Notícias

Desempregados mais informados

Perder o posto de trabalho arrasa qualquer um, mas é importante ganhar alento para saber quais os seus direitos e obrigações para não perder benefícios.
25.03.2010 | Por Marisa Antunes


  PARTILHAR



É a notícia na ordem do dia e que ninguém quer receber. Ficar desempregado já atinge mais de 560 mil portugueses e são poucos os que parecem estar a salvo de reestruturações, deslocalizações ou processos de falência das suas empresas. Para aqueles que infelizmente, entraram há pouco tempo para este grupo de desafortunados do trabalho, a DECO – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor – actualizou, através da sua revista “Dinheiro & Direitos” (D&D) de Março/Abril, uma espécie de manual de sobrevivência para os primeiros dias pós-desemprego.

O que fazer para requerer o subsídio de desemprego e como não o perder. Quais os prazos que jamais se devem exceder para não anular direitos, quais as alternativas para quem não pode receber o subsídio e que opções se pode seguir para criar o próprio emprego, são apenas algumas das dicas referenciadas na mais recente edição da D&D. Por exemplo, numa situação de desemprego involuntário, a regra ditava que teria direito a subsídio quem tivesse um período mínimo de descontos de 450 dias nos últimos 24 meses. Em 2010, e para suavizar os efeitos da crise, o Governo aprovou um regime transitório que reduz esse prazo para 365 dias nos últimos 24 meses.

Para quem não tem o tempo de descontos necessário para requerer ou se já esgotou o subsídio de desemprego, pode ainda ter direito ao chamado subsídio social de desemprego. “A segurança social exige pelo menos 180 dias de descontos nos últimos 12 meses e um rendimento “per capita” do agregado até 461,14 euros mensais. Mas atenção: para poder usufruir do subsídio social é preciso apresentar uma declaração de rendimentos até 90 dias após terminar o de desemprego. Ainda mais atenção para quem tenha, no mínimo, 52 anos à data em que perdeu o seu trabalho: a lei prevê que esse subsídio seja prolongado até à idade da reforma antecipada (57 ou 62 anos).

Parar é morrer

Para além das obrigações dos inscritos nos centros, - que inclui, entre outras, a participação activa na procura de emprego e a obrigatoriedade em aceitar a formação que lhes é proposta ou o chamado trabalho socialmente necessário em instituições sem fins lucrativos -, os desempregados mais empreendedores poderão abraçar um desafio arriscado mas muito compensador.

Ainda poucos o fazem, mas pode ser a nova página de uma vida sempre sonhada: iniciarem o seu próprio negócio. Como lembra a DECO, uma das alternativas para receber o subsídio é requerê-lo por inteiro. Neste caso, é necessário apresentar um projecto credível ao centro da área da residência.

Quem não cumpra as condições para receber o subsídio de desemprego, pode sempre tentar o microcrédito. Instituições como a Associação Nacional de Direito ao Crédito, o IEFP (Instituto de Emprego e Formação Profissional) ou a Santa Casa da Misericórdia, m parceria com bancos, têm programas de incentivos a pessoas que queiram criar o seu próprio negócio. “Entre o pedido do crédito e o dinheiro na mão, o processo demora dois a três meses”, refere –se ainda na D&D.

Ficou desempregado, e agora?

Há uma série de procedimentos que não deve descurar para não perder o direito ao seu subsídio de desemprego.

•  Peça uma declaração à entidade patronal com a data em que terminou o contrato. Caso tenha feito um acordo com a empresa, não se esqueça de juntar todos os documentos que provem as razões do despedimento.
•  Após o seu pedido, a empresa tem até cinco dias para responder. Se isso não acontecer, deve queixar-se à Autoridade para as Condições do Trabalho, que substitui a declaração ao fim de um mês.
•  Inscreva-se no centro de emprego da área de residência.
•  Muita atenção: a DECO lembra que “em simultâneo ou até 90 dias após o desemprego, deve pedir o subsídio no centro ou serviço Segurança Social Directa, na Net. Se deixar passar este prazo perde o direito.
•  Assim que o seu pedido for aceite, receberá o subsídio desde a data de apresentação do requerimento.



OUTRAS NOTÍCIAS
Onda de recrutamentos na Teleperformance

Onda de recrutamentos na Teleperformance


Em tempos de conjuntura agreste, são poucas as empresas que conseguem fazer crescer não só a sua conta de resultados mas também os seus recursos humanos. A Teleperformance ...

Factor humano: a chave da competitividade

Factor humano: a chave da competitividade


Os tempos não são de feição, mas diz o senso comum que os momentos de adversidade abrem as portas à oportunidade. Por essa razão, o International Faculty for ...

O futuro é teu!

O futuro é teu!


Global, competitivo, em constante mutação e longe de assegurar lugares vitalícios, assim é o mercado de trabalho actual. Uma radiografia que exige por parte dos jovens um c...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


COMERCIAL - CONSTRUÇÃO CIVIL - ZONA NORTE

Spring Professional Portugal

CONTABILISTA CERTIFICADO

Spring Professional Portugal

CONTABILISTA CERTIFICADO

Spring Professional Portugal