Notícias

Emigrar com segurança garantida

São várias as razões que podem levar um profissional a emigrar. Para muitos a decisão é motivada pela ambição de novos horizontes profissionais. Para outros, o desemprego, a necessidade extrema de honrar as suas contas no final do mês e conseguir juntar alguma poupança, ditam a partida. Mas até para poupar é necessário escolher bem o país. Ganhar bem, não chega.
29.06.2012 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



No ano passado, Portugal perdeu cerca de 110 mil profissionais a favor de empresas estrangeiras implantadas noutros países. Brasil e Angola figuram no top dos destinos escolhidos pelos portugueses. Uma proximidade alcançada pela histórica identificação linguística, mas que não deixa de fora outros destinos como a Noruega, Alemanha ou Reino Unido que registam também a procura e o investimento dos portugueses. Ao escolher o país de destino deve recolher o maior número de informação possível sobre as práticas salariais, mas também os sistemas de contribuição social que lhe permitirão, por exemplo, receber mais tarde uma reforma.

A proximidade linguística é, regra geral, o primeiro filtro de um profissional quando decide emigrar. Os outros são o salário que as empresas praticam, as condições sociais e a necessidade o país da qualificação ou profissão que tem para oferecer. A esta lista deve acrescentar, por comparação ao salário, o custo de vida local. Esta é a primeira conta que deve fazer se uma das suas metas for partir para amealhar algum dinheiro. Na generalidade dos casos, é fácil ganhar lá fora mais do que consegue auferir em Portugal. O principal problema é a forma como gere eventuais poupanças, que acabam por ser investidas localmente pois são raros os casos em que repatriar poupanças é compensador.

O Brasil é um desses casos. Não é difícil para um quadro qualificado ganhar bem neste destino, mas o custo de vida elevado, sobretudo nas cidades, não viabiliza grandes poupanças. Contudo, na questão da reforma quem emigra o Brasil tem a vida mais facilitada.

Desde os anos 90 o país tem em vigor um acordo celebrado com Portugal que define que os anos de trabalho nos dois países têm equivalência para efeitos de contabilização para reforma. O documento prevê ainda que os emigrantes portugueses tenham direito a subsídios de doença, maternidade, prestações familiares por acidentes de trabalho e doenças profissionais, bem como a devida assistência médica no território.

O mesmo não sucede noutros países. Na Alemanha, por exemplo, o emigrante faz os seus descontos normais mas no momento da reforma terá de receber um valor pelos anos em que estive emigrado no país e outro, pelos que trabalhou em Portugal. O mesmo modelo aplica-se na Suíça, mas não no Reino Unido que possibilita a contabilização conjunta com os anos de trabalho realizados em Portugal.

Angola é, nesta matéria, o mais problemático dos destinos. É que apesar de quer o empregador, quer o empregado realizarem os respetivos descontos para o órgão competente, os emigrantes não têm direito a prestações sociais. Sem benefícios como a reforma ou o subsídio de desemprego, resta ao portugueses que optem por este destino realizarem planos de poupança próprios. Se trabalhar em Angola, numa empresa portuguesa, pode sempre optar por realizar descontos para a Segurança Social em Portugal.

Enviar para Portugal o fruto das suas poupanças também pode não ser compensador ou, sequer, fácil. Angola impõe limites ao envio de dinheiro para fora do país (cerca de 3900 euros mensais por pessoa) e mesmo na Europa há limites para as transferências.

Outros países e oportunidades
Alemanha já tem site de recrutamento global
A Alemanha precisa de profissionais qualificados e está de olhos postos no mercado global, e sobretudo em Portugal, para suprir as suas necessidades de RH. Para facilitar a tarefa e atrair jovens quadros para o país, o Governo alemão criou o site www.makeit-in-germany.com onde é possível encontrar as oportunidades de emprego e todas as informações necessárias para trabalhar no país. O site dá ainda a conhecer um guia de candidatura e informações sobre o país. A Alemanha tem uma forte carência de especialistas nas mais diversas áreas e também de quadros executivos. O país quer recrutar sobretudo profissionais nas área da ciência, tecnologia, engenharia e matemáticas, mas recentemente veio também a Portugal procurar enfermeiros e profissionais ligados ao sector financeiro. Uma das áreas com carência de profissionais é a da construção civil onde são necessários profissionais técnicos, mas também engenheiros. O salário mais baixo nesta área ronda os dois mil euros mensais.

Noruega de olhos nos profissionais de saúde
Os enfermeiros e médicos portugueses podem ter um lugar assegurado na Noruega. O país tem carência de médicos especialistas em cirurgia, medicina interna, pneumologia e ginecologia para o seu sistema de saúde e as oportunidades para estrangeiros no país foram agora alargadas com a abertura de um novo hospital no sul do país: o Sorlandet Sykehus. A nova unidade tem também carência de enfermeiros perioperatórios, para as áreas da cirurgia, e também para os cuidados intensivos. As candidaturas podem ser formalizadas para o email gerd.jorunn.holm@sshf.no, em inglês e acompanhadas do currículo. Aos selecionados o hospital garante apoio na instalação e na aprendizagem da língua e um salário de cem mil euros anuais, para os médicos, e 60 mil para os enfermeiros. E se é engenheiro e também gosta do frio, aqui há também oportunidades para si. A Noruega precisa de 16 mil engenheiros e paga, nesta categoria profissional, entre quatro a oito mil euros.

Fernave continua a recrutar para Moçambique
A Fernave, empresa de formação técnica participada pela CP, REFER e Metropolitano de Lisboa, tem em marcha um novo processo de recrutamento de quadros qualificados em diversas áreas para preencher vagas de diretor de exploração, de compras e gestão de stocks, diretor de infraestruturas, de material circulante e de oficinas, no sector ferroviário em Moçambique. Em paralelo, a empresa procura diversos profissionais para o sector marítimo-portuário em países como Angola. Há dez vagas para preencher em cargos que podem ser de responsáveis de gestão de terminal, segurança e ambiente, planeamento e logística, operações portuárias e manutenção. A empresa pretende em primeiro lugar recrutar para a sua operação de terra. Este é o 6º processo de recrutamento que lança este ano.



OUTRAS NOTÍCIAS
Empreendedores dinamizam crescimento e emprego

Empreendedores dinamizam crescimento e emprego


Conduzido junto de 400 empreendedores, o relatório revela que “mais de dois terços dos inquiridos admitem contratar até ao final deste ano, criando postos de trabalho que não são temporários ou de bai...

Anje forma novos comerciais

Anje forma novos comerciais


A conjuntura económica não permite fracassos nem perdas de tempo. E perante esta realidade, resta às empresas definir a melhor das estratégias de venda para os seus produtos. A pensar na difícil taref...

Olisipo procura 80 ‘gurus’ nas TI

Olisipo procura 80 ‘gurus’ nas TI


O sector das tecnologias de informação (TI) parece estar vacinado contra a crise. No país debate-se a falta de emprego e a forma de travar aquilo que é já um flagelo...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


ACCOUNT MANAGER - INCENTIVOS À I&D

Michael Page Portugal

ACCOUNTANT BANKING SECTOR-PSA BANK

Spring Professional Portugal

ASSISTANT ACCOUNTING CONTROLLER

Spring Professional Portugal