Notícias

“Já não se quer só talento, mas sim o melhor talento”

“Já não se quer só talento, mas sim o melhor talento”

O programa é inovador entre as Business Schools nacionais e tem como missão a deteção precoce de talentos em contexto nacional. O The Magellan MBA Followers já caminha para a segunda edição, na Escola de Gestão da Universidade do Porto (EGP- UPBS). Tudo porque já não basta às empresas captar e reter talentos. A meta é escolher os melhores.
24.02.2012 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Magellan MBA Followers arrancou em novembro de 2010, com o objetivo de dar às empresas a possibilidade de detectarem e testarem os alunos do Magellan MBA, e assim perceberem qual o que melhor se adequaria ao perfil da sua organização. O programa está estruturado em função das empresas, mas nesta relação lucram ambos os intervenientes: alunos e organizações envolvidas. Para Paula Rodrigues, coordenadora do serviço de Gestão de Carreiras da EGP-Univerity of Porto Business School (entidade mentora do projeto), “o programa é inédito entre as business schools em Portugal e coloca em contacto empresas de topo com alunos de MBA que se encontrem numa fase inicial do programa”.

Foi o caso de Patrício Carvalho que durante um ano integrou este programa. Tal como a grande maioria dos seus colegas, a frequência deste curso acabou por ditar uma mudança no rumo da carreira. Licenciado em Medicina Veterinária, Patrício Carvalho exercia a sua formação inicial quando integrou o The Magellan MBA, mas no decorrer do curso percebeu o enorme potencial para alcançar novas competências profissionais.

O jovem profissional realizou o seu internship ao abrigo do Programa Followers numa das empresas do grupo RAR, a Acembex especializada no desenvolvimento de soluções para o sector agroalimentar, e acabou por ser contratado depois de ter respondido com sucesso ao desafio lançado pela organização. “A experiência foi extremamente positiva, tendo tido a oportunidade de participar no estudo de oportunidades de mercado, analisar transversalmente as operações da empresa e, acima de tudo, verificar o focus da Acembex na valorização dos seus parceiros, fornecedores e clientes”, relembra Patrício Carvalho que parece ter deixado para trás o exercício clínico da medicina veterinária.

Na sua primeira edição o The Magellan MBA Followers contou com a adesão de 10 empresas - entre elas a BIAL, RAR, EDP, BES, AMORIM, MILLENIUM BCP, CEREALIS - que identificaram um mentor interno e durante um ano letivo acolheram um aluno lançando-lhe desafios que permitem avaliar o seu desempenho e as suas competências. A edição deste ano contará com 13 empresas participantes, mas segundo Paula Rodrigues os princípios são os mesmos, “por um lado proporcionar às empresas um contacto antecipado, privilegiado e em primeira mão com os alunos do Magellan MBA, possibilitando uma forma eficaz, atempada e proativa de identificar talento e funcionando também como uma iniciativa de atração de talento e de employer branding. Por outro lado, o programa cria um contexto muito favorável para o aluno conhecer de forma privilegiada, empresas, funções e projetos e para se dar a conhecer a estas empresas”.

A coordenadora do serviço de gestão de carreiras da EGP-UPBS não tem dúvidas de que se trata de “uma iniciativa que gera ótimas condições para que o aluno consiga dar visibilidade aos seus talentos de forma concreta, o que na maior parte das vezes não seria possível mostrar através de um CV ou até de uma entrevista”. Paula Rodrigues acrescenta que “tendo em conta que a maior parte dos alunos do The Magellan MBA pretendem fazer e fazem grandes mudanças de carreira após o MBA, é muito importante criar contextos que lhes permitam dar-se a conhecer como um todo e mostrar o que valem em áreas e projetos para os quais não apresentam experiência formal”. Uma iniciativa que para a EGP-UPBS tem potencial de crescimento e é cada vez mais decisiva para os alunos em matéria de desenvolvimento de carreira.

“O conhecimento já não é diferenciador”

Paula Rodrigues
Coordenadora do serviço de Gestão de Carreiras da EGP-UPBS

P: Da experiência que tem no serviço de gestão de carreiras da EGP-UPBS, que competências têm atualmente de possuir os jovens para triunfarem no mercado laboral?
R:
Como refere Daniel Pink, vivemos numa era de high-touch e high-concept, na qual o conhecimento já não é diferenciador. Competências comunicacionais e relacionais, capacidade de inovar, relacionando conceitos e ideias muito diversos, capacidade de lidar e gerir a mudança e um forte sentido de empreendedorismo, mesmo para quem trabalha por conta de outrem (intreperneur), de fazer acontecer e de acrescentar, são factores determinantes.

P: Participar em programas deste tipo pode ser um caminho para a empregabilidade?
R:
Diria que nenhuma iniciativa, por si só, é garantia de empregabilidade. Numa era em que já não se procura talento, mas sim o melhor talento, a EGP-UPBS tenta criar todas as condições para que os alunos possam desenvolver a sua carreira. Contudo, a gestão da carreira é da responsabilidade de cada aluno e tem muito a ver com a forma como estes aproveitam as ferramentas e as aprendizagens que adquirem no MBA e, também, com a sua capacidade de diferenciação e de construir e dar visibilidade à sua marca pessoal.

P: Quantos alunos já envolveu o The Magellan MBA Followers?
R:
Na sua primeira edição, o programa envolveu 85% dos alunos do Magellan MBA. Em termos de qualificação, aprendizagem, experiência e networking, é sem dúvida uma aposta ganha.

P: Que metas futuras tem a EGP-UPBS para este programa?
R:
Em relação ao magellan MBA é de esperar que no futuro este programa veja consolidada a sua posição como um dos MBA full-time de referência na Europa. O programa Followers é um exemplo de uma das caraterísticas mais marcantes deste programa, que é a forte ligação aos meios empresariais. Mas há outras dimensões e sucessos recentes que potenciam uma evolução promissora. Refira-se, por exemplo a dupla acreditação internacional (AMBA, EPAS/EFMD) que o Magellan MBA possui, a maior taxa (60%) de alunos internacionais em qualquer MBA acreditado em Portugal e a sua entrada para o Top 30 dos MBA Rising Stars 2011. Há ainda que salientar as vitórias alcançadas pelos nossos alunos em 2010 e 2011, em competições internacionais de MBA e empreendedorismo, o track record dos nossos Alumni (patente, por exemplo, no facto de 4 das 20 empresas do PSI-20 serem dirigidas por CEOs alumni neste MBA) e a crescente rede internacional de alunos.



OUTRAS NOTÍCIAS
Erasmus da lusofonia une alunos e professores

Erasmus da lusofonia une alunos e professores


Poderia chamar-se o Erasmus da Lusofonia, porque, afinal, é disso que se trata. A Associação de Universidades de Língua Portuguesa (AULP) é uma das dinamizadoras de um projeto que possibilitará a mais...

Educar na área da dor

Educar na área da dor


Chama-se Pain Education e é a mais recente aposta formativa da Fundação Grünenthal na área da dor. O programa formativo já arrancou e é parte integrante de uma aposta mais vasta da fundação nesta temá...

Huawei recruta mais 50

Huawei recruta mais 50


No ano passado a chinesa Huawei faturou em Portugal 70 milhões de euros. A empresa que está presente em território nacional desde 2004, já investiu mais de 40 milhões de euros na economia lusa e asseg...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Arquiteto

Anónimo

Colaborador

Anónimo

Comercial / Diretor(a) Comercial

ERA BELÉM RESTELO & ERA ALCÂNTARA/AJUDA