Notícias

Entrevistas à prova de fracasso

Entrevistas à prova de fracasso

Não há maior erro do que enfrentar uma entrevista de emprego sem se preparar minimamente. É que face a uma conjuntura onde os níveis de emprego são elevados todos os pontos contam na altura de se destacar entre centenas de outros candidatos.
15.10.2009 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Ermanno Forni ensina-o a quebrar todas as barreiras que possam surgir, com o livro “100 Perguntas para uma Entrevista”.

Como reagiria se no decorrer de uma entrevista de emprego o confrontassem com questões como “qual foi o seu maior insucesso?” E o que diria ao entrevistador se ele, simplesmente, lhe perguntasse “o que procura fora do trabalho que não consiga alcançar através dele?”, ou se lhe pedissem para catalogar as suas relações extraprofissionais? Parece-lhe estranho? E se o desafiassem a teorizar sobre o que o alicia a manter um círculo de relações fora da empresa ou se, frontalmente e no meio da conversa, lhe lançassem a fatídica questão: está satisfeito com a forma como a entrevista foi conduzida até agora? Estaria preparado para responder a isto ou ficaria desarmado e com receio? Pois saiba que todas estas questões são possíveis no decorrer de uma entrevista de emprego. Num momento em que face aos níveis de desemprego, a concorrência é cada vez maior e perante centenas de currículos semelhantes, é na entrevista que reside a oportunidade de marcar verdadeiramente a diferença e você pode não ter uma segunda oportunidade para causar uma primeira excelente impressão.

Para o economista e especialista em gestão de recursos humanos, Ermanno Forni, o primeiro grande erro que cometem os candidatos a um emprego é ir para uma entrevista sem a mínima preparação. O especialista italiano acredita que esta etapa do processo de recrutamento é muitas vezes negligenciada pelos candidatos que consideram que podem com facilidade “dar a volta à questão”. Mas quando o que está em causa é mostrar que se é a pessoa certa para o lugar certo, dar a volta à questão simplesmente não basta.

É sabido que preparação numa situação destas é tudo. Mas essa preparação implica vários factores. Já não basta indumentária cuidada, uma imagem agradável à vista e uma capacidade de comunicação exímia. Com a concorrência feroz entre os candidatos, os processos de recrutamento e selecção tornaram-se mais exigentes e as entrevistas assumiram uma função determinante que vai muito além de um primeiro contacto presencial entre o candidato e o potencial futuro empregador. Segundo Ermanno Forni, nas entrevistas joga-se hoje o tudo ou nada, com novos tipos de perguntas que conseguem deixar boquiabertos até os profissionais mais experientes.

Para auxiliar os candidatos a prepararem-se para enfrentar com sucesso esta etapa, o especialista lançou o livro “100 Perguntas para uma Entrevista” (ver caixa). Em Portugal, o livro é editado pela Editorial Presença e está organizado em formato de guia prático, onde qualquer candidato pode encontrar dicas e conselhos para sobreviver à entrevista e assegurar o seu lugar. Nesta publicação, o autor dá a conhecer aos candidatos 100 perguntas que podem ter de enfrentar numa entrevista, avançando soluções de resposta e dando a conhecer o âmbito em que será valorizada a resposta.

Com esta ajuda, cabe pois ao candidato fazer o restante trabalho de casa, procurando antecipar as questões mais óbvias para o seu sector de actividade e alinhavar as respostas mais adequadas.

Mas a esta preparação é conveniente acrescentar ainda pesquisar o máximo possível sobre o seu potencial empregador antes de ir à entrevista. Estudar o site da empresa e a sua história pode ser um importante primeiro passo, mas não se deve ficar por aqui. Pesquise em blogues ou redes sociais a opinião das pessoas em relação à organização a que se está a candidatar, procurando recolher também dados sobre as práticas salariais. Benéfico é também estar preparado para explicar que tipo de problemas e desafios já enfrentou na sua vida profissional e como os ultrapassou, ou demonstrar em exemplos concretos a sua capacidade de liderança.

