Notícias

Startups: trabalhar aqui é para quem mete 'as mãos na massa'

Startups: trabalhar aqui é para quem mete 'as mãos na massa'

Recrutam competências e atitudes e esse é o segredo do sucesso das startups.

23.01.2017 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



A empresa de capital de risco First Round, que reúne uma vasta comunidade de startups entre as quais a Uber, acaba de divulgar as conclusões do State of Startups, um inquérito que realizou junto de mais de 700 fundadores de startups a nível global, para identificar os principais desafios que se colocam no lançamento e gestão destas empresas. A encabeçar a lista de preocupações dos líderes com a sobrevivência e expansão do seu negócio, estão as dificuldades em contratar os melhores talentos. A constatação não espanta os mentores de startups nacionais como a Feedzai, a Hole19, a Unbabel, a SWORD Health, a Peekmed ou a Uniplaces. Há muito que sabem que é na qualidade da sua equipa que reside a massa crítica do negócio e que sentem na pele a dificuldade que é atrair os talentos certos. Um desafio que vão voltar a enfrentar este ano, quando começarem a selecionar os mais de mil profissionais que querem contratar para as suas operações.

A equipa é o principal trunfo de qualquer empresa no mercado. Nas startups, empresas em fase de implantação e afirmação no mercado, muito orientadas para a inovação, com estruturas por vezes reduzidas aos mínimos, a contratação de profissionais é cirúrgica. Nos últimos anos, as startups nacionais criaram centenas de empregos em solo nacional e internacional, e a tendência é para continuar. Competem com as grandes multinacionais pela captação dos melhores talentos, por vezes de forma desequilibrada pela capacidade salarial que primeiras têm e às segundas escasseia. Mas o seu foco é distinto: às startups não basta atrair os melhores técnicos. É preciso captar profissionais capazes de meter 'as mãos na massa' e fazer acontecer, mesmo que fora da sua área de saber.

Concorrência de gigantes
Nuno Sebastião, CEO da Feedzai, prepara-se para contratar durante este ano mais de 200 profissionais, altamente qualificados, em todo o mundo. Não há limites geográficos para a busca de talento e essa é uma das características das startups. O talento mora em qualquer lugar e a mobilidade não é um problema para os profissionais que decidem abraçar carreiras em startups. Na verdade, “mais de 60% das novas contratações ficarão sedeadas em Portugal e as restantes 40% nos Estados Unidos e noutras geografias mundiais”, explica o fundador.

Será fácil contratá-los? Não. Mas nunca o foi até aqui. Apesar da empresa ser referenciada como um dos casos de sucesso de startups nacionais, enfrenta desafios de captação de talento. “Um dos entraves que enfrentamos prende-se com o facto de na área da inteligência artificial, estarmos a competir pelos melhores candidatos (engenheiros e cientistas de dados) com empresas de grande dimensão como a Google, IBM Watson e Palantir”, confirma. Dificuldades com que João Pedro Ribeiro, CEO da Peekmed, também se debate e que Sérgio Moreira, diretor de marketing da Beeverycreative confirma. O primeiro argumenta que, “os melhores acabam por ser contratados por empresas que oferecem condições que as startups não conseguem acompanhar” e para o segundo, além da questão salarial, onde é difícil a um startup competir com grandes multinacionais, “os candidatos, em especial os mais seniores, preferem a segurança de grandes empresas”.

Mas o que Nuno Sebastião, João Pedro Ribeiro e Sérgio Moreira encaram como um entrave, é para Virgílio Bento, fundador e CEO da Sword Health, uma vantagem. O líder da startup que desenvolve tecnologias na área da reabilitação motora acredita que “essa aparente dificuldade permite-nos contratar pessoas que querem verdadeiramente trabalhar connosco, não só pelas condições que oferecemos, mas principalmente porque valorizam a nossa missão e o impacto real que tem na vida das pessoas”.

E se é difícil atrair estes talentos quando o filtro são apenas as suas competências técnicas, se o grau de exigência se eleva para uma combinação da técnica com a adequação à cultura da empresa, o processo complica-se. Na Uniplaces, por exemplo, não entram candidatos que não cumpram quatro requisitos-chave: “flexibilidade, capacidade de ajustamento, um perfil mais 'mãos na massa' e menos teórico e uma orientação internacional”, explica João Figueirinhas Costa, especialista senior de Talento da empresa que este ano quer contratar 40 profissionais, “a maior parte para desenvolvimento de negócio e vendas, produto e engenharia”. Alguns serão recrutados no estrangeiro, tal como os novos profissionais que Anthony Douglas, fundador e CEO da Hole19, quer incorporar este ano. O líder da startup usada por golfistas concentra as operações em Portugal, mas reconhece que embora o país tenha talentos incríveis em muitas áreas, “tem também alguma inexperiência” e acrescenta que “existem características essenciais para que um profissional possa vingar num ambiente de startup. A principal é a capacidade de adaptação a um clima de constantes mudanças e onde é preciso ter-se disposição para muita tentativa e erro”.

A esta receita, Vasco Pedro, CEO da startup Unbabel, acrescenta “não ter medo de arregaçar as mangas e não esperar que as coisas apareçam feitas”. É este tipo de talentos que quer ver entre os 40 que este ano selecionará para a empresa que lidera e é também um perfil próximo dos 110 novos profissionais que a 360imprimir quer contratar. “O ritmo de trabalho e aprendizagem numa startup são alucinantes e é preciso ter perfil para isso, espírito crítico, capacidade para pensar fora da caixa e gosto por desafios”, explica Carolina Maçãs, porta-voz da empresa. Na Science4You, de Miguel Pina Martins, há outro requisito fundamental: diversidade. “Não temos um trabalhador padrão. Procuramos pessoas ecléticas, com perspetivas e formas distintas de pensar. É isso que nos dá o equilíbrio necessário para aprender em conjunto e elevar a empresas a novos patamares”, defende.

Tem perfil para uma startup?

. O quotidiano de uma startup é muito diferente das multinacionais. A pressão para atingir resultados de gigante com equipas pequenas tende a ser maior.
. As hierarquias são esbatidas e os cargos menos relevantes. Numa startup, empreendedorismo e proatividade são fundamentais e a prioridade é encontrar soluções, mesmo que o problema esteja fora da sua área de intervenção.
. O ritmo de trabalho é muito acelerado, sobretudo em empresas em fase de arranque, e a necessidade de perfis com capacidade de adaptação à mudança e orientação para a solução é fundamental.
. Não há funções herméticas. É um trabalho de equipa, onde a prioridade é 'arregaçar as mangas' e fazer o que há para fazer, mesmo que vá além das suas funções.



OUTRAS NOTÍCIAS
5 regras para aproveitar uma entrevista de despedida

5 regras para aproveitar uma entrevista de despedida


1 Comunique as razões da saídaClarifique com honestidade as razões que o levam a abandonar o projeto mas evite cair no registo “queixinhas”, sobretudo se as suas raz&o...

Falta talento às tecnologias

Falta talento às tecnologias


Portugal é, segundo dados recentes do Eurostat, o país da União Europeia que nos últimos anos mais aumentou a proporção de população empregada p...

40 engenheiros informáticos a caminho da Bizdirect

40 engenheiros informáticos a caminho da Bizdirect


A transformação digital é o grande foco da Bizdirect, a tecnológica do grupo Sonae para 2017. A empresa liderada por João Mira Santiago, tem em marcha um plano de re...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Técnico Superior (Arquiteto Aplicacional)

Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. (ESPAP, I.P.)

Técnicos Superiores (Consultor SAP)

Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. (ESPAP, I.P.)