Notícias

Trabalho português sem motivação

09.05.2003


  PARTILHAR






Pedro Maia Ramos

PORTUGAL tem apenas três empresas na lista das "100 Melhores Empresas para Trabalhar" na União Europeia (UE), divulgada a 27 de Março em Bruxelas pela comissária europeia para o Emprego e Assuntos Sociais, Anna Diamantopoulou.


No entanto, não são empresas de capitais nacionais, mas sim as filiais portuguesas das multinacionais Accenture (consultadoria), a Bristol-Myers Squibb (farmacêutica) e a DHL (correio urgente).

"Não é o número que me choca, mas o facto de serem multinacionais. É um atestado à gestão portuguesa, que não tem a característica de despertar motivações. Em Portugal, alguns gestores defendem que a importação de modelos de gestão estrangeiros não funciona. Mas o modelo das três empresas nomeadas é o anglo-saxónico, o qual me parece ter grande adesão por parte dos empregados. É que não basta 'acenar' com salários competitivos para contratar bons profissionais. As empresas têm de saber como os conservar ao seu serviço", diz Pedro Bettencourt da Câmara, docente universitário e consultor.

O estudo da Comissão Europeia foi efectuado pela Oxford Research/ Great Place to Work Europe Institute (GPW Europe) Consortium e foram englobadas mais de mil corporações dos 15 Estados-membros, entre empresas públicas e privadas, agências governamentais e ONG. Responderam ao questionário 124.196 empregados de um universo de cerca de 210 mil.

As empresas concorrentes são seleccionadas pela reconhecida qualidade do ambiente no posto de trabalho, resultado de um processo de avaliação que analisa as políticas das entidades empregadoras e as opiniões dos seus trabalhadores.

Só que esta metodologia de classificação também poderá ter algumas lacunas. "Mais do que 'rankalizar' as empresas, importa colocar a questão na devida dimensão, nos aspectos conjunturais dos diferentes contextos económicos. Como se 'classifica' a empresa que disponibiliza aos seus empregados 'cursos de gestão do stresse' para melhor se adaptarem ao ritmo (que a própria empresa induz) dos ambientes laborais? Ou a concessão de telemóveis, para que possam estar sempre disponíveis? Falamos do melhor local para trabalhar ou do melhor local para viver?", questiona José Sampaio, vice-presidente da Associação Portuguesa dos Profissionais em Sociologia Industrial, das Organizações e do Trabalho.

Critérios à parte, segundo a página da UE (www.europa.eu.int/comm/employment_social/soc-dial/crs/eu100best.htm), num bom local para trabalhar, o empregado deverá confiar na pessoa para quem trabalha, ter orgulho na tarefa que executa e possuir um bom relacionamento com os colegas.

A Comissão Europeia, e um comité de gestão representativo dos accionistas das corporações, providenciam monitores que aconselham e acompanham toda a evolução do processo.

Para as administrações das empresas de cada um dos países são adaptados diferentes modelos de perguntas. O objectivo é captar as diversas estruturas do mercado de trabalho, a legislação existente, as condições laborais e outras questões relevantes, específicas de cada Estado-membro.

Às organizações é-lhes pedido que respondam a um questionário dividido em duas partes. Na primeira, deverá ser esclarecido, detalhadamente, a quem pertence a empresa, a sua estrutura, a demografia existente e que tipos de benefícios são oferecidos.

A segunda parte procura clarificar como são as comunicações internas, a conduta da gestão do local de trabalho, as formas de reconhecimento ao empregado, a diversidade, que formação contínua é providenciada e a paridade entre os géneros. A finalizar, a empresa é encorajada a enviar material que esclareça melhor a sua cultura e políticas, como vídeos, comunicados de imprensa, programas de introdução, de orientação de trabalhadores e livros, por exemplo.

Questões iguais para os empregados

Para os empregados as perguntas são idênticas nos quinze países. Apenas sofrem as necessárias adaptações linguísticas, de modo a assegurar uma eficaz comparabilidade das respostas. O documento, com 53 questões, tenta avaliar, principalmente, o nível de confiança na gestão, a satisfação do trabalhador no seu posto e na empresa e a camaradagem.

Os comentários pessoais são bem aceites e os questionários, com as respostas, enviados directamente para a entidade encarregada de gerir os dados a nível nacional (a GPW Europe), o que garante a confidencialidade das respostas.

A perspectiva do empregado é mais valorizada que a do empregador - as respostas do primeiro valem dois terços enquanto as da gestão da empresa valem um terço. Nas listas nacionais, as empresas são classificadas tanto pela quantidade como pela qualidade.

O convite à candidatura da empresa (com 50 empregados, no mínimo) é feita por carta, com base numa lista de cerca de 15 mil entidades tidas como "bons locais para trabalha". Ao mesmo tempo, são efectuadas campanhas publicitárias dentro do país.

O requerimento pode ser apresentado pela administração, pelos trabalhadores, por clientes ou por alguém alheio à entidade. A avaliação é efectuada a nível nacional de cada um dos 15 países pela GPW Europe.

Os dados recolhidos são depois tratados a nível europeu pela Oxford Research, que os envia à Comissão Europeia.
As 15 empresas classificadas em primeiro lugar em cada país entram directamente para a lista das 100 melhores da UE.





DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


1 CHEFE DE UNIDADE DE RECURSOS HUMANOS

Autoridade da Concorrência (AdC)

1 ESTÁGIO CURRICULAR EM GESTÃO DO ARQUIVO

Autoridade da Concorrência (AdC)