Notícias

O triunfo da inovação made in Portugal

O triunfo da inovação made in Portugal

Os portugueses já deram a conhecer novos mundos ao mundo. Hoje, no início do século XXI, o país mostra as suas capacidades através de diversas áreas de investigação e prova que em território nacional existe talento.
06.10.2011 | Por Maribela Freitas


  PARTILHAR



Novas ideias, tecnologias e projectos fazem o mundo avançar. Contrariamente ao que se possa pensar Portugal dá cartas e assume cada vez mais um papel importante a nível nacional e internacional em diversos domínios da investigação. Do estudo do cancro até à electrónica transparente, o país prova que tem talento para dar e vender, é capaz de atrair cérebros estrangeiros e pode ser competitivo em diversas áreas da ciência. Ficam aqui alguns exemplos. Neurociências e cancro são as duas principais áreas de investigação do Centro de Investigação da Fundação Champalimaud. Lançado em 2008 o programa de neurociências tem por objectivo investigar as bases neurais do comportamento. Reúne 180 investigadores – cerca de metade são estrangeiros -, congregando experiências, saberes e culturas diferentes. Na área do cancro o centro optou pela investigação translacional, ou seja, estabelece uma ligação permanente entre a investigação básica e clínica, entre a doença e a investigação da doença. Para o efeito foi criada uma área clínica de tratamento de cancro. «Neste momento estão envolvidos em todos os projectos da Fundação, entre médicos e cientistas, 300 pessoas, sendo que no centro estão cerca de 200 e os restantes desenvolvem o seu trabalho no âmbito dos programas Champalimaud em curso noutras instituições e países», revela fonte da Fundação Champalimaud. Estão em curso parcerias com instituições de vários países em áreas como a visão e o cancro. Nesta última o centro criou em 2009 três programas de investigação em metástases com as universidades de Princeton, Cornell e Harvard, o que permite a troca de experiências, conhecimentos e know-how. A excelência deste centro, as condições materiais e humanas que contém e a oportunidade de fazer parte de um projecto novo, único e que congrega cientistas de diferentes nacionalidades, culturas e experiências, tem atraído talento nacional e estrangeiro a este espaço. Para a Fundação é inegável que «a investigação científica de ponta é uma oportunidade que o país tem, dado que possui cientistas de grande qualidade, para se afirmar internacionalmente. Hoje há cientistas portugueses a publicar nas revistas científicas mais prestigiadas e há portugueses integrados nas mais importantes redes científicas globais». A ambição da Fundação Champalimaud é desenvolver ciência de altíssima qualidade que coloque o centro e, portanto o país, num patamar de excelência no quadro dos grandes centros de investigação mundiais. Elvira Fortunato, cientista portuguesa do Centro de Investigação de Materiais (CENIMAT/I3N) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa ficou conhecida do grande público quando em 2008 recebeu o primeiro prémio de 2,25 milhões de euros do European Research Council (ERC) e o seu nome passou a constar no Top 5 mundial dos investigadores em electrónica transparente. O grupo de investigação do CENIMAT/I3N de materiais da electrónica e optoelectrónica onde se insere tem desenvolvido actividades de I&D nas áreas de electrónica transparente, de electrónica de papel, nanotecnologias, nanodispositivos, tecnologia de filmes finos, processos de micro e optoelectrónica e conversão de energia. Com várias patentes registadas, Elvira Fortunato conta que «estas estão a ter aplicação, nomeadamente a da área da electrónica transparente, na nova tecnologia dos mostradores planos estando as novas matizes activas a serem produzidas em larga escala pela Samsung na Coreia, com quem possuímos uma patente conjunta e a Sharp no Japão». Quanto à patente da electrónica de papel ainda não está a ser aplicada, mas tem potencialidades na área das embalagens, documentos de identificação e de segurança, entre outros. Estão também envolvidos num projecto com uma grande papeleira, com o intuito de desenvolver dispositivos electrónicos