Notícias

Espírito de "franchising"

28.11.2003


  PARTILHAR






Cátia Mateus

A criação de um negócio em regime de 'franchising' pode ser uma boa opção para empreendedores que procuram minimizar o risco






Deficientes com emprego assegurado


EASY Bus, Onebiz e Viagens Gheisa. O que têm em comum estes três projectos? Além da visão e capacidade empreendedora dos seus empresários, o factor de todos eles serem conceitos desenvolvidos em regime de "franchising".

Numa altura em que a conjuntura económica aconselha a prudência e necessidade de minimizar os riscos, este modelo empresarial poderá ser uma boa oportunidade de negócio.

Por se tratar de uma fórmula já testada, a possibilidade do projecto fracassar é menor. Todavia, desengane-se quem pensa que neste tipo de negócios é só escolher o conceito que mais lhe agrada e depois esperar pelos lucros. Leonor Gomes, Pedro Santos e Luís Lima são três empreendedores que encontraram no "franchising" o modelo ideal de negócio.

Em 1998 o projecto das irmãs Leonor Gomes e Dulce Mendes dava os primeiros passos. A necessidade do mercado motivou a criação de uma empresa vocacionada para o transporte personalizado.

Em Lisboa nasceu a primeira Easy Bus, essencialmente voltada para a vertente de transporte escolar. Um conceito nacional, criado de raiz e cuja estratégia de expansão passou pela replicação do conceito em regime de "franchising".

Hoje, a marca Easy Bus está solidamente implementada no mercado. Além da expansão geográfica e de unidades, Leonor Gomes explica que "a marca expandiu-se também ao nível dos serviços que presta". A Easy Bus actua também junto de empresas, grupos e presta serviço de "baby-sitting".

Leonor Gomes acredita que "as pessoas interiorizam, por vezes em excesso, que o 'franchising' é um facilitador de negócio e acham que já está tudo feito havendo apenas que recolher os lucros".

Sem rodeios diz que este é primeiro grande erro que se pode cometer. "Num negócio, qualquer negócio, nunca se pode dar nada como feito. É uma luta constante", explica.

A vontade de criar uma empresa ligada à área da consultoria que agregasse um conjunto de empresas com serviços complementares levou Pedro Santos e o seu sócio António Godinho a lançar os pilares do grupo Onebiz.

"Holding" de nove marcas

Seis anos depois da sua criação o sonho está concretizado sob a forma de "franchising". "A Onebiz é uma 'holding' que gere um conjunto de nove empresas na área da consultoria e serviços", explica Pedro Santos.

As marcas geridas pelo grupo - Benvico, Fiducial, NBB, ExChange, Teamvision, Bioqual, Active, Elevus e Esinow - prestam serviços de consultoria a mais de duas mil empresas e tem cerca de 100 escritórios "franchisados" em Portugal.

Pedro Santos não tem dúvidas de que o "franchising" é um elemento facilitador para quem se quer lançar no mundo empresarial, mas assegura que "embora minimize o factor risco, exige o mesmo empenho do que um negócio criado de raiz".

Na estratégia deste grupo sedeado em Matosinhos está a "oferta de serviços de valor acrescentado, sendo que cada marca trabalha apenas o seu "core business". O empreendedor afirma que existem vantagens óbvias em desenvolver um conceito neste modelo. "O 'franchising' permite ter um negócio testado, com uma imagem conhecida no mercado e metodologias já testadas", explica.

Todavia, o responsável da Onebiz não nega que "todas estas vantagens caem por terra se o empreendedor escolher um conceito apenas em função da rentabilidade e que não se adeque ao seu perfil".

Um 'franchising' com vocação turística

Em apenas três anos Luís Lima, um empresário nortenho, trouxe para Portugal o "master franchising" da agência de Viagens Gheisa, implementou o conceito, ganhou cota de mercado e lançou-se na expansão do negócio no Brasil e nos países de língua oficial portuguesa.

Empresário por vocação cujo segredo do sucesso é "gerir com rigor, escolher bem os parceiros e dedicar-se a 100%". É que para Luís Lima, "o facto do modelo 'franchising' constituir um importante apoio ao empreendedor não significa que este não enfrente dificuldades" (ver caixa).

Neste modelo de negócio, como em todos os outros, "é importante aferir se o mercado necessita mesmo do serviço que vamos oferecer, conhecer a realidade local, a concorrência e saber posicionar-se de forma competitiva mostrando o valor do nosso conceito", explica o empreendedor.

Para Luís Lima, empreender em "franchising" não é muito diferente de investir na criação de um projecto de raiz. "A dedicação e determinação são as mesmas - o que o 'franchising' dá é uma maior segurança por se tratar de conceitos já testados", conclui.



Um investimento mais seguro

APESAR da aposta no "franchising" reduzir significativamente o risco de fracasso de um projecto empresarial, o empreendedor que optar por este sistema tem de assegurar alguns factores. Existem erros que jamais deve cometer. Registe!

- Jamais parta do pressuposto de que num negócio em "franchising" já está tudo feito e que a sua função é recolher os lucros! A capacidade de entrega terá de ser a mesma que aplicaria na criação de um projecto de raiz;

- Nunca seleccione um projecto com base no lucro que gera. A escolha do conceito tem de ser feita com base no seu perfil;

- Se a sua aposta for implementar em Portugal um conceito inovador, nunca o faça sem uma análise prévia do mercado. Um negócio de sucesso no estrangeiro não o é necessariamente em Portugal;

- Nunca importe um conceito sem conhecer a legislação vigente no país onde o quer implementar. Poderão existir entraves à implementação do projecto;

- Se for "master", não coloque a necessidade de realizar direitos de entrada rapidamente à frente da selecção correcta dos "franchisados" que admite. Um mau elemento na equipa pode minar o seu negócio.

- Jamais deixe ao acaso a escolha dos seus colaboradores! O segredo do sucesso são as pessoas.






DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Arquiteto

Anónimo

Colaborador

Anónimo

Comercial / Diretor(a) Comercial

ERA BELÉM RESTELO & ERA ALCÂNTARA/AJUDA