Notícias

Sara Borges, arquitecta e modelo

12.09.2003


  PARTILHAR






Ruben Eiras

"A moda foi sempre uma face oculta"







As sete regras de Sara



É VICIADA na criatividade, na liberdade e na busca de experiências profissionais que a realizem plenamente. É uma apaixonada pela vertente conceptual da arquitectura e a inovação permanente da moda.

É Sara Borges, arquitecta, e a mais recente modelo portuguesa que conquistou as 'passerelles' da conhecida casa de moda italiana Giorgio Armani.

Nascida em Lisboa, em São Sebastião da Pedreira, há 25 anos, Sara Borges possui um percurso profissional multifacetado, constituído por três carreiras em simultâneo.

Além de modelo e arquitecta, também já foi atleta de alta competição de salto em altura no Sporting, o seu clube do coração. Uma verdadeira "trabalhadora-portefolio", segundo a cartilha do guru da gestão Charles Handy.

Com efeito, aos 14 anos de idade, já desafiava os limites da gravidade quando enveredou pelo atletismo de alta competição, na modalidade de salto em altura. Seguiu a tradição dos pais, que também foram atletas de alta competição.

Sara Borges refere que "alcançou um sucesso relativo", tendo que abandonar a modalidade em 2000 por incompatibilidade profissional. Da actividade desportiva aprendeu a responder à exigência do cumprimento de metas objectivas e quantificadas, nas quais se baseavam a avaliação do seu desempenho.

Quando atinge a maioridade, em 1995, entra para o curso de arquitectura na Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa. Apaixonou-se por esta área de conhecimento devido às suas potencialidades criativas.

"O uso físico e emocional que se pode incutir na concepção dos objectos atraiu-me. Temos que dar uma resposta específica e única a cada necessidade, o que implica um constante investimento a nível conceptual. É isto que me apaixona na arquitectura, a oportunidade de criar", explica.

O primeiro passo na realização desse sonho deu-o num consórcio liderado pela Parque Expo, num concurso público para a revitalização da zona da Margueira, quando finalizou o curso no ano passado. "Foi um trabalho de equipa muito intenso e um grande desafio", recorda com satisfação.

É uma admiradora confessa de Peter Eisemen, devido à sua visão "muito móvel e desreferenciada". Agrada-lhe a concepção pura. "É um arquitecto com abordagens muito próprias, sem um 'modus operandi' fixo, que sabe extravasar os limites conceptuais, mas com qualidade", refere.


"Todas as profissões são dignas"


"Atraiu-me o uso físico e emocional que se pode incutir nos objectos através da arquitectura.
É isto que me apaixona: ter a oportunidade constante de criar
"

Entretanto, foi no decorrer do segundo ano da licenciatura - depois de muita insistência por parte de uma agência de modelos -, que Sara Borges entrou, relutante, no mundo da moda.

"Geralmente não tenho muita confiança, possuo algum receio quando enveredo num novo projecto. Por isso, empenho-me a fundo no trabalho para minorar as hipóteses de fracasso. Todos nós somos dotados de apetências e há que potenciá-las sempre", explica.

Os resultados desta atitude estão à vista: depois das passagens pela Modalisboa e a Portugal Fashion, Sara Borges fez a sua estreia na "passerelle" do mercado internacional com um desfile pela Giorgio Armani em Fevereiro passado.

Não obstante, optou pela discrição. "A moda para mim foi sempre uma face oculta. Só as pessoas mais íntimas é que sabiam desta minha actividade", conta.

O maior desafio que enfrentou nesta área de actividade foi a subjectividade inata à avaliação do seu desempenho. "Estava muito habituada a metas quantificadas, como as desportivas e as da licenciatura, em que existe uma relação quase directa entre o empenho e o resultado alcançado", observa.

Mas no mundo da moda, "uma mulher pode ser muito bonita, ter um corpo divinal e não transmitir a energia e a fotogenia necessárias para magnetizar a 'passerelle'. E esse é que foi o grande desafio para mim nesta profissão, provar que conseguia", salienta.

E para conhecer a outra face deste sector, Sara Borges ainda trabalhou como assistente da editora de beleza na revista "Lux Woman". A sua função consistia na organização de contactos e investigação dos produtos.

"Foi um trabalho que durou apenas dois meses, no Verão. Não queria estar sem fazer nada durante esta altura e então disponibilizei-me para ajudar uma amiga que trabalhava nesta revista. Aprendi competências muito simples, como, por exemplo, falar ao telefone, mas que são essenciais para uma boa gestão de carreira".

Todavia, para o meio da moda, Sara Borges, modelo, exercer uma função deste género, foi visto como "baixar de nível". Mas o seu ponto de vista sobre o trabalho é bem claro: "Todas as funções são dignas, desde a trabalhadora de limpeza até ao director de uma empresa. Todas são necessárias para a sociedade funcionar".

Embora esteja "viciada" na moda, Sara aposta neste momento na arquitectura, com o objectivo de adquirir competências técnicas na área.

Em conjunto com um colega, estão a remodelar um apartamento na Foz do Porto. Antevê o seu "futuro absoluto" neste segmento de actividade.

"Sei que é difícil de conseguir oportunidade para criar, mas porque não hei-de concretizá-lo? As pessoas que o fizeram são de carne e osso como eu", remata.




As sete regras de Sara

1 - Procurar sempre a excelência e renegar a mediocridade. Só assim é que se ganha a confiança

2 - Ser bom naquilo que se faz e estar satisfeito com o seu trabalho

3 - Ter a coragem de um dia tentar - afinal o "não" é sempre garantido

4 - Estar preparado para uma carreira internacional, porque no estrangeiro existem mais oportunidades de carreira. É preciso saber adaptar-se a novas cidades e é vantajoso dominar vários idiomas (Sara Borges domina o inglês, francês, italiano e espanhol)

5 - O bem-estar emocional é crucial para alcançar um bom desempenho profissional

6 - Não devemos apostar num só objectivo profissional. Corre-se
o risco de dispersão, mas enriquecemos o todo em múltiplos domínios

7 - Não há que recear o trabalho: existem diversas etapas profissionais a percorrer com brio, todas elas dignas





DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Advogado

Anónimo

Chemistry Teacher

St. Dominic’s International School

CYBERSECURITY ENGINEER

Michael Page Portugal