Notícias

Falemos do tempo

11.02.2005


  PARTILHAR




Vítor Andrade

HÁ UMA angústia no ar. Neste ar insuportavelmente azul de um Inverno fingido. Dizem que não há memória de uma seca assim. Por mim, o que não há é memória de uma tão grande anestesia social.

O culto da inutilidade difunde-se profusamente à hora do jantar. Pela TV passam novelas e realidade, lado a lado com a indiferença. Lá longe, pontificam as elites. Criticam. Mandam dizer que está mal.

Mas ninguém sabe verdadeiramente quem são, ou o que distingue aqueles que as compõem dos demais. O Governo está na rua, à mistura com promessas políticas de circunstância. Dizem que o nível está baixo, na discussão da «coisa pública». Mas alguém vê os portugueses indignarem-se com isso?

O ar está vazio. Falta-lhe estrutura e dimensão. ...E o tempo continua seco.

 

 





DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Área Jurídica

Assembleia da República

Business Development Assistant

ARC International Design Consultants