Notícias

Líderes precisam-se, com urgência

De que é feito um líder? A receita parece estar bem escondida, pois existe, segundo um estudo da IBM, uma grave crise de liderança no mundo
02.11.2007


  PARTILHAR



Marisa Antunes
Carisma, fibra, determinação, poder de persuasão. Características intrínsecas aos líderes natos que, aparentemente, estarão ou em vias de extinção ou arredados nas organizações empresariais. Pelo menos é o que revela um estudo da multinacional IBM, que chegou à conclusão de que existe uma grave crise de liderança nas empresas espalhadas por todo o mundo.

Partindo de um inquérito a 400 executivos (da área dos recursos humanos) de 40 países dos quatro cantos do mundo, cerca de 75% (300 inquiridos) revelaram dúvidas quanto à sua capacidade para desenvolver futuros decisores de topo. Segundo o estudo, estas fragilidades no desenvolvimento da próxima geração de líderes tornam-se ainda mais preocupantes quando se assiste ao crescimento maciço dos mercados emergentes e à aposentação de recursos experientes nas economias mais amadurecidas.

Baptizado ‘Capital Humano Global', o relatório da IBM conclui que esta questão tem muito impacto e tem estado no centro da preocupação das organizações de todo o mundo. As empresas na região da Ásia-Pacífico estão mais apreensivas com a sua capacidade de desenvolvimento de futuros líderes (88%), seguidas pela América Latina (74%), Europa, Médio-Oriente e África, (74%), Japão (73%) e América do Norte (69%).

Randy MacDonald, vice-presidente da divisão de Recursos Humanos da IBM Corporation, sublinha que “a capacidade de olhar em frente e identificar as competências que serão exigidas no futuro e, «a posteriori», de forma economicamente eficaz e célere, e desenvolver uma massa crítica de indivíduos com essas qualidades, serão factores fundamentais para as empresas que pretendam competir no mundo globalmente integrado”.

Entre outras conclusões, o estudo revela que mais de um terço dos participantes realça que as competências dos seus colaboradores não se encontram alinhadas com as prioridades actuais da organização (36%). O relatório mostra ainda que 52% dos entrevistados consideram que um dos grandes desafios relacionados com a população activa é a incapacidade de desenvolver competências de forma rápida, enquanto que 28% dos inquiridos falam da diferença entre as gerações como um dos grandes desafios para o desenvolvimento de futuros decisores empresariais.

O pessimismo é de tal ordem que apenas 14% dos executivos de um total de 400 afirmam que os seus colaboradores têm capacidade para se adaptarem a situações de mudança. O estudo ‘Capital Humano Global' aponta três factores críticos de sucesso para desenvolver recursos humanos activos que se adaptem às exigências actuais das organizações.

Prever e antecipar cenários futuros de negócios dão uma margem às organizações para se adaptarem às mudanças de mercado. Apesar da importância deste factor, apenas 13% da empresas envolvidas acreditam que conseguem ter uma percepção clara das competências que serão necessárias nos próximos três a cinco anos. Outro factor assenta na capacidade para localizar competências. No entanto, “só 13% acreditam serem capazes de identificar eficazmente indivíduos com competências específicas dentro da organização e mais de 50% das empresas que se autoclassificam como muito eficazes na localização de competências utilizam um modelo de listagem de colaboradores — enquanto só 39% admitem utilizar este tipo de listas”, conclui o relatório.

Por último, a “capacidade para impulsionar a colaboração” é o outro factor apontado, uma vez que impulsiona a inovação e o crescimento. De acordo com o estudo, “só 8% das empresas acreditam ser bastante eficazes no fomento da colaboração dentro da organização”.





DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Advogado

Anónimo

Chemistry Teacher

St. Dominic’s International School

CYBERSECURITY ENGINEER

Michael Page Portugal