Notícias

Portugal cresceu 193% no número de licenciados em ciências

Portugal cresceu 193% no número de licenciados em ciências

Portugal é um dos líderes do abandono escolar na UE, mas também o país que maiores progressos fez no número de licenciados na área das ciências e tecnologias.
28.04.2011 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Portugal é o país da União Europeia (UE) que mais cresceu, entre 2000 e 2008, no número de licenciados em Matemática Ciências e Tecnologia. Os progressos educativos do país nesta matéria são confirmados no último relatório da Comissão Europeia. Mas o documento espelha também uma outra realidade, não tão positiva, para o país. É que em Portugal mais de metade (55,5%) dos jovens entre os 20 e os 24 anos não tem o ensino secundário concluído. O país é mesmo o segundo na lista da União Europeia com a pior taxa de conclusão do ensino secundário.

Desde o ano 2000 que a taxa de conclusão do ensino secundário entre os jovens portugueses, na faixa etária dos 20 aos 24 anos, tem vindo a aumentar chegando inclusivé a registar um crescimento na ordem dos 12,3 pontos percentuais. O esforço é real mas ainda fica aquém da média de conclusão do secundário alcançada pela União Europeia (78,6%) e muito aquém dos objetivos definidos pela UE para 2010 fixados em 85%. O estudo da Comissão Europeia sobre o progresso da educação desde o ensino pré-escolar ao superior define os objetivos a alcançar pelos estados membros até 2020 e revela, por exemplo, que Portugal é um dos líderes da UE no abandono escolar precoce. Connosco está também a vizinha Espanha.

Há mais 5% de mulheres a concluir o ensino secundário do que homens. Em 2009, 31,2% dos jovens entre os 18 e os 24 anos de idade abandonam o sistema de ensino. A ilha de Malta lidera o ranking do abandono escolar na UE, com 36,8% quando a média da União Europeia se fica pelos 14,4%. A meta definida pela UE para o horizonte de 2020 é que os Estados membros em conjunto não excedam os 10% de abandono escolar. Uma meta ambiciosa mas que faz parte das estratégias da Comissão.
Para a comissária europeia responsável pela Educação, Androulla Vassiliou, “o abandono escolar precoce continua a afetar um em cada sete jovens na União Europeia”. A responsável acrescenta ainda que “um em cada cinco alunos têm, aos 15 anos, fracas competências no domínio da leitura”. Um problema grave ao qual a Comissão Europeia está sensível e quer resolver.

Portugueses conquistam ciências
Mas este cenário contrasta com outra realidade bem visível no relatório agora divulgado. É se por um lado Portugal não consegue travar o abandono escolar, por outro faz progressos notórios no número de diplomados na área das ciências e tecnologias.
Segundo o relatório, Portugal cresceu 193% no número de licenciados em matemática, ciência e tecnologia entre 2000 e 2008, sendo país da União Europeia com maior evolução nesta área. Logo a seguir nesta lista estão países como a Eslováquia com 185,8% de crescimento e a República Checa, com 141,3%.

O crescimento do número de diplomados nestas áreas foi, curiosamente, o único ponto em que os países da União Europeia conseguiram atingir o valor fixado para 2010, cuja meta definia alcançar o patamar dos 15% de crescimento. O relatório definia também como meta alcançar o equilíbrio entre géneros, nesta área. Mas Portugal chumbou na prova. Por cá, a percentagem de diplomadas do sexo feminino sofreu uma acentuada quebra passando dos 41,9% apurados em 2000 para os 34,1% alcançados oito anos mais tarde.

Contudo, o país marcou também pontos no índice de formação de adultos ao longo da vida que em 2009 se situava já nos 6,5%, contra os 4,1% apurados em 2005. Nesta matéria, Bruxelas definiu como meta para 2020 os 15%. Portugal tem ainda um longo caminho a percorrer, à semelhança de outros países.
Os autores do estudo consideram que de um modo geral, os esforços e progressos alcançados pelos Estados membros foram “significativos mas insuficientes”. Já para o secretário de Estado da Educação, João Mata, “aquilo que é a previsão da UE, expressa no relatório, confirma-se”. O responsável avançou à agência LUSA que “o INE acaba de revelar o dado para o abandono escolar para 2010 e esse dado revela que em Portugal a taxa desceu cerca de 2,5 pontos percentuais, situando-se agora nos 28,7%”. Para João Mata, “Portugal fez nos últimos anos progressos notáveis e as vias profissionais contribuíram em muito para a redução do abandono escolar no país”.



OUTRAS NOTÍCIAS
Médicos da Galiza emigram para Portugal

Médicos da Galiza emigram para Portugal


São cada vez mais os estudantes de medicina da Galiza que rumam a Portugal para concluir a sua formação e exercer a sua profissão. Segundo o Colégio de Médico...

Crise favorece gestão de talentos

Crise favorece gestão de talentos


Momentos de crise podem transformar-se em oportunidades raras para que a empresa se fortaleça, defende José Ramón Pin, professor do reputado instituto espanhol IESE Business Schoo...

MBA's portugueses atraem cada vez mais estrangeiros

MBA's portugueses atraem cada vez mais estrangeiros


No ano letivo de 2009/10 o The Magellan MBA da Escola de Negócios da Universidade do Porto (EGP-UPBS) contava com 17% de alunos estrangeiros, um valor que ascende atualmente a 44%. Um crescimen...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


ARCHITECT / PROJECT MANAGER

Michael Page Portugal

PAYROLL SPECIALIST - FRENCH SPEAKER

Spring Professional Portugal

PAYROLL SPECIALIST - GERMAN SPEAKER

Spring Professional Portugal