Preparação é mesmo tudo nesta circunstância e até Yves Turquin, director-geral da Transitar, uma empresa do Grupo Lee Hecht Harrison, considera que “a falta de preparação é a morte do candidato”. O especialista concorda com Ermanno Forni quando diz que a falta de preparação é a maior razão de fracasso da entrevista e argumenta que “o empregador tem de sentir que o candidato se interessa pelo sector da empresa e se se preparar consegue demonstrar que é uma pessoa motivada”.

Erros crassos são, por exemplo, falar mal do empregador anterior ou da empresa onde trabalhou. Evite também a falta de objectividade, procurando ser directo em relação à sua experiência anterior, objectivos e conhecimentos que adquiriu. E jamais, em circunstância alguma, faça da entrevista um palco. Não seja actor nem procure ser uma pessoa que não é. Lembre-se que nenhum mentiroso é suficientemente talentoso para mentir a vida inteira.

Prepare-se para todos os “truques e fintas”

Enfrentar com sucesso uma entrevista de emprego passa por um processo prévio de preparação exaustiva, mas também pode ajudá-lo tentar antecipar eventuais questões que lhe possam ser colocadas no momento pelo entrevistador. Ermanno Forni listou no seu livro uma centena de perguntas a que você pode ser sujeito no processo de selecção para um novo emprego. Estar preparado para responder imaculadamente a todas pode ser tarefa inglória, mas não é demais estar apto para algumas. Como é que você responderia a isto:

. Como caracteriza as pessoas com as quais se relacionou e/ou relaciona fora da empresa? . Em que categorias cataloga as pessoas com as quais manteve contacto fora da empresa? . Pode descrever alguns sucessos que obteve nas suas relações interpessoais? . Como explica esses sucessos? . Em que fundamenta a sua credibilidade? . Que comportamento assumiu quando se viu obrigado a trabalhar com alguém que não lhe agradava? . Quais as razões que determinaram o sucesso ou o insucesso das empresas para as quais trabalhou? . Em que medida o seu papel foi determinante para esses resultados? . O que procura fora do trabalho que não consiga alcançar através deste? . Que expectativas espera ver concretizadas relativamente ao trabalho para o qual se candidata? . Qual foi o maior sentimento de gratificação que experimentou com o seu trabalho? . Face à alternativa entre trabalho por conta de outrem ou trabalho por conta própria, qual dos dois regimes escolheria e porquê? . Recorda-se de quem o motivava quando era estudante? . Qual a actividade profissional que maior satisfação lhe proporcionou e porquê? . Está satisfeito com a forma como esta entrevista foi conduzida até agora? . Qual foi o seu maior insucesso? . Quais as causas desse insucesso? . Como o solucionou? . Que comportamento assumiu da última vez que se sentiu sobrecarregado de trabalho? . Considera-se apto para desempenhar este trabalho? . Descreva como estrutura o seu dia de folga...



OUTRAS NOTÍCIAS
Todos diferentes, todos melhores

Todos diferentes, todos melhores


E da diferença nasce a criatividade e a inovação. A diversidade, venha ela de onde vier, é salutar para as organizações. Seja cultural, de género, raci...

Empresas contratam a Norte

Empresas contratam a Norte


A crise bateu forte e feio nas regiões Norte e Centro, onde o colapso de muitas indústrias assentes no trabalho intensivo acabou por ter um efeito avassalador em especial sobre a popula&...

Mais poder aos trabalhadores

Mais poder aos trabalhadores


Marisa Antunes O seu chefe é centralizador? A companhia onde trabalha é demasiado burocrática nos procedimentos, sente que poderia ser mais produtivo se o seu superior hier&aac...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Arquiteto

Anónimo

Colaborador

Anónimo

Comercial / Diretor(a) Comercial

ERA BELÉM RESTELO & ERA ALCÂNTARA/AJUDA