em papéis optimizados para electrónica. Na equipa de Elvira Fortunato cerca de metade dos 45 investigadores que a compõem são estrangeiros. «A grande atracção prende-se com a qualidade e excelência inerente ao que fazemos. Para além de ser uma investigação de ponta que tem nos dias de hoje grande visibilidade, somos uma referência mundial em particular na área da electrónica transparente e de papel», salienta a cientista. A popularidade do seu trabalho ficou a dever-se em grande parte ao prémio que o ERC lhe atribuiu. Conta Elvira Fortunato que «o nosso trabalho inicialmente teve até um impacto científico maior fora de Portugal e isso é muito bom nos dias que correm, pois mostra que conseguimos competir com os melhores, não só na Europa como no mundo e isso coloca Portugal no topo nesta área». E falando da Europa, a Critical Materials, fundada por Gustavo Dias e Júlio Viana, professores e antigos alunos da Universidade do Minho (UM), é a única empresa portuguesa que participa no projecto Saristu – Smart Intelligent Airframe Structures, liderado pela Airbus. O objectivo é desenvolver soluções inovadoras e multifuncionais de materiais avançados que permitam a redução do peso e custos operacionais das próximas gerações de aeronaves, mantendo e até melhorando o seu desempenho aerodinâmico. «A ligação à UM foi determinante na forma como a Critical Materials nasceu, em particular porque resulta da actividade de investigação em materiais inteligentes e suas aplicações. Também foi possível ao longo da atividade académica interagir com um número significativo de empresas de vários setores de atividade o que permitiu validar e criar a credibilidade necessária para o arranque», comenta Gustavo Dias. A empresa mantém alguns projecto em parceria com a UM e grande parte dos seus colaboradores é graduada desta instituição. Na perspectiva de Gustavo Dias «as universidades são um repositório de boas ideias e de desenvolvimentos tecnológicos». Acredita que Portugal é um país de empreendedores e tal como a Critical Materials, projectos tecnológicos podem contribuir para uma boa imagem internacional do país neste contexto. Também oriunda da universidade, mas desta vez de Aveiro (UA), chega o projecto Smart. Tem como objectivo o desenvolvimento de tecnologias inovadoras para monitorização remota e em tempo real de estruturas através de sensores de fibra óptica. Resulta de uma parceria entre o Instituto de Telecomunicações, a UA e a empresa Justbit. «A primeira fase do projecto já foi atingida com a instalação do sistema no viaduto da A17. Já estamos a receber dados de forma contínua desde junho deste ano», conta Rogério Nogueira, responsável pelo Smart. Os resultados deste projecto reflectem-se em novos produtos que podem ser utilizados para melhorar os processos de monitorização estrutural. Permite que pontes e viadutos, a rede rodoviária ou património histórico possam ser monitorizados, reduzindo os custos e aumentando a eficácia da fiscalização. Para Rogério Nogueira «a transferência de tecnologia das universidades para a sociedade, nomeadamente através das empresas, é fundamental para o crescimento económico do país». Crescimento esse que em tempos de crise é fundamental.


OUTRAS NOTÍCIAS
Currículos que abrem portas

Currículos que abrem portas


Matthew Epstein ficou famoso ao delinear aquilo que pensou ser uma estratégia imbatível para integrar a equipa da Google. O norte-americano investiu cerca de 800 euros para criar um currículo que rapi...

Talentos sem medo

Talentos sem medo


É portuguesa a maior produtora mundial de kayaks de competição, a Mar Kayaks. É também portuguesa uma das líderes mundiais de software de identificação, a NDrive. Tem também o carimbo nacional, a Crit...

Qualificações que dão emprego

Qualificações que dão emprego


Nem só de licenciados vive um país. A comprová-lo está a taxa crescente de empregabilidade dos cursos profissionais que excede os 80%. O país não precisa apenas de doutores e engenheiros, precisa tamb...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Área Jurídica

Assembleia da República

Business Development Assistant

ARC International Design Consultants