Notícias

Um terço dos portugueses querem mudar de emprego

Estudo revela insatisfação dos trabalhadores
06.10.2005


  PARTILHAR




Cátia Mateus

OS TRABALHADORES portugueses estão descontentes. De acordo com um estudo da Watson Wyatt, mais de um terço dos colaboradores de empresas privadas em Portugal (37%) consideram a hipótese de mudar de emprego no próximo ano.

Uma estimativa que supera a média europeia em dois pontos percentuais e que é sustentada, sobretudo, por questões ligadas com instabilidade da organização onde estão inseridos. E se a instabilidade e insegurança são, em 82% dos casos, as principais razões para ponderar a mudança de emprego, o estudo agora divulgado revela outros factores de descontentamento.

Cerca de 62% dos trabalhadores que ponderam uma mudança no próximo ano, sustentam essa decisão no sentimento de que a organização para a qual trabalham não tem uma abertura suficiente à opinião individual e ao pensamento independente. Já para 68% dos casos a pouca flexibilidade dos benefícios é uma razão para sair e para 62% dos trabalhadores a «hora do adeus» chega quando percebem que o seu salário está abaixo da média em vigor no mercado.

A Alemanha é o país onde as pessoas têm menos vontade de mudar de emprego e a Suécia lidera a tabela dos mais insatisfeitos. Para elaborar este estudo — «Total Reward Survey — a Watson Wyatt inquiriu 8500 funcionários de 600 grandes empresas em Portugal, Bélgica, França, Irlanda, Itália, Alemanha, Holanda, Reino Unido, Suíça, Suécia e Espanha.

Com base nos resultados do estudo, Frederico Jorge, director-geral da Watson Wyatt em Lisboa e coordenador do estudo, salienta que «é crucial desenvolver uma estratégia de retenção direccionada para as motivações dos colaboradores de modo a garantir que estes não sintam necessidade de procurar outras oportunidades». O documento revela ainda que os trabalhadores portugueses são adeptos de um sistema de remuneração por desempenho.





DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Advogado

Anónimo

Advogado

Anónimo

asesor económico/comercial

Embajada en Lisboa