Notícias

Trabalhar com saúde

09.05.2003


  PARTILHAR






Katya Delimbeuf*

Produtividade dos portugueses depende de alimentação mais equilibrada e exercício físico

FALA-SE de aves com nitrofurano. Vacas com BSE. Porcos com peste suína. Peixe com mercúrio. Marisco com fuelóleo. Frutas e legumes intoxicados de pesticidas.





Guia da Alimentação equilibrada
:

O que se deve fazer

O que não se deve fazer



Lençóis freáticos contaminados... Não é de estranhar que as pessoas se sintam confusas e não saibam o que comer. Mas não é preciso entrar em pânico: com a simples regra do bom senso, é possível fazer uma alimentação equilibrada, sem ter de abdicar de nada.

Aqui ficam os conselhos de uma nutricionista, para o ajudar a comer melhor.

"Equilíbrio, variedade, moderação". São estes os pilares essenciais de uma alimentação saudável, nas palavras da nutricionista Florbela Mendes. "Para permanecer saudável, o corpo precisa de quantidades apropriadas de nutrientes energéticos (hidratos de carbono, proteínas, gorduras) e não-energéticos (vitaminas, sais minerais, fibra e água)."

" A melhor forma de garantir uma boa alimentação é ingerir uma gama variada de alimentos. Quanto à moderação, consiste tão somente em comer em função dos gastos energéticos que temos. Se comer em demasia resulta em excesso de peso - e em doenças daí decorrentes -, comer de menos pode dar origem a numerosas carências nutricionais".

Ao contrário do que muitos fazem, a dieta equilibrada é aquela em que 55 a 60% das calorias são hidratos de carbono (pão, cereais, massa, arroz, feijão, grão, fruta, vegetais), 15 a 20% proteínas (carne, peixe, ovos e lacticínios) e 25 a 30% gorduras, no total calórico diário.

Em vez do bife ser o prato principal e os vegetais o acompanhamento, devia acontecer o inverso: as frutas e legumes deviam ser a base da alimentação, e os produtos de origem animal deviam ser ingeridos em pequenas quantidades, como acompanhamento. "É muito fácil consumir proteínas em excesso", lembra a nutricionista. "Até porque a moderna alimentação ocidental está alicerçada em torno da carne".

No entanto, a nova pirâmide alimentar "vai precisamente ao encontro desta recomendação: reduzir significativamente a carne vermelha e diminuir a quantidade de carnes em geral".

Curiosamente, têm sido justamente os alimentos de origem animal que levantaram as maiores dúvidas. Da crise das vacas loucas à peste suína, das aves com nitrofurano aos peixes com mercúrio, todos estes alimentos pertencem à mesma categoria. "A atitude sensata", ressalva Florbela Mendes, "será comer de tudo um pouco, sem insistir demasiado num só alimento. Assim, não se correm grandes riscos de exposição às mesmas substâncias perigosas".

Refeições alternativas podem passar pelos ovos - que substituem a carne e o peixe e servem perfeitamente como alimento proteico, a soja ou os seus derivados, como o tofu, ou pratos exclusivamente à base de cereais (arroz, massa, cuscuz) ou de leguminosas, que têm um perfeito equilíbrio proteico.

Nesse sentido, a tradicional dieta mediterrânica continua a ser um bom exemplo de uma alimentação saudável e equilibrada. Caracterizada pela abundância e variedade de alimentos de origem vegetal (fruta, legumes, pão, massas, arroz, batatas, nozes, frutos secos e sementes); por um maior consumo de peixe (sobretudo gordo, como a sardinha, o carapau e o arenque) do que carne - essencialmente, aves e carne magra; pela utilização do azeite para cozinhar e temperar; pelo consumo de quantidades moderadas de produtos lácteos meio gordos ou magros, como o queijo e os iogurtes.

E pelo vinho tinto, bebido com moderação, às refeições (quando não existem indicações médicas em contrário), esta dieta comporta diversos benefícios para a saúde.

Nomeadamente, na redução do risco de doenças cardiovasculares, da diabetes, da obesidade e de alguns tipos de cancros (mama, cólon, aparelho digestivo e outros). Isto porque vários dos seus ingredientes são altamente benéficos para a saúde: a fruta, as verduras e os legumes contêm agentes anticancerígenos, incluindo as fibras, os carotenóides e flavenóides, as vitaminas C e E e o selénio - nutrientes antioxidantes que protegem o organismo do colesterol LDL (mau colesterol) e da arteriosclerose.

O azeite é rico em gordura monoinsaturada, que ajuda a reduzir o colesterol total e o LDL no sangue, mantendo um equilíbrio saudável entre o "bom" e o "mau" colesterol.

Além disso, a gordura monoinsaturada e os antioxidantes do azeite ajudam a prevenir o endurecimento das artérias, diminuindo assim o risco de doenças cardiovasculares. O peixe gordo contém uma gordura extremamente saudável - o ácido gordo ómega-3 - , que ajuda a reduzir os níveis de triglicéridos no sangue e a tendência para a formação de coágulos sanguíneos.

Desta forma, se continuarmos a ser fiéis à nossa tradição alimentar, faremos melhor do que cedendo à comida rápida e altamente calórica.

