Notícias

Portugueses preferem segurança

Estudo da Randstad inquiriu 6902 pessoas entre os 18 e os 65 anos sobre o que mais valorizam no emprego.

24.04.2017 | Por Rute Barbedo


  PARTILHAR
LinkedIn Twitter Facebook Google+



A segurança a longo prazo, a garantia de equilíbrio entre a vida profissional e a pessoal e um bom ambiente de trabalho são os fatores que os portugueses mais valorizam no momento de decisão que antecede um novo rumo profissional. São estes os principais resultados do estudo “Randstad Employer Brand Research”, apresentado esta semana, que mediu a atratividade das empresas a operar em Portugal através das respostas de quase sete mil pessoas, entre estudantes, empregados e desempregados.

Questionados acerca das transformações do mundo do trabalho ditadas pelo desenvolvimento tecnológico, quase metade (45%) dos participantes (entre a população ativa) acredita que a mudança “vai trazer melhorias substanciais ao conteúdo da sua função”, sendo que 55% estão predispostos a “receber formação ou a reconverter as suas competências, caso o seu posto de trabalho desapareça em breve, desde que as suas condições de trabalho estejam asseguradas”. Pelo contrário, 37% das pessoas preveem que a automação não tenha influência sobre o papel que desempenham.

Microsoft, Delta e TAP: “as mais atrativas”
Se os sectores considerados mais atrativos foram a saúde (a primeira escolha de 62% dos inquiridos), o turismo, a hotelaria e lazer e as tecnologias de informação e consultoria, a Microsoft, a Delta Cafés e a TAP formaram o pódio das melhores empresas para trabalhar em Portugal, segundo o mesmo estudo. Nas categorias assinaladas pelos inquiridos como critérios máximos de satisfação — segurança, equilíbrio entre a vida profissional e a pessoal e ambiente de trabalho —, destacaram-se o Banco de Portugal e a The Navigator Company (antiga Portucel/Soporcel). O sector do retalho e grande consumo, por sua vez, destacou-se como o menos atrativo para trabalhar.

José Miguel Leonardo, presidente da Randstad Portugal, analisa que “ser uma marca de grande consumo ou com uma elevada notoriedade comercial pode não bastar para ter sucesso na captação dos melhores e mais qualificados profissionais”. O estudo da empresa de recursos humanos, desenvolvido pela primeira vez em Portugal no ano passado, acontece há mais de 15 anos em 25 países.



OUTRAS NOTÍCIAS
Parar seis meses, definir 40 anos

Parar seis meses, definir 40 anos


Mário não desvia os olhos do telefone. Anda de um lado para o outro, entre as alas da incubadora onde pôs a crescer a sua terceira startup, a Climber, e tem os ponteiros contado...

Médicos dentistas contestam modelo de integração no SNS

Médicos dentistas contestam modelo de integração no SNS


A ausência de carreira é o ponto central da contestação ao modelo de integração dos médicos dentistas no Serviço Nacional de Saúde, ass...

Como estimular o emprego na era digital

Como estimular o emprego na era digital


A globalização, a economia digital e a quarta revolução industrial (Indústria 4.0) estão a alterar o paradigma na economia e na sociedade, mas a maioria do...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO




ÚLTIMOS EMPREGOS