Notícias

Era quer contratar 750 em 2013

Era quer contratar 750 em 2013

O preço das habitações em Portugal está em queda há três anos e atingiu o seu record este ano. O excesso da oferta disponível e o aumento das restrições ao crédito justificam a tendência, mas as mediadoras tentam desbravar novos nichos de mercado. É o caso da ERA Portugal que, em contraciclo com o atual cenário, determinou como objetivo contratar 1500 novos colaboradores entre 2012 e 2013.
27.12.2012 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Um novo modelo de organização das agências e a expansão de novas áreas de negócio, como a comercialização de imóveis da banca, estão na base do novo programa de recrutamento que a rede imobiliária ERA tem em marcha em Portugal. A marca prevê fechar 2012 com 2500 colaboradores em território nacional (um acréscimo de 750 novas contratações face a 2011), e prevê contratar igual número durante o próximo ano. Miguel Poisson, diretor geral da ERA Portugal, justifica também investimento com a identificação de muitas zonas do país onde a empresa, por via da diminuição da concorrência gerada por múltiplas falências, tem vindo a ganhar quota de mercado. E adianta ainda que 80% dos empregos a gerar são na área comercial, onde a remuneração tem uma forte componente variável, e os restantes 20% são administrativos e diretores comerciais, onde o salário é totalmente fixo. No anterior modelo organizacional da ERA, as equipas integravam um diretor comercial por loja. Os desafios acrescidos de um mercado em dificuldades levaram a rede imobiliária a definir novas metas e reestruturar toda a sua organização. “No nosso novo modelo evoluímos para três diretores comerciais por cada loja. Cada um destes diretores lidera a sua própria equipa de comerciais a quem deverá dar um apoio mais forte e de maior proximidade”, explica Miguel Poisson. Para o diretor geral da empresa, este é parte do segredo para consolidar a nova estratégia da marca e para desbravar novos caminhos. O líder destaca as conquistas da empresa em novas áreas de negócio, como a venda de imóveis da banca, mas também “o desenvolvimento de mais serviços ligados à compra e venda e ao arrendamento”. 2012 foi para a marca “um ano de grandes investimentos estratégicos”, como refere o diretor geral. A empresa criou um novo site, realizou um upgrade no software das suas lojas e incrementou a formação das suas equipas. Miguel Poisson garante que a nova fórmula está a dar resultados, tanto mais que em pleno cenário de adversidade a rede está a investir na abertura de 20 novas lojas em zonas tidas como estratégicas para a empresa, no que diz respeito a garantir um nível crescente de proximidade com os clientes. É nesta política que, segundo o diretor geral, se inserem as 750 contratações realizadas este ano e as que se perspetivam já para o próximo ano. A marca não procura necessariamente profissionais com experiência na área do imobiliário e está decidida a colmatar eventuais inexperiências com as necessárias formações. O que procura “são pessoas dinâmicas, determinadas, proativas, com gosto pelo trabalho em equipa e facilidade em seguir objetivos”, reforça Miguel Poisson. “Queremos pessoas que personifiquem valores como a determinação, a ambição e a persistência, sem abrir mão de valores como a dedicação, ética, determinação e persistência e um espírito muito positivo”. Miguel Poisson destaca a estratégia da ERA em apostar em novos projetos, “capazes de gerar novos e ambiciosos negócios e processos de recrutamento e retenção de talento que contribuam para o crescimento da marca”. Formação contínua e oportunidades de progressão na carreira são os grandes trunfos que, segundo Miguel Poisson, a ERA oferece aos seus colaboradores enfatizando ainda que o mérito é premiado. A aposta da marca na ampliação da sua equipa dá-se numa altura em que a crise do imobiliário está na ordem do dia mas não é um assunto pacífico. Miguel Poisson reconhece o desaparecimento de algumas empresas concorrentes, mas não há muito tempo, Luís Lima, presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária (APEMIP) quantificava este “filtro do mercado” publicamente: desde 2007 desapareceram mais de umas mil imobiliárias. Por oposição, Miguel Poisson revela que a compra de habitações pagas a pronto disparou em Portugal, nos últimos dois anos, e já representa cerca de 75% dos negócios fechados. Apostar nos segmentos certos, com os profissionais adequados é por isso o grande trunfo das mediadoras.


OUTRAS NOTÍCIAS
Centro aproxima universidade às empresas

Centro aproxima universidade às empresas


O Cegea está agregado à Faculdade de Economia e Gestão da Católica do Porto e utiliza a capacidade de investigação e os conhecimentos da equipa de docentes para prestar serviços de consultoria na área...

Treino para falar nos media

Treino para falar nos media


Na vida atual cada vez mais profissionais são chamados a falar nos meios de comunicação social ou a expor as suas ideias para pequenas e grandes plateias. Muitos executivos e demais profissionais têm ...

Temporários especializados aumentam 61%

Temporários especializados aumentam 61%


Portugal tem trabalhadores temporários cada vez mais qualificados e especializados e a tendência deverá continuar a crescer. Segundo as principais conclusões de um estudo realizado pela Page Personnel...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


BIM MANAGER

Michael Page Portugal

CONTABILISTA CERTIFICADO

Spring Professional Portugal

CONTABILISTA CERTIFICADO

Spring Professional Portugal