Notícias

Profissão: Pai Natal

Meigo, simpático e um pouco anafado são os requisitos certos para ser Pai Natal. E, acredite, durante a época natalícia, largas dezenas de profissionais dão vida a esta personagem que faz as delícias de miúdos e graúdos e mantém viva a chama desta quadra
20.12.2007


  PARTILHAR



Maribela Freitas
Em Portugal, o Pai Natal chega mais cedo. Todos os anos, de norte a sul do país, são vários os centros comerciais que durante a época natalícia contratam esta simpática figura bonacheirona, vestida de vermelho e que faz as delícias de pequenos e graúdos. Entre fotografias e animação diversa, são várias as actividades destes profissionais que dão vida e corpo a uma figura mítica, símbolo máximo da generosidade do Natal. Um emprego sazonal que tem, contudo, requisitos muito específicos.

A Sonae Sierra detém 18 centros e três galerias comerciais em todo o país. Para cada um destes espaços contrata um Pai Natal e tendo em conta que o horário de trabalho desta actividade é muito alargado, na maior parte dos centros existem dois turnos e, consequentemente, mais do que um profissional. Mas ser Pai Natal nos «shoppings» desta empresa tem muito que se lhe diga. “É necessário cumprir ao máximo alguns requisitos físicos. Digo ao máximo, pois, como precisamos de muitos, nem todos conseguem ser velhos, barrigudos e de barba verdadeira. É necessário que sejam carinhosos, pacientes e com um ar muito, mas muito meigo, pois é isso que os pais das nossas crianças esperam do Pai Natal”, conta Inês Rosário, «product manager» de centros em operação da Sonae Sierra.

Nestes centros comerciais a maioria dos Pais Natais chegam no primeiro dia de Dezembro, mas no Colombo — onde é o mesmo há seis anos — chega mais cedo. “Ficam nos centros até ao dia 24 de Dezembro, dia em que têm de se ausentar mais cedo para distribuir os presentes a todas as crianças do mundo”, explica Inês Rosário.

Tirar fotografias com as crianças e contribuir para a animação dos centros comerciais, são algumas das funções árduas do Pai Natal. Nos «shoppings» Dolce Vita, da Chamartín Imobiliária, são contratados cinco por ano. “Fisicamente pretendemos uma pessoa alta, não muito nova e com físico forte em vez de delgado. Queremos ainda uma pessoa simpática, amigável, que goste de crianças e crie empatia. Claro que se encontrarmos uma pessoa que tenha formação em educação infantil ou similar, é privilegiada em relação a outras”, salienta Magda Amaral, directora de «marketing» da Chamartín Imobiliária. Quanto à contratação deste profissionais, Magda Amaral revela que não é complicado, uma vez que recorrem a empresas de eventos que disponibilizam este tipo de animadores. Aliás, é também assim que a Sonae Sierra assegura estes profissionais para a quadra natalícia.

Para a directora de «marketing» da Chamartín Imobiliária, “esta é uma área de emprego cada vez mais necessária e em que as exigências de quem contrata são cada vez maiores e, portanto, o meu conselho é que quem gosta de entretenimento e de interagir com o público, se especialize, forme e estude actuações inovadoras capazes de chamar a atenção do público e proporcionar entretenimento interactivo”.

Tal como as anteriores empresas, também a Multi Mall Management recorre a empresas especializadas para a contratação dos 16 Pais Natais que emprega nos dez centros comerciais e um «retail park» que gere em Portugal. Este ano, e no âmbito da sua política de responsabilidade civil, a empresa criou o livro infantil ‘Gui e o Natal Verde no Planeta Azul', dedicado aos mais novos e que é oferecido pelas mãos do Pai Natal. Aqui a quadra natalícia começa a ser preparada no Verão e para Pais Natais a Multi Mall Management quer “alguém que goste muito de crianças e que verdadeiramente acredite e viva o espírito de Natal”.

Durante o mês de Dezembro a Bee Action — Marketing Below the Line tem à volta de 140 animadores a fazer de Pais Natais, um pouco por todo o país. Trabalham com diversas empresas, entre elas algumas das que detêm centros comerciais.

“Tentamos recriar a ideia que existe dessa figura”, frisa Susana Silva, gerente da empresa. Antes de partirem para o terreno, todos os animadores da Bee Action recebem formação para a actividade que vão desempenhar. Isto porque, na bolsa de animadores com que trabalha, a Bee Action tem pessoas com formações muitos distintas, entre as quais se encontram alguns artistas de teatro. Para este trabalho, conta Susana Silva, “necessitamos de pessoas bem dispostas e que saibam interagir com miúdos e graúdos”. Como remuneração um Pai Natal pode receber entre oito a 15 euros por hora, dependendo da sua prestação.





DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


AR ITALIANO

Experis Finance, Tax & Legal

CONTROLLER DE GESTÃO INDUSTRIAL

Spring Professional Portugal