Notícias

IKEA prepara 250 contratações

IKEA prepara 250 contratações

O gigante retalhista IKEA emprega a nível global 155 mil profissionais, em 43 países. Em Portugal, são 3300 e ainda antes do final do ano o número deverá aumentar. Cláudio Valente, que no final do ano passado assumiu a direção nacional de Recursos Humanos da marca, tem em mãos o recrutamento de 250 profissionais para a nova loja de Loulé. O gestor recruta os candidatos pelos valores que demonstram. O resto é trabalhado com formação. E esse é o grande trunfo da empresa.

12.11.2016 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



A sueca IKEA está em Portugal há 12 anos. Em 2004, a empresa inaugurou a primeira loja nacional, em Alfragide (concelho da Amadora) e hoje soma quatro - Alfragide, Matosinhos, Loures e Braga - e assegura emprego a 3300 profissionais. Destes 1800 trabalham diretamente nas várias lojas e 1500 integram as três fábricas que a IKEA Industry detém em Portugal, em Paços de Ferreira. Cláudio Valente é desde dezembro de 2015 o líder que atrai e gere os talentos certos para colocar toda a engrenagem da marca a funcionar. A IKEA deverá fechar 2016 com 500 contratações realizadas, 250 estão agora a acontecer. O diretor de Recursos Humanos está a formar a equipa que viabilizará a abertura da nova loja IKEA em Loulé (Algarve) e ao Expresso explicou porque é que o recrutamento pelos valores é determinante e como adaptar uma política de recursos humanos global às realidades locais, de cada geografia ou região, faz toda a diferença na motivação dos profissionais e no sucesso do negócio.

Antes de delinear o plano de recrutamento que levará 250 novos profissionais à loja IKEA de Loulé, Cláudio Valente foi perceber o que valorizam os profissionais da região. Porquê? “Porque queremos que as nossas pessoas se sintam bem a trabalhar nas nossas lojas, e por isso precisamos de conhecer as comunidades, o que as pessoas valorizam e como podemos ser ainda melhores empregadores”, explica. Na Algarve, por exemplo, a empresa percebeu que as pessoas valorizam a gestão do seu tempo e a possibilidade de ter horários flexíveis. Por essa razão, Cláudio Valente estruturou um modelo de organização “que possibilita a existência de mais horários de trabalho em part-time que dão essa possibilidade de gestão aos colaboradores”, refere.

Os valores no centro da seleção
Sempre que a empresa abre uma vaga e analisa um candidato é para os seus valores que Cláudio Valente vai olhar. Segundo o diretor de RH, “os valores da IKEA são o grande denominador comum a todos os nossos colaboradores, que têm perfis e experiências muito diferentes”. Para o líder, este foco nos valores do candidato encontra a sua justificação na crença da empresa de que “quando as pessoas se identificam, o engagement e a motivação são muito mais fortes”. ?Para Cláudio Valente, “a experiência acumula-se” e por isso a empresa sustenta toda a sua estratégia de desenvolvimento de talento num conjunto de ferramentas, desenhadas à medida de cada colaborador, “para que possam desenvolver novas competências, construindo o seu próprio caminho dentro da empresa”, quer se tratem de funções de part ou full time, e áreas como as vendas, restauração, apoio ao cliente, digital e logística (aquelas em que a empresa tipicamente contrata).

O diretor de Recursos Humanos relembra que a empresa “está entre as organizações do sector do retalho onde os alunos finalistas de licenciatura e mestrado em Gestão, Engenharia e Tecnologias de Informação, mais gostariam de trabalhar”. As possibilidades de conciliação entre a vida profissional e pessoal, as hipóteses de progressão profissional a curto/médio prazo e a perspetiva de assumir funções de liderança foram alguns dos aspetos mais valorizados pelos jovens num estudo realizado pela Universum, em parceria com o Linkedin e a Católica-Lisbon of Business and Economics.

A ancorar estes “aliciantes” estão os programas de formação e desenvolvimento e desenvolvimento de competências da IKEA. “No âmbito do nosso plano de expansão criámos planos de desenvolvimento para os colaboradores em novas lojas ou novas funções, como o FAST TRACK LOULÉ, um programa de desenvolvimento desenhado à medida dos novos líderes que a propósito da abertura de novas lojas, assumem funções de direção na organização”, explica Cláudio Valente. Neste programa podem também participar trabalhadores que integrem a equipa do novo projeto ou pessoas que lhes vão suceder nas funções de origem. Além da vertente técnica e de competências, o tema da liderança é central neste programa.

