Notícias

TI pode, gerar 5000 empregos

TI pode, gerar 5000 empregos

O sector das Tecnologias de Informação figura entre os que regista maior dinâmica nas contratações a nível nacional, mantendo índices de recrutamento elevados mesmo em contexto de crise. Um cenário que levou o gigante tecnológico Microsoft a apresentar esta semana, em Portugal, o seu projeto de qualificação e recrutamento “Ativar Portugal”.

30.05.2014 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Portugal há cinco mil ofertas de emprego por satisfazer na área das Tecnologias de Informação (TI), das quais 2000 são em Microsoft”. Foi desta forma que João Couto, diretor-geral da subsidiária nacional da Microsoft apresentou esta semana, na presença do ministro da Economia António Pires de Lima, o programa “Ativar Portugal”. O objetivo da tecnológica é apoiar jovens desempregados na requalificação das suas competências e construir uma carreira no sector das TI.

Até ao final do ano a Microsoft Portugal deverá criar dois mil novos empregos no âmbito do programa “Ativar Portugal”. A iniciativa tem como meta certificar dez mil pessoas em tecnologias Microsoft até 2017 e para tal, conseguiu envolver em torno deste projeto 150 parceiros ligados à área tecnológica. Accenture, Agap2, Bee Engineering, KCS IT, Randstad, Unisys ou Quidgest são algumas das empresas que se associaram ao “Ativar Portugal”. Além das empresas, o projeto reúne também a participação de parceiros especializados na área da formação, como sejam a Actual Training, Alphappl, Galileu, GTI e Rumos.

O projeto da subsidiária nacional da tecnológica está materializado num portal de conteúdos de aprendizagem, qualificação e certificação em tecnologia Microsoft e orienta-se para um público que não tem necessariamente de possuir conhecimentos aprofundados de tecnologia, mas terá de ter a ambição de se formar e construir uma carreira no sector.

Com este programa a Microsoft quer criar emprego qualificado em Portugal numa área onde João Couto reconhece existir falta de profissionais com formação adequada para das resposta às necessidades dos recrutadores. O líder reforça que a carência não é apenas nacional e enfatiza que a nível europeu haverá mais de 900 mil empregos por preencher até ao próximo ano. No âmbito deste programa a Microsoft estabeleceu uma parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) que introduzirá o programa Microsoft IT Academy em 30 centros de emprego e formação.

Além da componente formativa e de certificação profissional que integra, o programa “Ativar Portugal” inclui um bolsa de emprego vocacionada para o sector das Tecnologias de Informação, onde na fase de arranque estão já listadas mais de 350 oportunidades.  Só a Quidgest, um dos Microsoft Gold Certificated Partner, disponibilizará 20 vagas de emprego, orientadas sobretudo para o preenchimento de necessidades de recursos humanos qualificados na sua área de Investigação e Desenvolvimento.

O “Ativar Portugal” está, segundo João Couto, orientado para jovens desempregados e outros profissionais que procurem um novo rumo para a sua carreira. Trata-se, como enfatiza o líder da tecnologógica que soma em solo nacional mais de três mil parceiros e assegura cerca de 45 mil empregos indiretos, de “um programa de formação estruturado, com vários níveis onde qualquer pessoa pode aprender tecnologia e certificar-se, mesmo sem conhecimentos prévios na área”. O programa insere-se na estratégia recentemente anunciada pela empresa de formar dez mil portugueses na área das TI. Recorde-se que a Microsoft já investiu em Portugal mais de 300 milhões de euros.



OUTRAS NOTÍCIAS
Unicer procura talento das escolas

Unicer procura talento das escolas


Recrutar os melhores para a empresa é a missão de Tiago Brandão, diretor de Pessoas Unicer. Para cumprir este propósito, a empresa iniciou esta semana um roadshow em cinco ...

89% dizem trabalhar demais

89% dizem trabalhar demais


Eurostat aponta perspetivas favoráveis a Portugal em matéria de crescimento até 2015, mas ainda assim a radiografia ao mercado de trabalho português realizada pela empresa e...

Angola na rota da excelência

Angola na rota da excelência


Angola foi entre 2003 e 2013 uma das economias de maior crescimento, com o PIB nacional a evoluir a uma média de 11% ao ano. Nos últimos anos, inúmeras empresas estrangeiras inves...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


ADVOGADO(A) PRIVATE CLIENTS

Michael Page Portugal

ANALISTA SAP - TORRES VEDRAS

Michael Page Portugal

AREA SALES MANAGER - PORTUGAL

Michael Page Portugal