Notícias

Qualificar para a empregabilidade

Qualificar para a empregabilidade

Os 20 formandos que integraram a primeira edição do programa de formação profissional Acertar o Rumo, promovido pela iTGrow em parceria com a Universidade de Coimbra, estão a entrar no mercado de trabalho através de estágios nas empresas parceiras do projeto e a dupla de promotores da iniciativa já tem em marcha a segunda edição.

04.07.2014 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Capacitar profissionais com qualificação superior em áreas de forte raciocínio lógico e matemático – como as engenharias, a matemática ou a física - para uma carreira na área das Tecnologias de Informação (TI) é a missão do programa Acertar o Rumo, uma iniciativa conjunta da empresa do Grupo Critical Software e do BPI, iTGrow, e da Universidade de Coimbra. O programa de formação profissional que na primeira edição somou mais de 250 candidatos tendo selecionado 20 formandos, tem agora a decorrer as candidaturas para a segunda edição com o mesmo propósito: aumentar o nível de qualificação de profissionais na área das TI, redirecionando as suas competências para áreas de maior empregabilidade.

Para a segunda edição do programa Acertar o Rumo estão disponíveis 25 vagas. Os candidatos selecionados, explica Catarina Fonseca, diretora geral da iTGrow, “integrarão a 29 de Setembro o Curso de Formação em Programação Java no Departamento de Engenharia Informática da Universidade de Coimbra”. A responsável que traça um balanço muito positivo da primeira edição do projeto, explica que se trata de “um programa de formação intensiva, rigorosa, acompanhada, prática e dirigida às necessidades profissionais que é promovido sob a forma de curso não-conferente de grau pela Universidade de Coimbra”. Na essência, explica a diretora, “os promotores da iniciativa acredita que é possível preparar estes profissionais para que possam encontrar melhores oportunidades de emprego em Portugal contribuindo para valorizar a formação académica e profissional dos talentos portugueses” (ver caixa).

Reconhecendo a dificuldade que já se coloca, também no sector das TI, em recrutar perfis com as competências adequadas às necessidades das empresas, Catarina Fonseca confirma o elevado padrão de exigência que norteia todo o processo de seleção dos candidatos que integrarão a segunda edição do programa Acertar o Rumo. “Sabemos que identificar as pessoas certas, capazes de desenvolver competências na fase de formação e de aplicar os conhecimentos adquiridos na fase de estágio é determinante para a criação de oportunidades de emprego nestas áreas, a fase de recrutamento é exigente e irá decorrer em três etapas: triagem curricular, provas individuais e coletivas e entrevista individual”, explica enfatizando que “a validação final do perfil dos candidatos é feita conjuntamente com a Universidade de Coimbra”.

A formação contempla uma componente formativa e outra de estágio remunerado numa das várias empresas parceiras da iniciativa – onde se destacam entre outras a Critical Software, Accenture, ITEN, ISA, Bettertech e AIRC -  com o objetivo potenciar a qualificação dos participantes para áreas tecnológicas de grande empregabilidade. Luís Paquete, professor auxiliar do Departamento de Engenharia Informática da Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra, salienta o desempenho alcançado na primeira edição do projeto pelos participantes. “Tivemos uma experiência muito positiva com os alunos que recebemos. Eles estão muito motivados e todos têm vontade de aplicar os conhecimentos adquiridos nas empresas onde vão estagiar”, refere.

O curso prevê o pagamento de uma propina e assegura aos formandos um estágio profissional remunerado. As empresas aderentes ao programa, além do pagamento das remunerações aos estagiários poderão, caso pretendam suportar também os custos inerentes à fase formativa do curso a um ou mais formandos numa lógica de contribuição social.

Como funciona a formação?
Com uma duração total de 22 meses, o programa Acertar o Rumo está repartido por um período de 10 meses de formação académica e outro de 12 meses de consolidação e formação on-the-job, materializado através de um estágio profissional remunerado garantido por uma das empresas aderentes ao programa.

Segundo Catarina Fonseca, “a componente letiva de dez meses é lecionada no Departamento de Engenharia Informática da Universidade de Coimbra e foi concebida por professores deste departamento”. O plano de formação segue as ferramentas de desenvolvimento de software que são utilizadas no mercado de trabalho.

À fase de estágio passarão os formandos que concluam com sucesso a componente letiva do programa. Os estágios são remunerados, num valor que rondará os 750 euros brutos, e permitirão ao candidato aplicar no terreno os conhecimentos adquiridos na primeira fase.



OUTRAS NOTÍCIAS
APPM lança academia de formação

APPM lança academia de formação


Prática e orientada para as necessidades reais e quotidianas dos profissionais do marketing e da comunicação. Assim resume a Associação Portuguesa dos Profissionais ...

Calçada portuguesa recebe prémio de empreendedorismo

Calçada portuguesa recebe prémio de empreendedorismo


A final da 15ª edição do Prémio Jovem Empreendedor, promovido anualmente pela Associação nacional de Jovens Empresários (ANJE), foi disputada por cinco p...

Lidl quer captar novos trainees

Lidl quer captar novos trainees


A cadeia de distribuição alemã Lidl está a identificar e selecionar talentos para o seu próximo programa de trainees. A empresa que anunciou recentemente a inten&cce...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


.NET DEVELOPER

Kelly Services Portugal

ACCOUNTANT

Kelly Services Portugal