Notícias

Fisioterapeutas com Ordem

Fisioterapeutas com Ordem

A criação da ordem dos fisioterapeutas foi aprovada, na generalidade, pelo parlamento no início do mês. Este organismo irá intervir na regulação da profissão e na melhoria da qualidade do seu exercício, aspetos que terão impacto num mercado de trabalho onde atuam cerca de seis mil profissionais e onde a taxa de empregabilidade de uma licenciatura nesta área ronda os 88%.
17.02.2011 | Por Maribela Freitas


  PARTILHAR



A definição de critérios de qualidade da formação exigida para o acesso ao título profissional, a atribuição de títulos de especialista ou o controlo de quem trabalha na área sem as devidas habilitações, serão algumas das áreas de atuação da ordem dos fisioterapeutas. A constituição deste organismo é uma reivindicação antiga da Associação Portuguesa de Fisioterapeutas (APF) e a sua criação foi aprovada recentemente na generalidade pelo parlamento, tendo baixado à comissão competente da especialidade. Neste momento são cerca de seis mil os profissionais no ativo, mas dentro de quatro anos estima-se que este número ascenda aos dez mil. Para já o mercado de trabalho ainda não está saturado e são nas áreas do desporto, geriatria e neurologia onde a procura por estes especialistas é maior.

De acordo com um estudo divulgado pela APF em novembro do ano passado a taxa de empregabilidade média de uma licenciatura em fisioterapia era de 88,35%. Na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa do Instituto Politécnico de Lisboa (ESTESL), nos anos letivos de 2006/07 e 2007/08 a inserção dos seus alunos no mercado de trabalho foi de 96,7%. Para Pedro Rebelo, diretor da licenciatura em fisioterapia da ESTESL “continua a haver ainda muita procura por estes profissionais” . Tanto assim é que a esta instituição de ensino chegam propostas de trabalho oriundas de organismos públicos e privados, nacionais e internacionais.

Uma realidade sentida também na Escola Superior de Saúde da Universidade de Aveiro ( ESS /UA). “Os contactos informais com antigos alunos indicam que apesar das dificuldades sentidas na generalidade dos novos licenciados, os fisioterapeutas conseguem a sua integração na vida ativa, refletindo-se as maiores alterações no vínculo e instabilidade de trabalho” , revela Nelson Pacheco da Rocha, diretor da ESS /UA. Alguns estudantes desta instituição têm ido trabalhar para o estrangeiro e não é raro chegam a esta escola pedidos de fisioterapeutas para trabalhar em França e Inglaterra.

Apesar de se assistir cada vez mais a um aumento geral de procura de cuidados de fisioterapia, Nelson Pacheco da Rocha revela que “as áreas da geriatria e neurologia serão provavelmente as de maior crescimento” . A estas Isabel de Souza Guerra, presidente da APF junta a do desporto. A fisioterapia cardio-respiratória, na saúde da mulher e no meio aquático são especialidades que começam a ter procura e a que a escolas da área começam a responder com formação pós-graduada feita à medida das necessidades. Segundo a presidente da APF uma das incumbências da ordem será a capacidade de atribuir títulos de especialidade e assim valorizar a formação obtida.

Isabel de Souza Guerra considera que “neste momento não há trabalho para todas os licenciados, muito pelos constrangimentos que nos são impostos” . Um desses constrangimentos é o facto da Entidade Reguladora da Saúde – que tutela as unidades de saúde no país - ter uma visão dos cuidados da fisioterapia como dependente de uma direção médica. “Enquanto assim for os fisioterapeutas não terão a capacidade de montar as suas unidades autónomas. Considero que estes profissionais têm grande capacidade para trabalhar diretamente com as populações e é uma área enorme que deverá crescer” frisa a presidente da APF. Acrescenta que a associação que dirige tem vindo a lutar contra este fator e crê que futuramente também a ordem o irá fazer. Sem este constrangimento existiriam, na opinião de Isabel de Souza Guerra, mais oportunidades de trabalho.

Com a regulação da profissão, a ordem irá também atuar no combate a quem trabalha no mercado sem as devidas habilitações. “Vemos com grande preocupação a grande quantidade de pessoas sem qualquer formação académica de base que estão a fazer fisioterapia” , salienta a presidente da APF. Uma realidade a que a ordem poderá colocar um ponto final.

 



OUTRAS NOTÍCIAS
Portugal dá cartas na iniciativa empresarial

Portugal dá cartas na iniciativa empresarial


Os candidatos aos Prémios Europeus da Iniciativa Empresarial já são conhecidos. O Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação ...

Emprego garantido na hotelaria

Emprego garantido na hotelaria


É considerado um dos sectores mais dinâmicos na criação de emprego a nível mundial, mesmo em contexto de crise. Segundo o Worldwide Travel and Tourism Council, at&eac...

500 novos empregos na Covilhã

500 novos empregos na Covilhã


Na Covilhã vai nascer um dos maiores centros de dados e computação da Europa. A iniciativa é da Portugal Telecom (PT) que se propõe construir no local um data center...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


ACCOUNTS PAYABLE ADMINISTRATOR - LISBON

Kelly Services Portugal

CONSULTOR COMERCIAL

Kelly Services Portugal

E-COMMERCE TRAFFIC MANAGER

Experis Sales & Marketing, Retail