Notícias

Lay-off poupa empregos

Lay-off poupa empregos

Em dois anos, a aplicação dos mecanismos de redução do tempo de trabalho (lay-off) permitiu evitar a extinção de 564 empregos em Portugal, segundo a OCDE.
28.01.2011 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Entre 2008 e 2009, a aplicação do lay-off em Portugal evitou que 564 empregos fossem extintos. A notícia é avançada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e tem por base um estudo que analisou o papel dos mecanismos de redução dos tempos de trabalho no combate à recessão que se iniciou em 2008.

Em Portugal o lay-off teve uma aplicação bastante limitada e que ficou muito aquém de outros paises. Mas ainda assim, segundo a OCDE, o mecanismo permitiu poupar largas centenas de postos de trabalho. Os mecanismos de redução ou suspensão dos tempos de trabalho subsidiados pelos Estados tiveram, de acordo com a organização, um importante impacto económico permitindo a nível global salvar perto de um milhão de postos de trabalho nos países da OCDE, e fazendo desta ferramenta um mecanismo importante na preservação do emprego.

O número de empregos que esta ferramenta de gestão ajudou a poupar em território nacional não representa mais de 0,02% do emprego do país, mas há outro países onde os números são mais expressivos, como a Alemanha ou o Japão onde se pouparam, respetivamente, 235 mil e 415 mil postos de trabalho. Mas a aplicação destes lay-offs acarreta riscos. Segundo a OCDE, “apenas os trabalhadores com contratos permanentes foram abrangidos por estes apoios o que acabou por agravar a dualidade do mercado de trabalho e o fosso entre os trabalhadores com empregos permanentes e os detentores de contratos de trabalho a tempo parcial, prazo ou até temporários”.

O estudo revela ainda que Portugal integra o grupo de países onde foram praticadas redução médias de horário de trabalho mais elevadas. Deste plantel fazem também parte Finlândia, Espanha e Noruega. Nestes países, o número de horas de trabalho foi reduzido em cerca de 80%, enquanto na generalidade dos 11 países da OCDE, os trabalhadores asseguraram em média 60 a 80% das horas de trabalho normais. Entre os países onde a redução do número de horas foi menor destacam-se os Países Baixos e a Polónia.

Acresce ainda que, segundo estudo, o rendimento mensal dos trabalhadores portugueses foi mais penalizado do que a generalidade dos países. Na verdade, na maioria dos Estados cujas empresas aplicaram lay-offs o salário dos trabalhadores sofreu uma redução, mas manteve-se superior ao que receberiam em situação de subsídio de desemprego. Em Portugal, a taxa de substituição dos rendimentos garantida pelo lay-off foi de 77%, muito abaixo dos 84% assegurados pelo subsídio de desemprego.

Segundo relatório apresentado pela organização, nesta fase é ainda impossível estimar o número de postos de trabalho que o país perdeu depois da aplicação destes programas de redução parcial dos tempos de trabalho. Muitos programas ainda estão a decorrer e o impacto é difícil de quantificar. Mas ainda assim, os economistas que realizaram o estudo acabam por reconhecer que em muitos casos estes sistemas acabam também por perpetuar a existência de postos de trabalho que não são necessários ou viáveis a curto ou médio prazo.


OUTRAS NOTÍCIAS
Coaching na Floresta Negra

Coaching na Floresta Negra


A procura pelo business coaching tem vindo a crescer no mercado nacional. Ciente desta realidade, o More Institut de Portugal organiza em Abril um curso nesta área, na Casa Mundi, em plena Flor...

Mercado penaliza mães trabalhadoras

Mercado penaliza mães trabalhadoras


Mesmo quando as estatísticas mostram que no ano passado 17 mil pais trabalhadores portugueses ficaram em casa, de licença, a cuidar dos filhos no seu primeiro ano de vida. Ser mulher, mãe e amb...

Licenciados sem trabalho

Licenciados sem trabalho


Ser detentor de uma licenciatura há muito que deixou de ser garantia de empregabilidade. As estatísticas já o comprovavam antes e agora voltam a reforça esta teoria. De aco...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


ASSISTANT ACCOUNTING CONTROLLER

Spring Professional Portugal

C# DEVELOPER

Kelly Services Portugal

COLLECTIONS - FLUENT IN ITALIAN

Michael Page Portugal