Notícias

Invicta ‘cativa‘ negócios

28.03.2003


  PARTILHAR




Cátia Mateus

PORTO de Partida é a mais recente aposta rumo à revitalização do Centro Histórico do Porto. A iniciativa reúne seis instituições de renome - a Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE), a Fundação para o Desenvolvimento da Zona Histórica do Porto (FDZHP), o Banco Português de Gestão, a Fundação Instituto Politécnico do Porto, a Associação dos Comerciantes do Porto e a Câmara Municipal do Porto - e tem por objectivo promover o desenvolvimento integrado da zona histórica da Invicta, através do estímulo à criação do auto-emprego






Neste projecto, centrado na criação e consolidação de unidades empresariais, serão apoiados (até 2004) 120 empreendedores. O investimento global ronda os 627 mil euros.

O objectivo é "conduzir" ao centro histórico da Cidade Invicta pequenas unidades de negócio que deverão operar em domínios de intervenção adequados não só às reais necessidades locais, mas também às capacidades dos promotores - conjugadas com a prática de metodologias de inclusão de grupos sociais vulneráveis.

Os potenciais empreendedores e criadores de emprego deverão ter um vínculo à zona histórica do Porto. Segundo Marlene Oliveira, coordenadora do projecto na ANJE, "neste momento, as várias instituições envolvidas estão a proceder a um levantamento no terreno de potenciais beneficiários do programa, mas a partir de Abril já será possível aos interessados dirigirem-se à sede do 'Porto de Partida', na zona histórica, para formalizar a sua candidatura".

No terreno, será criada uma empresa multiserviços - com valências de gestão, "marketing", qualidade jurídica, financeira e económica - destinada a acolher e orientar as iniciativas. Esta plataforma, abrangerá as zonas de Vitória, Miragaia, São Nicolau e Sé.

O objectivo é que o programa não se esgote em 2004, altura em que finda o seu prazo de execução. De acordo com Marlene Oliveira, "a ideia é através da criação desta estrutura de apoio na zona histórica, que deverá permanecer por um prazo de cinco a dez anos, conseguir assegurar o envolvimento dos vários agentes na continuidade deste projecto".

Para José Pombo, coordenador da iniciativa na FDZHP, "a implicação das instituições é a grande mais-valia deste projecto". O responsável garante que, "este envolvimento exige a todos responsabilidades na fundamental divulgação concepção avaliação ou gestão".

O "Porto de Partida decorre da iniciativa comunitária EQUAL, criada para materializar a igualdade de oportunidades entre grupos socialmente carenciados.





 





DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Advogado

Anónimo

Chemistry Teacher

St. Dominic’s International School

CYBERSECURITY ENGINEER

Michael Page Portugal