Mas a IKEA tem outras ferramentas para desenvolver as aptidões e qualificar os seus profissionais. O programa ALLEN, por exemplo, foi desenhado para alavancar e dotar jovens colaboradores que ocupem funções base e tenham potencial e interesse em crescer na empresa. Já o Home Furnishing Competence “pretende reforçar o conhecimento em decoração, para que cada colaborador quando entra em contacto com um cliente não seja simplesmente um vendedor, mas um consultor que apoia e aconselha nas tomadas de decisão”, explica Cláudio Valente. No campo das soft skills, a empresa desenvolve o Leadership Fundamentals e o Basic Leadership, dois programas de formação em liderança direcionados a todos os colaboradores com responsabilidades na gestão de pessoas.?Cláudio Valente não avança ainda estimativas de recrutamento da marca para 2017. Explica apenas que a IKEA “vai analisar como pode estar mais próxima e ser mais relevante para a maioria das famílias em Portugal” e que, naturalmente, só poderá crescer se tiver “mais pessoas que nos ajudem a chegar a mais pessoas”.

O perfil do líder
Cláudio Valente, o gestor de 40 anos que agora lidera a direção de Recursos Humanos do gigante retalhista de mobiliário IKEA, não é um principiante na ciência da gestão de talento. Cursou Gestão de Empresas e iniciou a carreira profissional no Grupo Simoldes onde permaneceu por nove anos, desempenhando funções sempre ligadas aos Recursos Humanos. “Uma boa escola que me preparou bem para o futuro”, recorda.

?O seu primeiro cargo de direção foi na SPPM (Sociedade Portuguesa de Pinturas e Módulos), instalada no parque de fornecedores da Autoeuropa, que integrou como diretor de Recursos Humanos. Do seu currículo fazem ainda parte empresas como o Grupo Sodecia, onde foi diretor de Recursos Humanos da divisão europeia antes de integrar, em 2011, a equipa IKEA Industry, como diretor de Recursos Humanos para as unidades de produção em Portugal. Dois anos mais tarde assume novo desafio no gigante sueco: a direção de Recursos Humanos da divisão IKEA Flatline, que integra 9200 profissionais em 23 unidades de produção, distribuídas por nove países (Polónia, Suécia, Estados Unidos, Lituânia, Eslováquia, Hungria, China e Portugal). Chegou ao cargo atual em dezembro do ano passado e desde então tem somado desafios naquela que é a sua principal missão na empresa: desenvolver o talento interno.

Muito orientado para modelos de gestão global - herança de uma carreira onde os projetos de âmbito internacional e as responsabilidades de gestão e liderança em diversos países sempre foi uma realidade - Cláudio Valente defende que “o fator cultural é muito importante na gestão de pessoas e negócios”. Na IKEA, as carreiras globais estão ao alcance de todos os colaboradores e por isso, recrutar talentos aptos a desenvolver carreira em qualquer geografia onde a multinacional está presente (desde que essa seja a sua vontade) é para o gestor uma estratégia vital. Sempre que vai ao mercado contratar, o diretor de RH procura candidatos que se identifiquem com os valores da IKEA. “Fazemos o recrutamento com base nos valores e não tanto na experiência, pois acreditamos que as competências podem ser desenvolvidas e trabalhadas, enquanto os valores como a simplicidade, humildade, espírito de equipa, ser determinado e apaixonado por decoração e pela vida em casa ou se têm, ou não se têm”, reforça o diretor.

No cargo atual, o maior desafio de Cláudio Valente é “trabalhar diariamente para apoiar ainda mais o desenvolvimento das nossas pessoas, dando-lhes competências para responder aos desafios que surgirão com a abertura de novas lojas, com novos formatos e integradas num sistema de vendas multicanal”, explica.



OUTRAS NOTÍCIAS
Ria Blades cria 400 postos de trabalho

Ria Blades cria 400 postos de trabalho


A Ria Blades anunciou um investimento de €16 milhões de euros na expansão da fábrica de pás eólicas, em Vagos, durante o próximo ano. Esta que será...

Primavera vai requalificar 100 desempregados

Primavera vai requalificar 100 desempregados


Semanalmente, surgem em média 50 ofertas de emprego em que um dos requisitos é o conhecimento de soluções PRIMAVERA. As contas foram feitas pela tecnológica, com bas...

Quem são os nossos temporários?

Quem são os nossos temporários?


O Trabalho Temporário português está em mutação. Os profissionais estão mais qualificados e experientes e as empresas estão cada vez mais a encarar este...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


ACCOUNTANT BANKING SECTOR-PSA BANK

Spring Professional Portugal

ARCHITECT / PROJECT MANAGER

Michael Page Portugal

ASSISTANT ACCOUNTING CONTROLLER

Spring Professional Portugal