Notícias

Objetivo: vencer!

Os concorrentes portugueses que integram o campeonato das profissões estão bastante motivados para vencer a competição. Mas mais do que um lugar no pódio, estes jovens esperam conseguir maior reconhecimento para as suas profissões e que esta experiência lhes abra novas portas no mercado de trabalho.
02.12.2010 | Por Maribela Freitas


  PARTILHAR



Jairo Carrasco, Mónica Gonçalves e Rodolfo Santos, são três dos concorrentes nacionais que vão mostrar o que valem no campeonato das profissões. Há meses que se prepararam para este evento e é clara nestes jovens a ambição de vencer. Afirmam que vão dar o seu melhor e se não subirem ao pódio, este não terá sido um tempo perdido. Vale pelo currículo acumulado, a aprendizagem efetuada e contacto com novas realidades de trabalho oriundas de outros cantos da Europa. A presença no Euroskills é ainda uma forma de valorizarem as suas profissões e de atraírem a atenção de empresas e potenciais investidores que lhes proporcionem novas oportunidades no futuro.

O concorrente Jairo Carrasco tem 21 anos, é soldador e é nesta especialidade que vai prestar provas no Euroskills. Veterano nestas andanças confessa que apesar da experiência, fica sempre um pouco nervoso antes de prestar provas. A última vez que participou no campeonato das profissões, a nível mundial, ficou em quarto lugar, a um escasso passo de subir ao pódio. «Vou dar o meu melhor no Euroskills. É claro que a ambição é ficar nos três primeiros, mas o mais importante é a experiência» , confessa.

Este jovem completou a sua formação em soldadura na Solisform e foi esta a empresa que o aliciou há algum tempo a participar pela primeira vez nestes campeonatos. Já terminou o seu curso e está agora a realizar uma especialização em soldadura no Instituto de Soldadura e Qualidade. Quanto ao campeonato europeu, há cerca de três meses que se prepara de forma intensiva para enfrentar este desafio. Na perspetiva de Jairo Carrasco, iniciativas como esta são «importantes e abrem portas no mercado de trabalho» . Especificamente na sua área conta que, antes de um profissional ser contratado é sujeito a um exame. Logo toda a experiência que possa acumular é importante para o futuro.

Tal como Jairo Carrasco, também Mónica Gonçalves se está a preparar para o evento há largos meses. «Desde Junho que treinamos todos os dias» , conta. A concorrente, de 21 anos é aluna do Centro de Formação Profissional da Indústria de Vestuário e Confeção e foi este organismo que a convidou a participar. Vai competir em design de moda, em parceria com um modelista. Vão apresentar quatro desenhos e será o júri a decidir qual é que irão executar. A ambição é «vencer ou pelo menos que Portugal passe a valorizar mais esta atividade e se mostre a qualidade da formação nacional na área» , revela Mónica Gonçalves.

Quando terminou o secundário esta jovem não hesitou em seguir o ensino profissional em detrimento da universidade. «É uma formação mais prática e que nos prepara para sermos capazes de fazer tudo, desde desenhar até confecionar a peça que concebemos» , frisa Mónica Gonçalves. A moda é uma área muito competitiva e a participação no Euroskills, «além de ser importante para o currículo, pode abrir portas ou cativar a atenção de empresas e investidores» , salienta. A sua ambição para o futuro é ter um atelier e marca própria.

Rodolfo Santos tem 23 anos e vai competir em joalharia. Terminou o curso de joalharia e cravação há algum tempo e desde fevereiro que tem um atelier em conjunto com mais dois sócios. «Espero conseguir o melhor resultado possível» , revela o joalheiro. Já participou no campeonato a nível mundial e conta que as provas são duras e o nervosismo impera. Não se qualificou entre os três primeiros, mas valorizou a experiência. Há algumas semanas que se está a preparar e considera que «o Euroskills é uma oportunidade para mostrar o que fazemos e divulgar a nossa arte» . Inclusive pode funcionar como uma mostra do trabalho desenvolvido e servir como divulgação para o atelier. O campeonato começa já no próximo dia 9. Montra privilegiada de saberes é para muitos jovens um momento que pode ser determinante nas suas carreiras. É também uma oportunidade para defender a qualidade da formação profissional nacional.



OUTRAS NOTÍCIAS
Quanto vale uma gestão emocional?

Quanto vale uma gestão emocional?


São as pessoas que fazem as empresas. A frase parece feita e hoje até já é dado adquirido entre os mais reputados gurus da gestão. Mas Xavier Rodriguéz-Mart&i...

Flexibilidade e mente aberta

Flexibilidade e mente aberta


Nick Cox é um observador privilegiado do que se passa no mercado de trabalho. Na Hays – uma multinacional especialista em recrutamento - há 28 anos, começou como consultor e atual...

Negociar na adversidade

Negociar na adversidade


O mercado de trabalho nacional está em ebulição. O desemprego atingiu números históricos e os cortes nos abonos de família, o aumento do IVA e do IRS criaram ...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Advogado

Anónimo

Chemistry Teacher

St. Dominic’s International School

CYBERSECURITY ENGINEER

Michael Page Portugal