Notícias

Ideias que fazem a diferença

Ideias que fazem a diferença

As comunidades locais podem contribuir para a resolução dos seus problemas. O Instituto do Empreendedorismo Social tem vindo a identificar ações que se destacam neste domínio. Em Vila Real encontrou cinco e depois do trabalho de pesquisa realizado neste distrito, vai estender a sua atuação ao Porto.
06.01.2011 | Por Maribela Freitas


  PARTILHAR



O Instituto de Empreendedorismo Social (IES) partiu à procura de iniciativas que promovem maior bem-estar social no distrito de Vila Real. Com a colaboração de docentes da Universidade Católica Portuguesa, ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, Universidade de Lancaster e o INSEAD – Business School, foi aplicada a metodologia pioneira ES+ de identificação de projetos inovadores na resolução de problemas sociais e ambientais, com elevado potencial de transformação social e escalabilidade. A pesquisa identificou cinco ações que foram apresentadas publicamente no final de dezembro.

“Foi uma oportunidade de reconhecer boas ideias, iniciativas e ótimos resultados” , refere Miguel Alves Martins, diretor executivo do IES, em relação ao trabalho efetuado. A oficina agrícola, que promove a autonomia de pessoas com deficiência através da atividade agrícola de uma forma continuada, levada a cabo pelo centro de Apoio a Deficientes do Alto Tâmega, em Boticas, foi uma das iniciativas de empreendedorismo social encontradas no distrito de Vila Real. A motivação e acompanhamento pessoal de crianças através da prática de atletismo; o aproveitamento e realocação de equipamento médico especializado através de um sistema de empréstimo; a existência de uma bolsa de voluntariado e por último a loja eco, de valorização da identidade local através do apoio à comercialização da produção de artesãos regionais, são os restantes projetos identificados. Foram também reconhecidas três projetos de empreendedorismo de desenvolvimento local, relacionadas com a produção de vinho, a prática de atividades lúdicas e desportos de aventura na natureza e um museu.

Após a realização deste trabalho o IES assinou um protocolo de colaboração com a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Em conjunto com esta instituição vai ser feito o diagnóstico das necessidades no domínio da gestão nos projetos encontrados, serão desenvolvidos estudos académicos na área dos problemas identificados e numa terceira etapa, algumas empresas poderão vir a prestar auxílio técnico, não financeiro, às iniciativas. “O objetivo é aumentar a eficiência das ações, com o intuito que cresçam e tenham a capacidade de ensinar outros a fazer o mesmo” , explica Miguel Alves Martins.

Na ótica do IES o empreendedorismo social “adapta ferramentas de gestão para, através de empreendedores com uma forte missão social, satisfazer necessidades concretas das comunidades, procurando inovação, sustentabilidade, impacto e replicabilidade” . Este organismo defende que é essencial envolver e capacitar as comunidades locais para a resolução dos seus problemas e na prossecução do desenvolvimento. Criado em 2008, o instituto tem como missão trabalhar com organizações e indivíduos para identificar, apoiar, promover e relacionar iniciativas, inspirando e potenciando um mundo melhor. Focado numa missão social, pretende a partir do conhecimento local ter um elevado impacto a nível global. Quer ainda facilitar a emergência de novos empreendedores sociais e potenciar o seu impacto enquanto catalisadores de mudança. No prosseguimento dos seus objetivos criou uma metodologia, a ES+, devidamente certificada, que reconhece as ações de empreendedorismo social, de elevado potencial.

A primeira região escrutinada pelo IES foi Cascais, com o apoio da autarquia local, onde também identificou cinco iniciativas. Seguiu-se Vila Real, onde o instituto contou com o apoio do Governo Civil do distrito, da Fundação EDP e das câmaras municipais de Alijó, Boticas, Mondim de Basto, Montalegre, Murça, Ribeira de Pena e Sabrosa. “Depois de Cascais a ida para Vila Real teve como intuito testar a metodologia numa região com densidade populacional e economia completamente diferente” , salienta Miguel Alves Martins. Com atuação na Grande Lisboa e em Trás-os-Montes e Alto Douro, o Porto será a próxima zona a estar submetida à inspeção do IES.



OUTRAS NOTÍCIAS
Missão 2011

Missão 2011


Reduzir a elevada taxa de desemprego é certamente uma das mais ambicionadas metas para 2011. Mas a tarefa não surge facilitada. Para a generalidade dos especialistas do setor, na atual c...

Carreiras em ziguezague fomentam sucesso

Carreiras em ziguezague fomentam sucesso


Já lá vai o tempo em que os executivos encaravam as suas carreiras numa perspetiva meramente ascendente, como uma escada, onde cada degrau conquistado significava mais responsabilidade e...

Há emprego no calçado

Há emprego no calçado


A fileira do calçado emprega em Portugal cerca de 44 mil profissionais. É um dos setores com melhor desempenho na economia nacional nas últimas décadas chegando a crescer, ...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Diretor-Geral

FAROL ATT - Associação de Tratamento das Toxicodependências