Notícias

Autoconfiança gera emprego

Um estudo nacional, conduzido por uma docente do Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto (ISCAP), foi mais longe na avaliação dos fatores-chave para a empregabilidade. A investigação conduzida por Diana Aguiar Vieira não deixa margem para dúvidas: “os jovens que confiam em si têm melhores empregos”.
01.07.2011 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Há muito que se fala numa nova tendência, emergente entre os principais recrutadores do mercado nacional e internacional, que desvaloriza a média de final de curso e o currículo em detrimento de outros fatores, hoje considerados mais determinantes para contratar o candidato ideal. Diz-se que para alcançar o sucesso é importante uma postura proativa e empreendedora e que ser escolhido entre muitos para integrar uma organização de topo depende mais de fatores como a experiência de estudar além-fronteiras, a prática desportiva ou de atividades de voluntariado, do que propriamente do tempo investido a estudar para ter boas notas. Depois desta inversão à forma como se devem os candidatos posicionar para conseguir um emprego de sonho, surge agora outra. Autoconfiança é tudo! A autora do estudo vencedor da 6ª edição do Prémio Agostinho Roseta, na categoria de Estudos e Trabalhos de Investigação, atribuído pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional, Diana Aguiar Vieira revela que “os jovens com maior confiança na própria capacidade para executar diversos comportamentos de procura de emprego e adaptar-se ao contexto de trabalho, passam menos tempo à procura de emprego e têm maior facilidade em arranjar um bom lugar no mercado de trabalho”. Para alcançar estas conclusões, a autora - que é docente do Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto - acompanhou um grupo de cerca de 500 alunos, na fase de conclusão do curso e durante o seu processo de abordagem e entrada no mercado de trabalho. Explica a autora que “foram realizados dois estudos ao longo do percurso académico e profissional dos finalistas do Instituto Politécnico do Porto, em dois momentos de avaliação distintos: uma primeira fase junto de alunos que se encontram a frequentar o último semestre dos respetivos cursos e, uma segunda fase, cerca de um ano depois”. Os resultados evidenciaram, como refere Diana Aguiar Vieira, que a autoeficácia e os objetivos traçados influenciam positivamente o sucesso na transição do mundo académico para o mercado de trabalho. E segundo a docente, há outro dado de extrema importância neste contexto: a envolvente familiar. Família está base da autoconfiança “A família e os professores são elos fundamentais para que os jovens alcancem este sentimento de confiança”, defende a autora do trabalho de investigação. Para Diana Aguiar Vieira, estes dos intervenientes - o contexto académico e o familiar - não só são importantes na configuração das trajetórias académicas e profissionais, como também no desenvolvimento desta autoconfiança e vontade de progressão. Parâmetros cada vez mais importantes num mercado trabalho global e competitivo onde, há muito, o recrutamento não se faz apenas a uma escala nacional mas também além fronteiras. Acreditar em si e nas suas capacidade de aprendizagem e evolução é, em muitos casos, meio caminho andado para mostrar a quem recruta que é “a pessoa certa no lugar certo”. O estudo de Diana Aguiar Vieira - “Perspetiva sociocognitiva da transição do ensino superior para o trabalho: a influência da autoeficácia e dos objetivos numa transição vocacional” -, que foi também a sua tése de doutoramento, foi realizado sob a orientação do Prof. Doutor Joaquim Luís Coimbra, na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra.


OUTRAS NOTÍCIAS
Estudar no estrangeiro abre portas

Estudar no estrangeiro abre portas


Segundo números do organismo americano Education USA no ano letivo de 2009/10 existiam 1015 estudantes portugueses neste país. Um número que cresceu 4,2% em relação a período homólogo. Ciente do inter...

Liderança para jovens angolanos em Portugal

Liderança para jovens angolanos em Portugal


O Banco BIC e PwC vão lançar, em parceria, uma Academia de Liderança para jovens angolanos que residam e estudem em Portugal. A iniciativa surge sustentada pelo aumento significativo do investimento n...

57% dos jovens querem uma experiência internacional

57% dos jovens querem uma experiência internacional


Relação direta ou não, a realidade, é que os portugueses têm uma histórica tendência de emigração. Os dados são claros e espelham uma tendência que há muito é notória nos bancos das universidades: ...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Advogado

Anónimo

Chemistry Teacher

St. Dominic’s International School

CYBERSECURITY ENGINEER

Michael Page Portugal