Notícias

«Urge uma elite de ruptura»

02.05.2003


  PARTILHAR






Ruben Eiras

PARA Portugal conseguir progredir mais depressa, as elites precisam de abandonar a mentalidade imediatista e provinciana e abraçar a visão de médio prazo, os métodos de planeamento e incorporar o espírito científico. Este é o diagnóstico do estado da liderança política, social e económica do país elaborada por João Salgueiro, presidente da Sedes, em entrevista ao EXPRESSO, na inauguração de uma nova secção dedicada à temática da competência das elites portuguesas.








 




EXPRESSO - A viabilidade de Portugal como país competitivo no seio da UE está ou não comprometida pela qualidade das suas elites?

JOÃO SALGUEIRO - Portugal tem deixado arrastar situações prejudicais além do que era desejável. Temos uma série de complexos na análise do país que acaba por dificultar a resolução dos problemas. Mas a realidade nunca é estática.

Há casos de países que pareciam impossíveis e que surpreenderam - a Irlanda, por exemplo, esteve estagnada por mais de duas décadas. Quando entramos na CEE, até parecia que estava a ficar para trás. De repente disparou. O Japão e a Coreia do Sul, a seguir à 2ª Guerra Mundial, pareciam casos impossíveis e, no entanto, tiveram um desenvolvimento muito rápido. Tiveram uma visão de médio prazo e trabalharam com afinco para concretizá-la.

EXP. - Então as nossas elites têm mantido o país num estado letárgico?

J. S. - É difícil imaginar como é que um povo e uma classe dirigente passam anos a preocupar-se só com o imediato sem pensarem nas consequências. Nós temos tido a capacidade de ir adiando as soluções. A história recente do país tem sido uma sucessão de travagens e relançamentos artificiais, que não nos deixa grande expectativa para o futuro. Quando tudo vai bem, iludimo-nos, porque o que estamos a ver é um alívio passageiro e não um sucesso duradouro.

Depois, quando entramos numa época de crise, temos que pensar no imediato e não no longo prazo. Há muito tempo que é necessária uma ruptura e a cada dia que passa é cada vez mais urgente. Há anos que se fala de reformas estruturais e toda a gente sabe que a situação dos sectores onde o Estado tem uma intervenção directa é muito má. Procura-se sempre adiar.

EXP. - Mas que características da elite criam esta situação? Ainda são as mesmas que Eça de Queiroz identificou nos seus romances?

J. S. - Eça de Queiroz poderia ajudar-nos, porque diagnosticou muito bem o provincianismo nacional, que persiste até hoje. É um provincianismo que se perfila por uma série de comportamentos e atitudes ineficazes. O que falta muito à nossa classe dirigente é ver a anos de distância. É a importância do futuro que nos leva a ter comportamentos menos agradáveis no presente. Se temos um horizonte muito curto, os nossos comportamentos vão ser pautados pelo imediatismo.

Uma empresa ou um país que se comporta desta forma tira muito menos partido das circunstâncias presentes. Uma pessoa que durante a semana pensa sobre qual a melhor maneira de se divertir e é incapaz de perceber que tem de prestar contas daí a uns meses, obviamente que só se está a tirar partido da realidade imediata. Há muitas empresas e políticos que procedem desta forma: nas épocas fáceis tiram partido das circunstâncias e não preparam o futuro.

EXP. - E qual é a solução para inverter este panorama?

J. S. - Temos que ter uma liderança com uma visão alargada nos dois sentidos: ver por onde caminhamos e para onde estamos a caminhar. É interessante que antes do 25 de Abril havia a possibilidade de planear de seis a 12 anos, a Constituição prevê o planeamento, mas nunca se fez um plano a sério depois do 25 de Abril. Fez-se uma tentativa num dos governos de Mário Soares, não resultou e nunca mais se tentou.

O país não tem um quadro de médio prazo - como existe nos grandes grupos multinacionais, com vários cenários - para construir no presente o que se quer amanhã. Por exemplo, se for perguntar qual é o planeamento e os horizontes para os próximos anos no sector estatal, ninguém faz ideia. Há sistemas informáticos de ministérios que são incompatíveis uns com os outros. Isto é inconcebível!

EXP. - Quando é que acha que poderá surgir uma geração de elite de "ruptura"?

J. S. - Nós precisamos de uma revolução cultural. Ela pode ser feita por uma nova geração, mas não é necessário que seja assim. A reforma religiosa não foi realizada por jovens, mas sim por homens de meia-idade. A Holanda fez uma grande mutação cultural, porque na 2ª Guerra Mundial uma grande parte da classe dirigente esteve detida nos campos de concentração e teve muito tempo para reflectir sobre o assunto... (sorri com ironia)

EXP. - Acha que a elite portuguesa tem que ir para um campo de concentração? (risos)

J. S. - Acho que não vai ser preciso tanto... Mas uma coisa que devia ser obrigatória é que os dirigentes ou os candidatos a dirigentes deviam ir passar uns meses aos países do Extremo-Oriente para ver o que está a acontecer. Houve tempos em que era necessário ir aos EUA, mas agora é o Extremo-Oriente. Dada a dimensão demográfica que aqueles países têm, são laboratórios de mudança social, económica e política muito importantes.

