Notícias

Diálogos do silêncio

Em Portugal, há gente que por mero gosto pessoal decidiu eliminar todas as barreiras de comunicação e aprender a língua dos gestos, o idioma dos que não conhecem o som
19.01.2007


  PARTILHAR



Cátia Mateus Célia Gonçalves é enfermeira e integra há três anos uma das várias turmas que duas vezes por semana aprende na Associação Portuguesa de Surdos (APS), em Lisboa, a língua daqueles a quem a natureza não dotou com a capacidade auditiva ou verbal. Célia ouve e fala perfeitamente, mas sabe que há quem não o possa fazer. E sabe que na sua profissão as dificuldades de comunicação se podem pagar muito caro. Um custo que não quer arriscar. Com a Célia, nesta turma, estão mais 14 alunos (de entre os cerca de 150 que a APS está a formar nos cursos de língua gestual) de profissões tão diversas como a psicologia, o ensino, a filosofia, a biologia, serviços administrativos ou jurídicos. Gente que se recusou a aceitar barreiras de comunicação dentro do seu próprio país e decidiu aprender um novo idioma, uma nova forma de comunicar onde o silêncio tem o mesmo eco que qualquer som.


Chama-se língua e não linguagem gestual. Tem uma gramática própria que se baseia na observação visual e está longe de se aprender num mês. É preciso treino para dizer “bom-dia” ou “obrigada”. Na APS, os cursos de Língua Gestual Portuguesa (LGP) têm uma duração de três anos, mas o seu presidente João Alberto, assegura que “o aluno necessita de pelo menos cinco anos, muita prática e contacto directo com a comunidade surda para poder comunicar”.

Segundo João Alberto, “nos últimos anos, o ensino da LGP ganhou uma maior visibilidade, talvez pela presença de intérpretes em alguns programas de televisão”. O representante da comunidade surda confirma o crescente interesse de “jovens e adultos ouvintes” de várias áreas de formação na aprendizagem da LGP. “Os professores, educadores de infância (particularmente os ligados ao ensino especial), auxiliares educativos, enfermeiros, psicólogos e oficiais de justiça, são os que mais nos procuram”, clarifica o presidente da APS.

Na maioria dos casos, estes profissionais não iniciam a aprendizagem por qualquer imposição laboral ou na expectativa de uma valorização imediata dos seus currículos. Fazem-no por gosto pessoal e por ânsia de dominar todas as formas de comunicação. Muitos, iniciam esta aprendizagem ainda enquanto estudantes.

É o caso de Filipa Sousa e Bruna Brito, duas alunos do nível 3 do curso de LGP. Ambas estão ainda na faculdade de onde sairão como educadoras de infância. Ambas entenderam que era importante prepararem-se para todas as realidades. Ambas desejam trabalhar junto da comunidade surda, procurando contribuir para uma educação igual em oportunidades e desafios para as crianças surdas. Foi também pelas crianças que a professora de filosofia Cláudia Pinheiro se rendeu à língua gestual. Inscreveu-se no curso por curiosidade, mas hoje a sua meta é tornar real um projecto que utiliza a língua gestual para desvendar a filosofia junto das crianças surdas.

Estes cursos obedecem a um sistema de avaliação rigoroso. As aulas decorrem em vários horários, duas vezes por semana, com uma duração de duas horas. Cada aluno é sujeito a um exame semestral onde prova os seus conhecimentos. Só perante uma avaliação superior a 10 valores o aluno transita para o nível seguinte. Na APS, o nível 3 é o máximo que se pode atingir.

Embora segundo João Alberto a maioria dos alunos não ambicione alcançar o patamar de Tradutor e Intérprete de Língua Gestual, os que o queiram fazer terão de ingressar nas instituições de ensino superior onde a licenciatura é leccionada. Mas apesar desta ser uma profissão com forte cariz social, o presidente da Associação de Intérpretes de Língua Gestual Portuguesa (AILGP), Artur Albuquerque, garante que “nem tudo são rosas para quem decide viver a ajudar a comunidade surda a comunicar-se”. A instabilidade continua a pautar a profissão.

Artur Albuquerque enfatiza o interesse crescente da comunidade pela língua gestual e explica que “além dos particulares, há também muitas empresas privadas e autarquias que recorrem a nós para promover cursos de LGP junto dos seus colaboradores”. Mas é com desagrado que o presidente da AILPG constata que se tratam de acções pontuais. “Toda a gente sabe que a comunidade surda tem dificuldades em ser entendida em muitos serviços públicos, tendo por isso um tratamento desigual, mas continuam a não existir intérpretes de língua gestual nos organismos do Estado”, lamenta.

Artur Albuquerque vai ainda mais longe ao denunciar uma realidade que limita a igualdade de oportunidades da comunidade surda. “A educação é a base de tudo e, no entanto, cometem-se aqui erros graves. Os intérpretes são contratados para fazer algumas horas semanais numa escola, a várias disciplinas. Os alunos surdos não têm intérprete na totalidade das suas horas de formação ou das disciplinas”, explica.

O responsável, gostaria de ver o ensino da LGP inserido (mesmo que de forma opcional) nos currículos do sistema de ensino nacional. “Assim, quem quisesse aprender a comunicar com a comunidade surda, não teria de pagar do seu bolso para isso, nem teria de faltar ao emprego”, frisa. Um desejo que Artur sabe ter características de “deslumbro” já que “os familiares de surdos nem sequer têm direito a redução no seu horário de trabalho para aprender a língua gestual que é fundamental para a comunicação com os seus”.

Enquanto a realidade não muda e o exercício da profissão de Tradutor e Intérprete de LGP não conhece melhores dias, Artur Albuquerque mostra-se satisfeito com a iniciativa individual da comunidade em dominar esta forma de comunicação. Talvez assim, mesmo que os hospitais, os tribunais, as esquadras de polícia, as finanças ou até as escolas não tenham nos seus quadros nenhum funcionário com competências em língua gestual, e a comunidade surda permaneça esquecida, exista por perto alguém capaz de traduzir em gestos o ruído da comunicação verbal.





DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Arquiteto

Anónimo

Colaborador

Anónimo

Comercial / Diretor(a) Comercial

ERA BELÉM RESTELO & ERA ALCÂNTARA/AJUDA