Notícias

O marketing da Google numa sala perto de si

O marketing da Google numa sala perto de si

As formações gratuitas, de três dias, em competências digitais arrancaram em março.

24.04.2017 | Por Rute Barbedo


  PARTILHAR
LinkedIn Twitter Facebook Google+



Faz-se fila em frente ao auditório para assistir à formação em marketing digital dirigida pela Google. Mas apesar de o assunto ser avesso ao papel, os formandos só entram depois de passar o código impresso numa folha A4 pelo leitor eletrónico. Além disso, e mesmo que alguns exercícios passem pela criação de páginas de internet e de planos de marketing, “os computadores não são material obrigatório”, ressalva a coordenadora Ana Rita Gouveia, que ‘pica o ponto’ dos participantes da terceira formação presencial do Atelier Digital da Google, no Instituto Politécnico de Setúbal (as primeiras decorreram em Aveiro e em Leiria), a 19 de abril.

Eunice Pedro, de 28 anos, que abandonou Angola há um ano para estudar Gestão, acreditava, até agora, que “marketing significava vendas”. Mas depois de pesquisar mais — e melhor — sobre competências digitais, percebeu que para criar o seu negócio era preciso saber comunicar com o público certo, nas horas certas, com as palavras certas, bem como identificar o ‘certo’ com a ajuda de ferramentas de medição e avaliação. É este o núcleo desta iniciativa gratuita da gigante tecnológica (apoiada pela Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, pelo Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos, pelas universidades do Porto e Nova de Lisboa e pela SIC Esperança), que em pouco mais de três meses chegou a mais de 15 mil portugueses (através de ações online e presenciais, de três dias).

De acordo com o formador, Marco Gouveia, compreender “as ferramentas e oportunidades, como podem exportar com facilidade num mundo digital global e o pouco dinheiro que é preciso investir [em ações de marketing]” poderá alargar os horizontes dos participantes. “A maior parte das pessoas não tem noção disto”, explica. Segundo dados da Comissão Europeia, estima-se que em 2020 haja quase 800 mil empregos por preencher por falta de competências digitais no Velho Continente; em Portugal o esperado são 15 mil vagas.

Formação para todos
No anfiteatro, há pessoas empregadas e desempregadas, alunos e ex-alunos, adolescentes e reformados. Ana Ravara Bello, coordenadora da iniciativa da Google em Portugal, explica que “qualquer pessoa interessada em obter competências digitais” pode participar nestas formações. Ninguém sabe como será o mundo em 2020 (três anos são suficientes para perder o rumo da revolução, acredita-se na sala), mas todos concordam que ele estará ligado — ainda que sem fios — por ainda mais milhares de milhões de telemóveis, computadores e novos dispositivos e que com eles se fará o sucesso profissional. No plano comercial, por exemplo, calcula-se que as vendas a retalho por meio digital ultrapassem os €250 mil milhões em toda a Europa, enquanto na China, 47% da população já compra a partir de plataformas eletrónicas.

Marco Gouveia, que um dia trabalhou nas defuntas Páginas Amarelas e hoje conduz esta formação, assinala, por isso, a utilidade das ferramentas de análise de dados, da publicidade digital e da otimização dos motores de busca para que a comunicação de um produto, serviço, marca ou negócio seja valorizada entre a malha de informação atual. “Usar AdWords ou e-mail marketing permite-nos visar grupos específicos, porque o objetivo já não é massificar”, enquadra. E mais: no mundo do marketing 3.0, a espiritualidade é que manda. “Foi assim que a Campbell’s [a marca da lendária lata de sopa de New Jersey] conseguiu duplicar as vendas [há 11 anos]”: passaram de uma mensagem focada nos benefícios para a saúde para uma campanha de sensibilização para o cancro da mama, ilustra o formador.

Um projeto, 25 países
Presente em mais de 25 países europeus, o Atelier Digital da Google está “a formar pessoas em competências críticas para uma economia cada vez digitalizada” e algumas delas “acabaram por criar o seu próprio negócio”, informa Ana Ravara Bello, que relata: “Quando lançamos os programas Google Motor de Crescimento [outro projeto], em fevereiro de 2015, tínhamos como objetivo treinar um milhão de europeus em competências digitais críticas. No final do ano passado, tínhamos dois milhões de pessoas formadas, o que levou a Comissão Europeia a premiar o programa pelo apoio aos negócios e pessoas.”

Através de tutorais em vídeo e escritos e de sessões interativas com diferentes formadores, o Atelier Digital estará em Portugal por tempo indeterminado a ensinar “os primeiros passos para alcançar o sucesso online, tirar o melhor partido da pesquisa, obter visibilidade com as redes sociais, criar uma loja online” ou estender o negócio a outros países, enumera Ana Bello.



OUTRAS NOTÍCIAS
Parar seis meses, definir 40 anos

Parar seis meses, definir 40 anos


Mário não desvia os olhos do telefone. Anda de um lado para o outro, entre as alas da incubadora onde pôs a crescer a sua terceira startup, a Climber, e tem os ponteiros contado...

Médicos dentistas contestam modelo de integração no SNS

Médicos dentistas contestam modelo de integração no SNS


A ausência de carreira é o ponto central da contestação ao modelo de integração dos médicos dentistas no Serviço Nacional de Saúde, ass...

Como estimular o emprego na era digital

Como estimular o emprego na era digital


A globalização, a economia digital e a quarta revolução industrial (Indústria 4.0) estão a alterar o paradigma na economia e na sociedade, mas a maioria do...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO




ÚLTIMOS EMPREGOS