Notícias

Conciliação beneficia negócios

Conciliação beneficia negócios

A conciliação entre a vida profissional e familiar tem um impacto positivo no mundo dos negócios. Segundo um estudo da Regus, os empresários estão mais conscientes deste impacto.

07.03.2014 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



A convicção de Sheryl Sandberg, a chief operational officer do Facebook e ex vice-presidente de vendas globais e operações online do Google, quando defende no seu livro “Lean In” que “um mundo verdadeiramente igualitário será aquele em que as mulheres estivessem a gerir metade do país e das empresas, e os homens a gerir metade das nossas casas”, pode parecer provocatoriamente irreal e longínqua, mas um estudo recente da Regus dá conta de que, também nesta matéria, as mentalidades estão a mudar. A empresa especializada em espaços de trabalho flexíveis confirma que 91% das empresas portuguesas estão conscientes da relevância das mulheres em contexto empresarial.

Ao longo da história, a maternidade limitou, em muitas empresas, a progressão profissional de inúmeras mulheres. Portugal não é exceção, mas para a Regus o cenário está a mudar. Segundo uma pesquisa conduzida junto de empresas nacionais e agora divulgada “91% das empresas portuguesas referem que as organizações ficam a perder se não empregarem mulheres depois da licença de maternidade”. Celia Donne, diretora global de operações da Regus, esclarece que “mais do que voltarem com uma agenda de contactos desatualizada e a memória enferrujada, as mães trabalhadoras têm competências e conhecimentos valiosos, como reconhecem 57% dos inquiridos em Portugal”.

No contexto nacional, o estudo revela que os entrevistados elencam a flexibilidade de horários, a possibilidade de trabalhar mais perto de casa e ter, em alguns casos, a opção de videoconferência em vez de viajar, estão entre as principais estratégias que podem facilitar um regresso das mães ao mercado.  Entre as principais conclusões alcançadas em Portugal destaca-se, por exemplo, o facto de “talvez devido ao aumento das pressões financeiras, 39% dos entrevistados confirmarem que as mulheres optam por licenças de maternidade mais curtas (com menos de três meses)”, enfatiza o estudo. 44% assumem que trabalhar mais perto de casa é um incentivo adicional e 46% revelam que as mulheres pedem para trabalhar à distância quando regressam da licença de maternidade. Neste estudo a Regus inquiriu 19 mil empresários e gestores seniores em 98 países, Portugal incluído.



OUTRAS NOTÍCIAS
Talento sub 30 reunido em Lisboa

Talento sub 30 reunido em Lisboa


Foi considerada recentemente como um dos melhores eventos para Startups na Europa, pelo site de tecnologia TechCrunch, e promete trazer a Portugal 12 grandes personalidades mundiais da inovaç&a...

NovaSBE treina liderança eficaz

NovaSBE treina liderança eficaz


O líder deve ir além da visão imediatista do dia-a-dia e ter uma visão integrada dos fundamentos da gestão. É em torno deste pressuposto que está organ...

Competências atraem multinacionais

Competências atraem multinacionais


Localização estratégica e elevada qualificação dos recursos humanos a custos competitivos são grandes aliciantes para um número crescente de multinacio...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


ADMINISTRATIVO CONTROLO DE CRÉDITO

Experis Finance, Tax & Legal

ASSISTENTE FINANCEIRO

Experis Finance, Tax & Legal