Notícias

Gestores aumentam salário

Gestores aumentam salário

70% dos gestores viram subir o seu salário base, apesar da conjuntura económica permanecer adversa.
26.08.2010 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



A maioria das instituições financeiras aumentou o valor do salário-base dos seus gestores, tendo porém diminuído o montante anual dos prémios de compensação dos seus colaboradores e o peso dos incentivos a longo prazo. A conclusão é avançada pela consultora Mercer no estudo Executive Incentive Plan Snapshot Survey , agora divulgado.

Cerca de 70% dos profissionais inquiridos no estudo confirmam ter visto subir o valor do seu salário base e diminuído o seu prémio anual em dinheiro. A Mercer revela ainda que o peso dos incentivos a longo-prazo também aumentou para 56% dos profissionais e que 38% das empresas reduziram a proporção entre as stock options e os incentivos a longo-prazo. Paralelamente, mais de 65% das empresas assume ter programas obrigatórios de prémios diferidos, mas apenas 40% introduziram normas que permitem recuperar parte do prémio, caso o desempenho não seja o desejado.

Medidas que decorrem, segundo a Mercer, da preocupação das entidades reguladoras com o facto da cultura de bónus de curto-prazo, utilizada habitualmente neste setor, encorajar a tomada de riscos excessivos para a crise financeira atual. Contudo, e apesar das mudanças implantadas por grande parte das organizações financeiras, “espera-se que a legislação lançada pela União Europeia no início de 2011 seja ainda mais severa. Esta legislação deverá limitar o prémio em dinheiro aos trabalhadores do setor a um máximo de 30%, devendo o bónus remanescente ser entregue em pagamentos diferidos e ligado a fatores de desempenho a longo termo, com 50% pago em ações”, faz saber a Mercer.

Segundo Diogo Alarcão, partner da Mercer, “este estudo demonstra que tem existido um progresso significativo, a nível global, na resposta às orientações provenientes de organismos reguladores. No entanto, ainda há muito a fazer para ir totalmente ao encontro do que os reguladores pretendem, sobretudo no que toca a garantir que a avaliação de desempenho esteja alinhada com a natureza e horizonte temporal dos riscos”.

O responsável destaca ainda que “80% das organizações têm já um plano de incentivos a longo-prazo e 10% planeiam a sua implementação”. Os planos shared-based são os mais frequentes (78%), sendo que 52% das empresas oferecem stock options e 48% planos baseados em pagamentos em dinheiro. “A maioria das instituições tem vindo a introduzir métricas não financeiras para aferir o desempenho, como sejam o nível de satisfação dos clientes ou a gestão de risco”, explica Diogo Alarcão que revela ainda que “há uma preocupação crescente com a sustentabilidade a longo-prazo ainda que a maior parte das empresas não alinhe os benefícios dos seus executivos de topo com os das equipas que lideram”.


OUTRAS NOTÍCIAS
Para lá do salário

Para lá do salário


Com mercado de trabalho a enfrentar dias difíceis, são cada vez mais os profissionais dispostos a abrir mão de alguns benefícios já adquiridos, a bem da manuten&cced...

Desemprego difícil de superar

Desemprego difícil de superar


A taxa de desemprego em Portugal fixou-se nos 10,6% durante o segundo trimestre do ano, igualando o valor apurado no trimestre anterior. Os dados são do Instituto Nacional de Estatística...

Os novos empresários tradicionais

Os novos empresários tradicionais


Fomentar a criação pequenos negócios locais capazes de assegurar a empregabilidade e subsistência dos seus promotores e gerar a criação de emprego, é o ...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Técnico Superior

Nova School of Business and Economics

.NET DEVELOPER

Kelly Services Portugal