Notícias

55,5% dos portugueses trabalham sob pressão

55,5% dos portugueses trabalham sob pressão

A conciliação entre a carreira e a família é uma tarefa cada vez mais exigente para os profissionais portugueses. Mais de metade dos portugueses profissionalmente ativos confirma trabalhar sob pressão, grande ou moderada, e para 33% dos trabalhadores a carreira claramente afeta a sua vida pessoal. As conclusões resultam de um inquérito especial do INE agora divulgado.

24.06.2016 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Mais de metade dos profissionais profissionais portugueses (55,5%) estão diariamente sujeito a situações de pressão na sua atividade profissional e para 1,5 milhões de trabalhadores a conciliação entre o trabalho e as exigências familiares é assumidamente um problema pela dificuldade crescente em delimitar o tempo dedicado a cada uma das esferas. O Instituto Nacional de Estatística (INE) estudou a forma como trabalham os portugueses no inquérito “Organização do trabalho e do tempo do trabalho”, realizado em conjunto com o Inquérito ao Emprego no segundo trimestre de 2015 e agora divulgado. O objetivo foi medir os níveis de flexibilidade e autonomia concedidos ao trabalhadores portugueses e resulta numa radiografia sobre os principais desafios que os profissionais enfrentam diariamente no campo da gestão do tempo nas empresas nacionais. 

A análise do INE parte de um universo de 4 580,8 mil profissionais, com 15 ou mais anos, residentes em Portugal e que se encontravam profissionalmente ativos no último trimestre do ano passado. A análise que acompanha o inquérito - da autoria de Sónia Torres, Daniela Ramos e Ana Luísa Neves - revela que “a população empregada afirma sentir-se pressionada mo seu local de trabalho, principalmente as mulheres”. Segundo o estudo, no conjunto das pessoas empregadas que assumem trabalhar sob níveis de pressão grandes ou moderados há diferenças, ainda que residuais, associadas ao género. As mulheres (56%) sentem mais a pressão do que os homens (55,1%).

A ditadura do tempo
Além das diferenças associadas ao género, há outros factores a influenciar os níveis de pressão laboral. Segundo as autoras, “o sentimento de maior pressão para terminar tarefas ou tomar decisões dentro de prazos considerados insuficientes é mais frequentemente reportado por aqueles que completaram o ensino superior (75,9%), quando comparado com os/as que completaram, no máximo o terceiro ciclo do ensino básico (42,%), muito provavelmente devido às funções profissionais exercidas por cada grupo.

Em matéria de gestão do tempo, são vários os cenários que contribuem para tornar mais difícil a conciliação carreira/família para os trabalhadores portugueses. São já 33% (cerca de 1,5 milhões de trabalhadores em Portugal) aqueles que admitem que o trabalho que desenvolvem afeta significativamente a sua vida pessoal. Na base deste argumento está, por exemplo, o facto da maioria dos profissionais (66,8%) não terem influência no modo como o seu horário de trabalho é determinado, a dificuldade que 28,9% dos profissionais admitem ter para se ausentar do local de trabalho, por uma ou duas horas por motivos pessoais (ainda que a maioria não sinta esta dificuldade), ou até o facto de 48,4% dos profissionais indicarem ser difícil, ou mesmo muito difícil, gozar um ou dois dias de férias planeadas com pouca antecedência.



OUTRAS NOTÍCIAS
Restart atrai jovens pela arte e inovação

Restart atrai jovens pela arte e inovação


É muito jovem o público alvo do Programa Férias Criativas promovido pela Restart – Instituto de Criatividade, Artes e Novas Tecnologias. A escola de formação p...

PrimeIT prepara 150 contratações

PrimeIT prepara 150 contratações


Setenta das 150 contratações que a consultora tecnológica PrimeIT quer realizar ainda este ano são para admissão imediata. A velocidade do negócio assim o exi...

Podemos falar de dinheiro?

Podemos falar de dinheiro?


Na primeira entrevista não toque no assunto. Não é que seja proibido, mas tendo em conta que é o primeiro contacto que tem como o potencial recrutador, e que outros candida...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Advogado

Anónimo

Chemistry Teacher

St. Dominic’s International School

CYBERSECURITY ENGINEER

Michael Page Portugal