Notícias

Formar para o empreendedorismo

30.05.2003


  PARTILHAR



Cátia Mateus

DONA Empresa é o mais recente projecto de dinamização do espírito empreendedor feminino em Portugal. O programa agora lançado é da responsabilidade da Associação Portuguesa das Mulheres Empresárias (APME), tem um prazo de execução até 2004 e sustenta a sua intervenção na formação e consultoria para mulheres desempregadas com uma ideia de negócio.

Integrado na medida 4 do Programa Operacional do Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS) - cujo objectivo é fomentar entre os cidadãos dos estados-membros da União Europeia os princípios do empreendedorismo e criação do auto-emprego -, o Dona Empresa centrará a sua actuação em cinco locais do país particularmente problemáticos em matéria de desemprego e iniciativa empresarial: Porto, Aveiro, Viseu, Montemor-o-Novo e Almodôvar.

Criar novas empresas e "despertar" novas empresárias é, segundo Ana Bela Pereira da Silva, presidente da APME, o objectivo do projecto agora lançado. Trata-se de um programa alargado de formação e consultoria concebido para "potenciar novas empresárias e novas iniciativas empresariais (micro-empresas e auto-emprego), reforçando o tecido económico e social das regiões e do país, criando emprego e distribuindo riqueza", explica a presidente da APME.

Na opinião de Ana Bela Pereira da Silva, o projecto "através da profissionalização da gestão e da liderança das empresas que o constituem, é capaz de cimentar, actualizar e desenvolver competências, atitudes e conhecimentos das potenciais empresárias e das empresas criadas".

São duas as suas áreas de intervenção: a formação - focalizada na área comportamental e técnica/tecnológica necessárias à criação, gestão e liderança de micro-empresas - e a consultoria que numa primeira fase actuará junto das potenciais empresárias auxiliando-as na elaboração do plano de negócios e, posteriormente, no suporte efectivo ao lançamento da empresa ou do próprio emprego, durante os seus primeiros meses de vida.

E porque a meta é desenvolver conhecimentos e reforçar competências de modo a viabilizar a ideia e concretizar o negócio, o programa prevê ainda a atribuição de um incentivo financeiro equivalente a 12 vezes o salário mínimo nacional, a conceder aos negócios que se distingam pela inovação de produtos, serviços e técnicas de gestão. Um prémio que, segundo Ana Bela Pereira da Silva, "será exclusivamente utilizado no apoio ao arranque da empresa".





DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Advogado

Anónimo

Advogado

Anónimo

asesor económico/comercial

Embajada en Lisboa