Notícias

Quem são os nossos temporários?

Quem são os nossos temporários?

31% dos trabalhadores temporários portugueses somam mais de 15 anos de experiência e 16% desempenham funções de gestão. O sector do Trabalho Temporário nacional está mais senior, qualificado e experiente.

12.11.2016 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



O Trabalho Temporário português está em mutação. Os profissionais estão mais qualificados e experientes e as empresas estão cada vez mais a encarar este regime contratual também para funções de gestão (interim management). De acordo com o estudo Trabalho Temporário em Portugal, realizado pela multinacional de recrutamento e seleção Michael Page e esta semana divulgado, 31% dos trabalhadores temporários têm mais de 15 anos de experiência, 21% têm entre 10 e 15 anos de atividade, e 16% desempenham funções de gestão.

O que procuram as empresas quando contratam um trabalhador temporário? Para Sílvia Nunes, senior executive manager da Michael Page, “experiência alargada nas funções que vão desempenhar”. Segundo a especialista, o Trabalho Temporário é cada vez mais encarado pelas empresas nacionais como “a solução ideal para a resolução de necessidades temporárias, que nem por isso deixam de representar funções com elevados níveis de complexidade, e também como a solução ideal para encontrar o talento certo para o futuro das empresas”.

À medida que aumenta a necessidade de flexibilidade, autonomia e resiliência nas empresas, aumenta também a procura por profissionais com maior grau de maturidade e experiência. Entre os profissionais inquiridos pela Michael Page nas empresas nacionais, apenas 1% tem menos de um ano de experiência e 14% são profissionais com mais de 25 anos de carreira.

Gestores temporários
Os gestores temporários são também cada vez mais comuns em Portugal. Entre as empresas que colaboraram no estudo da consultora de recrutamento, 16% dos colaboradores exerciam funções de gestão (interim management). Sílvia Nunes explica a tendência com o reforço da crescente complexidade e responsabilidade exigidas aos profissionais em regime de trabalho temporário. “Do total de inquiridos, uma fatia interessante desempenha funções de gestão (16%) e 3% desenvolvem funções de direção”, reforça a senior executive manager da Michael Page. As funções técnicas (33%) e as administrativas (26%) são a que absorvem maior percentagem de profissionais temporários. Apenas 16% exercem tarefas manuais.

A maior fatia dos profissionais inquiridos exerce funções na área vendas e secretariado (26%). Os profissionais ligados a atividades de marketing e finanças não excedem os 11%. Em termos sectoriais, a Saúde foi a que que movimentou maior número de processos para contratação de profissionais temporários: 13%. Na lista dos maiores recrutadores temporários estão também os sectores dos Serviços de Negócio (10%), Banca e Finanças (10%) e Sector Público (10%). Os sectores de Bens de Consumo, Indústria e Tecnologia não excedem os 8% de temporários, os Transportes 5% e os sectores da Construção, Energia, Logística e Media & Publishing concentram 3% dos trabalhadores temporários.

Em Portugal, 88% das empresas inquiridas pela consultora de recrutamento confirma já ter recorrido uma ou mais vezes à contratação de colaboradores em regime de Trabalho Temporário.



OUTRAS NOTÍCIAS
Portugal perdeu 40 mil 'cérebros' em dois anos

Portugal perdeu 40 mil 'cérebros' em dois anos


Há boas e más notícias para Portugal no relatório “Education and Training Monitor 2016” (Barómetro da Educação e da Formação)...

Tens talento para os negócios?

Tens talento para os negócios?


Mais de 1700 alunos, de escolas de todo o país, estão já inscritos para 4ª edição da competição nacional de gestão empresarial Young Busine...

Ciências Jurídicas regressam à Católica

Ciências Jurídicas regressam à Católica


Entre os vários programas de pós-graduação oferecidos pela Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa (Escola de Lisboa), a de Ciências Jur&iacut...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO