Notícias

Se pudessem escolher, os portugueses trabalhariam o mesmo

Se pudessem escolher, os portugueses trabalhariam o mesmo

Os profissionais portugueses podem queixar-se da vida que têm, das dificuldades em conciliar o trabalho com a vida pessoal, da falta de tempo para atividades de carácter pessoal ou da dificuldade em desligar das tarefas profissionais depois de um dia inteiro de trabalho, mas feitas as contas, se pudessem escolher o número de horas semanais que trabalhariam, ele seria exatamente igual ao atual. A confirmá-lo está um estudo do CESIS. 

01.07.2016 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Se fossem livres de escolher a duração da sua semana de trabalho, e tendo em consideração a necessidade de ganhar a vida, 46,1% dos homens e 43% das mulheres portuguesas, trabalhariam o mesmo número de horas que trabalham atualmente. A conclusão resulta do estudo “Os usos do tempo de homens e mulheres em Portugal”, realizado pelo Centro de Estudos para a Intervenção Social (CESIS), no âmbito do Projeto INUT, e esta semana divulgado.

As conclusões do estudo apontam para uma significativa valorização do trabalho pago, quer por parte dos homens, quer por parte das mulheres. Mas ainda assim, os dados demonstram que “quase quatro em cada dez pessoas (38,5% das mulheres e 36,9% dos homens) consideram que o seu horário de trabalho não se adapta muito bem, ou mesmo nada bem, aos compromissos familiares, pessoais e sociais que têm fora do se trabalho”.

Em Portugal, o trabalho a tempo inteiro constitui o regime de organização do trabalho da maioria (92,2%) dos profissionais. O recurso ao trabalho a tempo parcial é mais frequente entre as mulheres: 10,4% afirmam trabalhar neste regime, contra apenas 4,8% dos homens. Em contrapartida, são eles quem trabalha por períodos mais longos. Os horários de trabalho acima das 40 horas semanais abrangem quase um em cada três trabalhadores, 34,4% são homens. O estudo realça que “em termos médios, os homens afetam por semana, 42 horas e 55 minutos, à sua atividade profissional principal remunerada. As mulheres, 40 horas e 47 minutos”.

O horário de trabalho fixo é a forma predominante de organização dos tempos de trabalho, tanto para os homens (68,2%) como para as mulheres (74,1%). Merece contudo destaque, como a segunda forma mais referida de organização do tempo, o trabalho por turnos (sobretudo rotativos). “Outras formas de organização do tempo de trabalho, tidas como mais facilitadoras da articulação com a vida familiar e pessoal, tais como a jornada contínua ou a flexibilidade de horário, têm uma expressão muito diminuta, tanto entre as mulheres como os homens”, conclui o estudo que deixa claro que, apesar disso, a maioria dos profissionais trabalharia o mesmo que hoje, se pudesse escolher. O estudo do CESIS teve por base um inquérito nacional realizado junto de 10.146 portugueses com idade igual ou superior a 15 anos, entre 9 de abril e 18 de novembro de 2015.



OUTRAS NOTÍCIAS
O (aparente) equilíbrio entre a oferta e a procura

O (aparente) equilíbrio entre a oferta e a procura


Durante o mês de junho, o Expresso divulgou, nas suas versões impressa e online, 2.105 oportunidades de emprego. Dessas, 272 tinham como objetivo o preenchimento de vagas no sector do Com...

Chronopost vai apoiar negócios digitais

Chronopost vai apoiar negócios digitais


Premiar os melhores negócios e empreendedores digitais é o objetivo da Chronopost. A empresa especializada no transporte expresso de encomendas a nível nacional e internacional, q...

Cincork quer por a filosofia lean a revolucionar a cortiça

Cincork quer por a filosofia lean a revolucionar a cortiça


O Centro de Formação Profissional da Indústria de Cortiça (Cincork) e a Universidade de Aveiro uniram-se para preparar os gestores da fileira da cortiça para uma met...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


ACCOUNTANT BANKING SECTOR-PSA BANK

Spring Professional Portugal

ARCHITECT / PROJECT MANAGER

Michael Page Portugal

ASSISTANT ACCOUNTING CONTROLLER

Spring Professional Portugal