EXP. - Mas a história portuguesa está repleta de "estrangeirados" que regressam, querem reformar o país e depois são triturados pelo "sistema"...

J. S. - O "sistema" é muito desgastante porque as pessoas colaboram com ele. Criou-se uma teia de interesses para manter o que está e não para reconstruir o futuro. Não é um problema de pessoas, mas sim do sistema onde estamos metidos. Não é normal que o país saiba durante anos que existe corrupção e não faça nada para eliminar as suas causas. Não é para castigar os corruptos, mas sim para travar as suas causas. Há muitos anos que se vêem os sintomas disto e não se toma nenhuma medida.

EXP. - Porque é que não existe essa coragem de enfrentar os problemas? É por causa dessa teia de interesses?

J. S. - Sim, e ainda temos uma outra herança cultural negativa, de um grande divórcio entre os portugueses e o Estado. São séculos de história em que era arriscado opor-se-lhe. Isso criou uma atitude de dependência do Estado, que desresponsabiliza as pessoas. É por isso que quando os portugueses vão para o estrangeiro, como imigrantes e bolseiros, alcançam um excelente desempenho. Porque têm que contar consigo próprios e não com nenhum apoio estatal. Mudam porque estão fora deste sistema entravante.

EXP. - Mas voltando à questão das características da elite, que outras contribuem para o seu perfil "provinciano"?

J. S. - Outra atitude cultural, que também tem a ver com o passado, é estarmos muito habituados a trabalhar dentro de fronteiras portuguesas. Como potência colonial, possuíamos um espaço muito grande sobre administração portuguesa, mesmo na fase africana.

Trabalhamos muito nesse espaço e preocupamo-nos pouco em trabalhar com o exterior a essas fronteiras. Também ainda não fizemos esta revolução cultural. Devíamos ter aproveitado, antes da descolonização, a entrada na EFTA para mudar este comportamento, mas não o fizemos. Além disso, temos pouco espírito científico. A ideia de que temos de olhar primeiro para os factos para depois termos opiniões não passa muito pela cabeça dos portugueses. Isto também é muito negativo.

Nós podemos escolher uma solução completamente nova, mas depois isso tem sempre muitos custos. O que devemos ver é as soluções já testadas pelos outros e ver que caminho queremos escolher. Construir ignorando o que os outros já fizeram, e as suas consequências, é atraso mental.

EXP. - Pois, cada novo ministro tenta deixar a sua marca histórica...

J. S. - Muda-se o nome dos ministérios, o papel timbrado, o logotipo, fabricam-se decretos em quantidades industriais... mas isso não altera a realidade. As novas gerações têm gasto muito tempo a discutir as propinas, quando isso é assunto completamente marginal ao futuro deles. A qualidade do ensino é questão central. E ainda mais da qualidade da sociedade portuguesa no seu conjunto.

EXP. - Acha que as novas gerações estão a replicar estes maus hábitos?


J. S. - Estão a dar continuidade, com uma superfície mais moderna. Mas no fundo os comportamentos básicos são os mesmos...

EXP. - Isso é preocupante...

J. S. - Mas a culpa não é inteiramente das gerações mais novas. Não se revoltaram contra este ambiente de mediocridade, quando deviam fazê-lo. Estão a revoltar-se contra o incómodo, quando isso não lhes vai trazer nenhum futuro. Por exemplo, na educação, pagar mais propinas é um incómodo, mas a mediocridade é a baixa qualidade de ensino. E não se revoltam contra isto. Mas a culpa não é inteiramente dos jovens.

Desde tenra idade que os portugueses são educados num clima de imediatismo e facilitismo. Os comportamentos formam-se nos dois ou três primeiros anos de idade. Se as pessoas são formadas nestas idades com este tipo de mentalidade, só com uma grande revolução de mentalidade cultural é que se podem libertar disto.

Normalmente a adolescência dá para estas revoluções culturais, mas infelizmente não o temos feito a este nível. Os movimentos modernizadores foram realizados pelas novas gerações, que puseram em causa a herança do passado, mas também os comportamentos que os tornaram possíveis.

EXP. - E que condições são necessárias para criar essa elite de "ruptura"?


J. S. - Precisamos de mais ambição e confiança em nós próprios. Muitas vezes as pessoas não se esforçam porque não acreditam que se possa conseguir nada de válido. Uma pessoa que não está convencida de que pode ganhar um campeonato, não se dá ao esforço necessário. Quem acredita que pode ter essa possibilidade, dá-se a sacrifícios imensos.

Os nossos maratonistas para conseguirem o seu palmarés tiveram que trabalhar e sacrificar-se muito. E o treino é duríssimo. Durante a competição, muitos dizem que a vontade de desistir é grande, mas tiveram que se habituar a isso para conseguir o sucesso.

É verdade que no momento a situação em Portugal é muito insatisfatória, mas isto não quer dizer que estejamos condenados a esta realidade. Estou optimista que surgirão elites, que conseguirão ver a 10 anos de distância, ter mais ambição, mais confiança em si próprios.



 





DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


CONTABILISTA CERTIFICADO

Spring Professional Portugal

CONTABILISTA CERTIFICADO

Spring Professional Portugal