Notícias

Microcrédito fomenta emprego

Em Portugal, a Associação Nacional de Direito ao Crédito já apoiou a criação de mais de 800 novos negócios potenciando o emprego
14.08.2008


  PARTILHAR



Cátia Mateus

A já designada ‘Economia de Inclusão' valeu a Mohamad Yunus — o pai do microcrédito — o Prémio Nobel da Paz em 2006. O conceito é simples: permitir o acesso a pequenos montantes de crédito para criação de empresas a grupos sociais que de outra forma não poderiam financiar-se. Por cá, a Associação Nacional de Direito ao Crédito (ANDC) é a instituição de referência nesta área e já terá contribuído, desde 1999, para a criação de mais de 1300 postos de trabalho gerado por micronegócios.

Os dados da ANDC são elucidativos. Desde 1999 a associação já financiou mais de 800 projectos empresariais, num investimento de ¤3.652.153. Só este ano, segundo dados da ANDC, o microcrédito já criou mais de duas centenas de novos empregos. Face à crise económica o modelo de financiamento tem vindo a registar uma cada vez maior adesão.

Desempregados ou pessoas em vias de perder um emprego, imigrantes e empreendedores provenientes dos designados grupos de risco que se situam na franja social dos mais carenciados, são os beneficiários deste sistema . Um investimento de mérito, já que dá resposta a um conjunto de problemas: cria emprego, diminui a exclusão social, alarga a economia formal, além de aumentar a produtividade e competitividade nacionais.

Em Portugal, de acordo com a ANDC, a maioria dos microcréditos são concedidos a mulheres (mais de 50%), mas não há favoritismos. Há sim requisitos a cumprir. Demonstrar que a sua ideia de negócio é exequível e rentável é a prioridade. Depois, é fundamental que o candidato ao microcrédito não esteja associado a nenhum tipo de incidente bancário. A idade não é limitativa, mas se a sua ideia é recorrer a esta solução, quanto mais cedo o fizer, melhor. E para lá dos benefícios financeiros do microcrédito à também o apoio ao nível da consultoria que a ANDC presta a todos os empreendedores que apoia.

Por cá, a banca também já compreendeu a importância de oferecer soluções que promovam a diminuição da exclusão financeira. Várias instituições estabeleceram protocolos com instituições de promoção ao empreendedorismo ou combate à exclusão social. Contas a custo zero ou sistemas de microcrédito autónomos (como é o caso do Millennium BCP) são algumas das ofertas disponíveis no mercado para quem precisa de um empurrão adicional a bem da sua subsistência.





DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


COMERCIAL - CONSTRUÇÃO CIVIL - ZONA NORTE

Spring Professional Portugal

CONTABILISTA CERTIFICADO

Spring Professional Portugal

CONTABILISTA CERTIFICADO

Spring Professional Portugal