu reflexo”.
A empresa aposta fortemente na formação de novos talentos, possibilitando-lhes um primeiro contacto com o contexto empresarial. Cerca de 23% dos colaboradores da Bluepharma foram admitidos em contexto de estágio, 19% dos quais ao abrigo de estágios do IEFP. “É de salientar que a empresa tem uma política responsável na abertura de estágios, já que os entende como um período de experiência no qual a empresa e o candidato poderão avaliar se vão de encontro às expectativas um do outro, o que tem resultado na admissão de 90% dos estagiários”, explica o CEO.
Desde a sua constituição, a Bluepharma mantém uma ligação estreita com a Universidade de Coimbra que permite a criação de estágios, a partilha de laboratórios e, sobretudo, a partilha de conhecimento. Mas, nos últimos anos a empresa alargou esta parceria a outars instituições de ensino e tem vindo a fomentar a criação de novas empresas de base tecnológica, com investigadores de excelência.
Dos 244 colaboradores que a Bluepharma emprega, 40 estão afetos ao seu laboratório de I&D. A empresa cresceu nos últimos dois anos mais de 70%, posicionando-se como uma organização de referência no seu sector. A sua visão estratégica, forte sentido de responsabilidade social e capacidade de antecipar as tendências do mercado têm viabilizado a sua expansão contínua e tem colocado a empresa entre os casos de sucesso nacional além-fronteiras.

De olhos na inovação e na internacionalização

Quando em 2001 Paulo Barradas Rebelo liderou o grupo de profissionais que formou a Bluepharma – Indústria Farmacêutica, sabia que o mercado dos genéricos tinha um imenso potencial, mas talvez não imaginasse que a empresa se destacaria na expansão e nas contratações em pleno período de adversidade nacional.

Desde que foi criada a Bluepharma tem vindo a conquistar terreno nacional e internacional. Os genéricos produzidos no laboratório farmacêutico de Coimbra já são comercializados em cerca de 30 países e a empresa inaugurou este ano a sua primeira filial internacional, em Maputo (Moçambique). Angola pode também estar na mira desta empresa que no próximo ano poderá ver também um medicamento seu entrar no mercado chinês, depois de um longo processo de registo que se iniciou em 2009 e só este ano deverá estar concluído.

O segredo desta expansão é para Paulo Barradas Rebelo, o investimento contínuo em investigação e desenvolvimento (I&D). A inovação e investigação, são para o CEO fatores chave numa organização que foi este ano considerada a empresa mais empreendedora pelo European Institute for Business Administration. Em 2010, o empresário foi um dos impulsionadores da constituição da A2B SGPS, SA, uma sociedade de business angels focada em apoiar projetos de base tecnológica, internacionalizáveis, em fases de seed e start-up, onde é atualmente presidente do Conselho de Administração. Em 2011, a Bluepharma, em conjunto com a InovCapital, adquiriu uma participação social na Biocant Ventures que se dedica ao financiamento de projetos seed capital e sartup na área da saúde e das ciências da vida. Uma aposta de uma empresa que assume a investigação como motor de expansão.



OUTRAS NOTÍCIAS
Galp e Mohave podem gerar 200 empregos

Galp e Mohave podem gerar 200 empregos


Nos próximos cinco anos, a Galp Energia e a Mohave Oil & Gas (subsidiária da Porto Energy) investir em território nacional 230 milhões de euros. O Governo aprovou um plano de desenvolvimento e produçã...

Liderança para desempregados

Liderança para desempregados


Soma dez edições e já formou gratuitamente mais de mil desempregados. O projeto de responsabilidade social da empresa de formação Ideias & Desafios está de regresso e durante três dias vai voltar a tr...

TIMWE recruta 33 novos colaboradores

TIMWE recruta 33 novos colaboradores


Há 33 vagas para preencher na TIMWE. A tecnológica nacional, especialista em aplicações móveis nos segmentos de marketing, entretenimento e financeiro, está no mercado à procura de profissionais para ...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


1 estagiário

INPI Instituto Nacional da Propriedade Industrial

COLABORADORES

ERA BELÉM/RESTELO - ERA ALCÂNTARA/AJUDA

COLABORADORES

RE/MAX MAJESTIC