Notícias

Português lidera expansão de laboratório remoto de topo

Português lidera expansão de laboratório remoto de topo

Está instalado no Instituto Superior de Engenharia do Instituto Politécnico do Porto e é apontado como um dos melhores laboratórios remotos do mundo, na área da eletricidade e eletrónica. O VISIR+ foi criado apara apoiar o ensino da engenharia e funciona em articulação com outros laboratórios na Suécia, Austria, Espanha, Geórgia e Índia. Gustavo Alves é o investigador português que vai liderar agora a expansão do projeto ao Brasil e à Argentina.

18.12.2015 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Foi criado para apoiar o ensino da engenharia, nas áreas da eletricidade e eletrónica, e serve alunos de vários países. Gustavo Alves, o docente e investigador que dirige em Portugal o laboratório o VISIR+ (Sistemas de Instrumentação Virtual em Realidade) define a plataforma como “um laboratório real que pode ser controlado remotamente” e destaca os seus múltiplos benefícios ao serviço do ensino, da qualificação e treino de futuros engenheiros, com especialidade nas áreas da eletricidade e eletrónica. É, de resto, o reconhecimento internacional deste potencial que sustenta o processo de expansão para o Brasil e Argentina, que este laboratório remoto está prestes a iniciar, sob a liderança do investigador do Instituto Superior de Engenharia do Instituto Politécnico do Porto (ISEP), instituição onde está implantada a plataforma. ?

O VISIR+ é parte de uma rede de laboratórios criada na Suécia e com implantação na Austrália, Espanha, Geórgia e Índia, envolvendo várias instituições de ensino locais orientadas para a formação na área da engenharia. A plataforma foi considerada o melhor laboratório remoto mundial pelo Global Online Laboratory Consortium (GLOC) e permite aos alunos dos vários países a realização de experiências remotas nas áreas da eletricidade e eletrónica. “Dentro deste enquadramento, o VISIR+ envolve as disciplinas relacionadas com a teoria e prática de circuitos elétricos e eletrónicos numa ótica de aprendizagem induzida, favorecendo a autonomia e a compreensão dos alunos”, explica o investigador. ?

O objetivo primordial do projeto é “definir, desenvolver e avaliar um conjunto de módulos compreendendo experiências laboratoriais ditas tradicionais, virtuais e remotas, as últimas suportadas por um laboratório remoto denominado Sistemas de Instrumentação Virtual em Realidade”, clarifica Gustavo Alves. Em Portugal a coordenação da plataforma está agregada ao ISEP, onde o investigador leciona, mas a lista de parceiros do VISIR+ é vasta e envolve instituições de vários países. A partir de Portugal e do ISEP, Gustavo Alves coordenará agora a expansão da plataforma aos alunos do Brasil e da Argentina, rodeando-se instituições parceiras como o Instituto Federal de Santa Catarina, a Universidade Federal de Santa Catarina, a Pontifícia Católica do Rio de Janeiro e Associação Brasileira de Educação em Engenharia (no Brasil) ou, na Argentina, a Universidade nacional Santiago del Estero e a Universidade nacional de Rosário e, em Espanha, a Universidade de Deusto e a Universidade Nacional de Ensino á Distância, entre outras. ?

O projeto de expansão liderado pelo Politécnico do Porto tem uma duração de dois anos e dispõe de um investimento total de 668.058 euros, sendo financiado pelo Programa da União Europeia para a Educação, Formação, Juventude e Desporto - ERASMUS+. Os promotores do VISIR+ realçam que se tem assistido “a um crescente interesse na educação em Ciência e Engenharia, devido ao aumento da procura e falta de oferta de profissionais nas áreas técnica e científica e também ao baixo número de alunos que optam por carreiras técnicas e científicas no ensino superior, bem como ao elevado número de desistências nos primeiros anos das graduações nestas áreas”. Por essa razão, a equipa liderada por Gustavo Alves estará focada em sensibilizar a sociedade para este tema, aumentando o interesse pela ciência, tecnologia, matemática e engenharia, entre os jovens, apostando em ferramentas educacionais baseadas em tecnologias de informação e comunicação, especialmente vocacionadas para as novas gerações de nativos digitais.



OUTRAS NOTÍCIAS
O tempo dos 'cientistas' empresariais

O tempo dos 'cientistas' empresariais


Gerir uma empresa com o mesmo rigor que um projeto científico é o que o Business Case Institute (BCI) que ajudar a promover junto dos profissionais e organizações nacionais...

COHiTEC procura tecnologia de topo para transformar em negócios

COHiTEC procura tecnologia de topo para transformar em negócios


nvestigadores e tecnólogos de instituições de ensino superior, centros de investigação, empresas ou participantes a título individual, que tenham desenvolvido...

APPM une profissionais para pensar o Marketing

APPM une profissionais para pensar o Marketing


A Associação Portuguesa dos Profissionais de Marketing (APPM) prepara-se para repetir, já no início do próximo ano, uma nova edição da Marketing Marath...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


1 ECONOMISTA ESPECIALISTA DE CONCORRÊNCIA

Autoridade da Concorrência

1 TÉCNICO ESPECIALIZADO

Autoridade da Concorrência