Notícias

Portugueses não querem aprender

09.05.2003


  PARTILHAR






Ruben Eiras

APENAS dois em dez portugueses indicaram ter participado em actividades de aprendizagem durante 2002 e cerca de metade da população não está interessada em aprender.


As sombrias estatísticas foram calculadas recentemente pelo inquérito Eurobarómetro sobre a aprendizagem ao longo da vida, efectuado por conta da Direcção-Geral da Educação e Cultura, com o apoio do CEDEFOP.

O estudo, levado a cabo entre 15 de Janeiro e 28 de Fevereiro de 2003 nos 15 Estados-Membros, além da Noruega e Islândia, implicou a realização de mais de 18.000 entrevistas pessoais.

Na categoria dos países que não querem aprender, Portugal é seguido de perto pela Espanha (47%) e pela Grécia, onde também somente dois em dez gregos afirmam ter frequentado acções de formação no ano transacto. O outro lado da moeda encontra-se nos países nórdicos, onde a percentagem de inquiridos que não participam no ensino ou formação é inferior a 50%.

Aprender, mascom objectivos

"Esta aparente desmotivação pela aprendizagem pode ter a ver com o facto das pessoas não verem resultados imediatos da formação que realizam ou que lhes propõem. Isto quer dizer que a aprendizagem, particularmente se falamos de adultos, deve ser bastante contextualizada e orientada para objectivos muito concretos", comenta José Lagarto, especialista em ciências da educação.

Um panorama que não se constata nos métodos pedagógicos e formativos mais em voga na comunidade nacional de formadores.

De acordo com o estudo "O Sistema de Formação de Formadores", realizado pelo Observatório do Emprego e Formação Profissional (OEFP) - já mencionado no EXPRESSO Emprego de 24/4/03 -, o actual modelo de formação pedagógica inicial de formadores assenta em necessidades teóricas e gerais e não no conhecimento das realidades concretas das empresas e dos formandos.

Para José Lagarto, a inversão desta situação passa por instituir métodos de aprendizagem mais centrados no formando. Mas não só. Também é crucial fazer que o formando auto-avalie os resultados efectivos das suas aprendizagens e identifique por si mesmo as competências que adquire.

"Aos poucos, com estas alavancas, as pessoas vão-se apercebendo do real impacto da formação no seu aperfeiçoamento pessoal, irão abandonar a formação esporádica e encarar a formação contínua como uma necessidade real", argumenta.

Todavia aquele especialista frisa que para concretizar esta medida é fundamental, além de métodos de ensino mais "pragmáticos", a articulação estreita entre os formandos, as empresas e os centros de planeamento de formação, "desde a unidade central até às estruturas regionais", sublinha.

E como se não bastasse que 50% dos portugueses rejeitem qualquer tipo de formação, cerca de dois terços declararam não saber utilizar o computador, o valor mais alto do inquérito, a par da Grécia. Uma realidade que põe em xeque a competitividade do Estado-membro da UE que definiu, na Estratégia de Lisboa, a transformação da Europa numa economia do conhecimento em 2010.

"As estatísticas da educação em Portugal revelam que cerca de 15% da população portuguesa têm um nível de escolaridade superior e que igual número (15%) têm a escolaridade secundária completa. Apesar de não se poder generalizar esta afirmação, é um facto que são as pessoas com maior nível de escolaridade que mais utilizam as TIC, seja no âmbito profissional, seja no domínio doméstico para os mais variados fins. Deste modo, os resultados não surpreendem", analisa José Lagarto.

A solução para este problema é o aumento da escolaridade média dos portugueses. "Só que este é um processo lento e ainda demorará alguns anos a chegarmos ao nível dos nossos parceiros europeus", contrapõe. Para arrepiar caminho, José Lagarto sublinha que a aprendizagem da utilização das tecnologias de informação (TI) pelos portugueses deve ser fomentada aos níveis formal e informal.

No âmbito dos sistemas de ensino e de formação, aquele especialista defende que os professores de todos os níveis de ensino, bem como os formadores dos subsistemas de formação profissional devem ser alvo de "atenção especial". Como? "Todos eles deveriam realizar formação no âmbito das TIC, seja ao nível da utilização pessoal, seja da sua utilização pedagógica ao nível da sala de aula e do espaço escolar", responde.

Paralelamente, José Lagarto enfatiza que o acesso às TI através de diversas iniciativas deve continuar a ser introduzido. "A divulgação dessas acções deve ser mais eficiente e francamente suportada nos meios de comunicação de massas", remata.





DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


ACCOUNT MANAGER | VISEU

Michael Page Portugal

ACCOUNTING QUALITY CONTROLLER

Spring Professional Portugal

ADMINISTRATIVO COMPLIANCE

Kelly Services Portugal