Notícias

Líderes humildes, equipas mais motivadas

Líderes humildes, equipas mais motivadas

As equipas são mais motivadas por líderes humildes e autênticos. Esta é a principal conclusão do Barómetro sobre Liderança e Engagement em Portugal, realizado pela Porto Business School, em parceria com a Leaders2be, realizado pela Porto Business School, em parceria com a Leaders2be.

29.07.2013 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



O atual contexto de adversidade obriga os líderes a criarem novos paradigmas na condução diária das suas empresas. Mas estarão os portugueses na rota certa? De acordo com o Barómetro Sobre Liderança e Engagement, realizado a nível nacional pela Porto Business School, em parceria com a Leaders2be, “o comportamento de um líder influência a motivação das equipas em 30%”. Os portugueses são capazes de delegar e orientar, mas enquanto líderes são pouco tolerantes com os erros dos outros e tendem a assumir o palco, concluí também o estudo.

Segundo o barómetro da Porto Business School, “caraterísticas como a humildade e autenticidade em cargos superiores aumentam a motivação dos colaboradores em 70%”. O estudo agora realizado tem como missão identificar as caraterísticas essenciais aos líderes portugueses e avaliar o seu relacionamento com o engagement.Cândida Santos, responsável pelo estudo na Porto Business School, “a conjuntura económica atual obrigou a repensar as estratégias utilizadas para motivar a spessoas e levá-las a darem o seu melhor”.

Na opinião da especialista, “mais do que prémios financeiros, o que leva as pessoas a envolverem-se de forma plena e entusiasta com o seu trabalho e projetos está relacionado com o vínculo estabelecido entre si e o seu líder”. Os profissionais procuram líderes capazes de motivas, entusiasmar e inspirar. Líderes que confiem na sua equipa e nos seus colaboradores, desafiando-os a ir sempre mais além. “Hoje, mais do que nunca, o estilo de liderança pode fazer toda a diferença, no que leva as pessoas a viverem com entusiasmo o seu projeto profissional, tornando-se assim mais produtivos”, explica Cândida Santos adiantando que “o barómetro mostra que os líderes mais apreciados são exigentes com os resultados e competentes, mobilizadores da superação”.

Portugueses são exigentes e orientados para os resultados

Os líderes portugueses são, na sua generalidade rigorosos, fortemente orientados para resultados e exigentes, concluiu o estudo. Um comportamento que se revela determinante para o nível dos indicadores motivacionais dos colaboradores, nomeadamente no que diz respeito à capacidade de mobilização e orientação para resultados. Quanto mais elevada a classificação dos líderes nas dimensões mencionadas, maior o nível de motivação dos colaboradores.

O Barómetro de Liderança e Engagement realizado em Portugal  faz parte de um projeto internacional mais vasto e de grande escala- o Globe - que investigou atributos e estilos de liderança em diferentes culturas. O levantamento incluiu 62 nações, 800 organizações, 15 mil gestores e 170 investigadores.

Em Portugal o estudo foi realizado partindo da análise de variáveis como as competências dos dirigentes ao nível da liderança, a percepção da valorização do trabalho por parte dos colaboradores e o grau de identificação com a cultura organizacional. O relatório concluiu que a generalidade dos portugueses encontram no seu líder um perfil exigente, orientador e visionário. A benevolência é a última das características listadas. Pelo meio são ainda apontadas características como a humildade, autenticidade ou coragem.



OUTRAS NOTÍCIAS
Altran e UBI formam em TI

Altran e UBI formam em TI


Depois de ter conduzido um processo de recrutamento com vista a suprir as necessidade relacionada com a expansão nacional da sua atividade, nomeadamente ao nível do novo centro de servi&...

AMS Goma-Camps cria emprego no mercado do papel

AMS Goma-Camps cria emprego no mercado do papel


A AMS Goma-Camps , implantada em Vila Velha de Rodão, tem ambições globais. A partir de Portugal quer crescer e conquistar novos mercados, além de Angola, Moçambique...

“Se recorremos a contratos semestrais é porque não sabemos recrutar”

“Se recorremos a contratos semestrais é porque não sabemos recrutar”


Recrutar a prazo é condenar as empresas à fraca produtividade e à ineficácia. Assim encara Nadim Habib, diretor executivo (CEO) da Nova School of Business & Economics &...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Área Jurídica

Assembleia da República

Business Development Assistant

ARC International Design Consultants