A juntar a uma boa alimentação, o exercício físico pode desempenhar um papel importante. Já para não falar nos sobejamente conhecidos benefícios físicos da actividade desportiva - a nível de doenças do coração, hipertensão, obesidade, diabetes, trombose, osteoporose..., são igualmente inegáveis as vantagens psicológicas.

Há mesmo psicólogos e psiquiatras que o receitam como parte de tratamentos para o stresse. As sensações de bem-estar e de relaxamento, o aumento da auto-estima e da autoconfiança, uma imagem corporal melhorada e uma percepção mais aguda são alguns dos efeitos positivos da prática física - que, a longo prazo, têm correlações importantes junto de doenças como a ansiedade e a depressão.

Quem faz exercício físico tem menos propensão para doenças do foro psicológico, porque a actividade lhe serve de escape, para canalizar o stresse.

Actividades aeróbicas, ligeiras a moderadas, e praticadas com regularidade - diariamente, se possível - são o ideal. Mas, se não tem de facto tempo para se inscrever num ginásio, lembre-se que toda a actividade física conta, e que pode aproveitar todas as oportunidades do seu dia-a-dia para se movimentar: utilize as escadas em vez do elevador, deixe o carro estacionado um bocadinho mais longe, ande a pé - caminhar 60 minutos por dia é o ideal, sendo que esta hora pode ser repartida por quatro caminhadas de 15 minutos cada.

Passar mais tempo de pé do que sentada ou andar de bicicleta (na rua ou em casa, enquanto vê televisão) são outras formas possíveis de exercício. É natural que a prática de actividade física o faça sentir-se mais activo, com mais resistência e maior capacidade para enfrentar as dificuldades da vida.

É natural, também, que isso o leve a adoptar uma postura de vida mais saudável. São só vantagens. Se calhar vale a pena repensar a sua agenda: é que duas a três horas semanais podem sair mais baratas que as posteriores consultas no nutricionista ou no psicólogo...

*com Florbela Mendes nutricionista




O que deve fazer:

Faça várias refeições ao longo do dia - evite estar mais de três horas sem comer (mas não caia no erro de estar sempre a petiscar).

Coma em função dos seus gastos energéticos - ou seja, se a sua actividade profissional é sedentária e não pratica exercício físico, tem obviamente menos necessidades calóricas do que um atleta ou alguém com actividade física diária.

Varie. Fuja da monotonia de comer sempre o mesmo tipo de alimento. A variedade é essencial para usufruir de um leque abrangente de nutrientes e para evitar ficar repetidamente exposto a determinada substância.

Consuma apenas ocasionalmente (em dias de festa) alimentos processados ou muito calóricos (açúcar, bolos, bolachas, doces, chocolates, aperitivos, salgadinhos, refrigerantes, bebidas açucaradas, manteiga, margarina, leite e queijo gordos, natas, maionese, toucinho, charcutaria, carnes gordas, fritos).

Coma legumes e vegetais diariamente e em abundância, nas duas refeições principais.

Consuma mais peixe do que carne - e neste grupo, prefira as carnes magras (frango, peru, galinha, caça, avestruz, coelho, cortes magros de vaca, borrego).Nota: os ovos podem substituir o peixe ou a carne.

Coma mais fruta fresca - idealmente, 3 peças por dia.

Coma diariamente leguminosas (feijão seco, grão, lentilhas, favas, ervilhas) e cereais, de preferência integrais (pão, massas, arroz, ...) à maioria das refeições.

Consuma moderadamente leite e os seus derivados meio-gordos ou magros - 1 a 2 doses diárias são suficientes para a maioria.

Utilize o azeite para temperar e cozinhar.

Beba mais água, entre e durante as refeições. Se um litro e meio lhe parece muito, tente beber 7 ou 8 copos.

O consumo de bebidas alcoólicas deve ser moderado - um copo de vinho a acompanhar as refeições principais, caso não haja indicações em contrário, é uma boa medida.




O que não deve fazer

Excesso de gordura: consumo de batatas fritas, carnes gordas, fritas ou panadas, croquetes, rissóis e salgadinhos em geral, folhados, bolos mesmo os "secos" têm muita gordura, bolachas, queijos gordos, manteiga e margarinas, refeições pré-cozinhadas...

Excesso de açúcar: bolos, bolachas, sobremesas, doces, gelados, chocolates, refrigerantes...

Excesso de comida, em especial a muito calórica (em relação aos gastos de energia que a maioria das pessoas tem).

Carência de fruta fresca: muitas pessoas não comem, em média, uma peça de fruta por dia, quando o ideal seria três peças.

Carência de legumes e produtos hortícolas em geral: além do seu consumo na sopa (quando existe), muitas pessoas não comem legumes (crus ou cozinhados) diariamente.

Excesso de carne: presente na maior parte das refeições da semana e em quantidade excessiva, e consumo de peixe apenas ocasional.

Poucas refeições ao dia: má distribuição dos alimentos ao longo do dia, concentrando a maior parte em duas refeições principais.

Ausência de pequeno-almoço, ou péssima qualidade nutricional dos alimentos que o compõem - ex.: o típico "café e rissol".

Excesso de bebidas alcoólicas.

Deficiente consumo de água, e excesso de refrigerantes e sumos de pacote.





DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


COLABORADORES

ERA BELÉM RESTELO & ERA ALCÂNTARA/AJUDA