Notícias

Trabalhar com saúde

17.04.2003


  PARTILHAR





Maribela Freitas

Combinar alimentação, estilo de vida e alguns medicamentos é a solução para maior produtividade.

A COMPETIÇÃO no local de trabalho cresce dia após dia e os profissionais querem cada vez mais "brilhar" na área que escolheram para desenvolver a sua carreira.

Por isso os períodos de trabalho alongam-se de forma crescente, a pressão para ser o melhor naquilo que se faz é cada vez maior, o que, aliado à vida stressante de quem mora longe do local de trabalho e passa horas em filas de trânsito e se queixa de "não ter tempo para nada", pode levar a sintomas de fadiga e desmotivação. Como é natural, isto ir-se-á reflectir na produtividade.

E quem é que não se queixa de se sentir cansado, desmotivado e farto da vida que leva? Quem é que nunca se sentiu deprimido porque a vida não lhe corre bem e não tem ânimo para trabalhar? Muitas vezes estas situações levam as pessoas a recorrer aos profissionais da medicina em busca de um produto milagroso que aumente o seu bem-estar e produtividade.

Mas como os milagres aparentemente não existem, os profissionais médicos, sejam da medicina convencional ou alternativa (não convencional) apenas podem dar conselhos para que as pessoas vivam melhor e, consequentemente, trabalhem e produzam melhor.

Para a médica Rosa Gallego, "não existem químicos naturais ou não que possam fazer alguém ser mais produtivo, na medida em que para que isso aconteça a pessoa tem de começar por gostar de viver. O que podem é auxiliar".

No consultório do centro de saúde onde trabalha, não são raros os casos de doentes com patologias como cansaço, depressões ou mesmo fadiga crónica - que é difícil de diagnosticar - e que, naturalmente, têm efeitos na sua vida profissional.

No âmbito dos conselhos ou mesmo das prescrições médicas, Rosa Gallego explica que "existem vários medicamentos no mercado que a pessoa pode tomar e que ajudam a ser mais produtivo, muitos deles de venda livre".

Curiosamente realça o efeito das vitaminas, na medida em que verifica que alguns doentes afirmam sentir-se melhor e "para cima" com a ingestão de vitaminas. Mas para esta médica o "segredo" para se ser mais produtivo passa por "mudar de atitude, gostar de viver, daquilo que se está a fazer e deixar de ter medo da própria vida".

Fora da medicina convencional ou ocidental, encontramos a chamada medicina alternativa - que os profissionais desta área intitulam de não convencional. Aqui encontramos especialidades como a homeopatia ou a medicina tradicional chinesa onde se integra a fitoterapia que consiste na aplicação de ervas simples ou compostas em forma de chá, infusão ou comprimidos.

Também estas especialidades têm uma palavra a dizer para que os "viciados no trabalho", que se encontram em maré de baixa produtividade, possam viver e produzir de forma mais eficaz.

Luís Filipe Baião é mestre em medicina tradicional chinesa e para este especialista "primeiro há que fazer um diagnóstico sobre a razão pela qual a pessoa se sente cansada, analisar o que come e o seu estilo de vida. Quando uma pessoa se alimenta mal ou desequilibradamente, isso pode ser uma razão para o seu cansaço. As pessoas comem de pé, à pressa e isso está errado".

Na prática e como explica aquele especialista, há que "analisar os sintomas do doente, ver os órgãos onde se vai actuar, não só através da alimentação mas também da fitoterapia e acupunctura".

Em muitas ervanárias e lojas de produtos naturais, encontram-se à venda os tais produtos ditos "milagrosos" que evitam o cansaço. Perante tal cenário, o mestre Luís Filipe aconselha prudência, uma vez que os chás e ervas têm princípios activos e nada como consultar um especialista que auxilie o paciente e o livre da automedicação que pode ser mais prejudicial que benéfica.

Conjugar o melhordos dois mundos

Além da medicina tradicional chinesa, existem outras áreas no campo da medicina alternativa. José de Sousa Meireles é homeopata, e explica que a homeopatia é uma medicina complementar que "trata o indivíduo como um todo e não apenas os seus sintomas físicos ou psíquicos".

Acrescenta que "a homeopatia não tem remédios específicos para o stresse, o cansaço ou a falta de produtividade. Cada pessoa, de acordo com os sinais e o seu terreno, necessitará de determinados remédios. Contudo, existem no mercado algumas preparações de remédios combinados - os chamados complexos - que poderão ajudar como o Acidum Phosphoricum Complexo n.º5 da Lehning, por exemplo, que é utilizado na fadiga intelectual, na dificuldade de concentração e na emotividade".

Mas quando se procura levar uma vida mais produtiva, o segredo talvez esteja na conjugação da medicina convencional e alternativa. É neste campo que a médica Fátima Santiago se movimenta desde há cinco anos quando começou a interessar-se pela medicina não convencional, fazendo actualmente a conjugação destas duas.

Numa clínica privada em Lisboa, pratica medicina integrada nas áreas de acupunctura, penumonologia, alergologia e aconselhamento alimentar. "Nós somos o que comemos" explica. "A alimentação é determinante mas tem efeitos a longo prazo e na sociedade actual as pessoas querem respostas instantâneas para os seus problemas. Além de uma boa alimentação, aconselho acupunctura que ajuda a relaxar e actua nas insónias e depressões", finaliza a médica.


 





DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


ANALISTA DE SISTEMAS NAVISON

Spring Professional Portugal

ASSISTANT STORE MANAGER ÉVORA

Michael Page Portugal

Business Analyst

Monarque