Notícias

58% não querem continuar a trabalhar no turismo

Carreira A dificuldade de contratação não é o único problema a assombrar o turismo. Mais de metade dos profissionais quer abandonar o sector num horizonte de cinco anos. Salários são um problema, mas não o principal, diz estudo

23.09.2022 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Tem sido um dos sectores a puxar pela recuperação económica do país no pós- -pandemia, mas as bases do turismo são frágeis no que toca à capacidade de atrair e reter profissionais. Nos últimos meses, enquanto aumentava a procura de Portugal como destino turístico de eleição, cresciam também as queixas dos empresários sobre a incapacidade de contratar trabalhadores para o sector, mesmo com aumentos salariais. Mas a dimensão do problema é mais ampla. Um estudo da empresa de trabalho temporário Eurofirms, a que o Expresso teve acesso, destaca que não só é difícil contratar para o ramo da hotelaria e restauração como a maioria dos atuais trabalhadores (58%) quer abandonar a área dentro de cinco anos.

O retrato do sector ajuda a explicar as dificuldades que tem atravessado no que à contratação e retenção de profissionais diz respeito. O turismo é conhecido pelos seus horários difíceis, salários baixos e vínculos precários, mas o panorama ganha perspetiva quando se quantificam estes universos. O mesmo estudo da Eurofirms, feito em maio deste ano junto de mais de 500 profissionais colocados no sector, mostra que, embora a qualificação tenha vindo a aumentar, 61% mantêm vínculos precários, 41,8% incapacidade de conciliar a atividade com a vida familiar devido aos horários praticados e mais de metade (54%) leva para casa um salário até €800 brutos mensais.

São estes números que fazem com que 58% dos profissionais admitam que “não se imaginam a trabalhar no sector daqui a cinco anos”, sinaliza o estudo, que acrescenta ainda um outro dado relevante: 54% dos trabalhadores chegam ao sector por necessidade e 28% por casualidade. Os que escolhem a profissão por vocação representam apenas 11%.

Fuga de profissionais

Este cenário, reconhece a Eurofirms, coloca desafios de fundo, que não passam apenas pela valorização salarial e pelo combate à precariedade. A pandemia acentuou a degradação das condições de trabalho no sector.

“A mobilidade de profissionais de hotelaria rumo a outros sectores e´ uma realidade, bem como a crescente dificuldade em atrair novos talentos”, lê-se no relatório. Inverter esta tendência, defende a Eurofirms, exige que as empresas ponham em prática estratégias para atrair e reter os trabalhadores. Um desafio que se torna ainda mais determinante quando 79% dos profissionais ouvidos neste inquérito afirmam que as condições de trabalho “são claramente piores em Portugal” do que noutros países e 78,6% consideram que a pandemia deteriorou ainda mais as condições laborais na área.

“As condic¸o~es que mais pesam de forma negativa sa~o os hora´rios, o salário e a precariedade laboral, por esta ordem. No entanto, com perspetivas de melhoria, o sala´rio destaca-se como principal prioridade”, destaca o estudo. Mas para inverter a fuga de profissionais da hotelaria e restauração para outros ramos é preciso mais do que aumentar salários.

Uma aposta sólida na formação dos jovens, adequada às necessidades das empresas, permitirá “melhorar a formac¸a~o dos jovens e ira´ aumentar a quantidade de candidatos”, defende a Eurofirms. Depois, acrescenta, é preciso explicar aos profissionais “as vantagens do sector e como podem evoluir”, melhorar os turnos e a flexibilidade laboral, gerando “postos de trabalho com hora´rios mais compati´veis com a conciliac¸a~o familiar”, e “incluir planos formativos na remunerac¸a~o dos trabalhadores”, para que possam atualizar competências e evoluir. Sem isto, segundo o estudo, será difícil inverter a fuga dos profissionais do turismo.

 

61% dos profissionais do sector da hotelaria têm vínculos temporários

54% dos trabalhadores ganham até €800 brutos mensais

79% dos profissionais defendem que as condições de trabalho neste sector são “claramente piores em Portugal” face a outros países



OUTRAS NOTÍCIAS
Que sectores estão a ‘roubar’ trabalhadores ao turismo?

Que sectores estão a ‘roubar’ trabalhadores ao turismo?


A forte recuperação do turismo — que espera ultrapassar este verão o patamar de 2019 — está a puxar pelo crescimento da economia&n...

Espanha - Telefónica fracassa na semana laboral de quatro dias

Espanha - Telefónica fracassa na semana laboral de quatro dias


A primeira experiência de implantação da semana laboral de quatro dias numa grande empresa espanhola resultou frustrada. Apenas 2% do quadro de efetivos da Telefónica respon...

Contratações tecnológicas ‘arrefecem’, mas Portugal resiste

Contratações tecnológicas ‘arrefecem’, mas Portugal resiste


Nem tudo são boas notícias para os profissionais das tecnologias de informação. Depois de dois anos a beneficiar do forte crescimento que a pandemia trouxe ao sector, com u...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS