Notícias

Calçado nacional procura profissionais

Calçado nacional procura profissionais

Cerca de 1300 empresas e 41 mil profissionais compõem hoje o sector nacional do calçado, que nos últimos 20 anos protagonizou uma das maiores revoluções tecnológicas do tecido empresarial nacional. Mais moderno, global, profissional e qualificado, o calçado português permitiu, segundo dados da associação do setor (APICCAPS), criar no último ano cerca de mil novos postos de trabalho. Para 2015 estão já identificadas necessidades de um número semelhante de profissionais, mas as empresas confirmam dificuldades de recrutamento geradas maioritariamente pela carência de qualificações específicas que o setor atualmente exige. 

10.04.2015 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Portugal detém hoje algumas das mais modernas unidades fabris do mundo no sector do calçado, exportando não só tecnologia como produto a nível global. Fortunato Frederico, presidente da Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos (APICCAPS) fala numa reinvenção do sector que hoje compete ao nível da qualidade, inovação e qualificação.

“Os profissionais não qualificados, que no passado estavam em maioria, correspondem hoje a uma pequena parcela do sector”, enfatiza o presidente realçando que esta aposta na qualificação, que representa assumidamente um desafio em matéria de formação e recrutamento, está a permitir ao sector trilhar o seu caminho de modo a tornar-se aliciante para os jovens.?Segundo a APICCAPS, o sector nacional do calçado emprega atualmente 41 mil profissionais, mil dos quais recrutados durante 2014. Uma dinâmica que surge acompanhada por uma nova estratégia de expansão das empresas, agora mais voltadas para o interior do país e não para os concelhos onde tradicionalmente se desenvolvia a atividade do sector, como Felgueiras ou Guimarães, onde a dificuldade em encontrar mão de obra especializada é há muito uma realidade. Fortunato Frederico garante que “várias empresas do sector têm projetos a longo prazo para o investimento no interior do país, em Paredes de Coura, Celorico de Basto, Cabeceiras de Basto, Pinhel ou Castelo de Paiva”, o que leva o presidente a antever “o aumento sustentado do número de empregos a criar nos próximos anos”.?

Com a indústria portuguesa de calçado a posicionar-se como uma das grandes exportadoras a nível mundial (nos últimos anos as exportações cresceram mais de 54% do sector), colocando em mercados internacionais mais de 95% da sua produção  - “Portugal exporta hoje 90 milhões de pares de calçado, no valor total de 1900 milhões de euros para 150 países nos cinco continentes” -, e ainda sem contas fechadas para o ano inteiro, o líder da APICCAPS diz estar identificada pelas empresas do sector a necessidade de contratação de pelo menos 600 profissionais nos próximos meses. Um processo de recrutamento que poderá não ser simples, reconhece o presidente. “Há uma dificuldade em encontrar mão-de-obra qualificada, principalmente nas zonas de grande concentração da indústria de calçado, onde praticamente esgotamos a mão-de-obra disponível”, explica citando como exemplo Felgueiras que, “sendo o principal polo produtivo do sector, é o concelho com a mais baixa taxa de desemprego a nível nacional”.

Fortunato Frederico reconhece que um número crescente de empresas têm sido obrigadas a procurar colaboradores em concelhos limítrofes e até novas zonas de investimento geográfico para responder às solicitações do mercado e contornar a carência de profissionais qualificados. ?Segundo o presidente da APICCAPS, “o sector do calçado tem feito o seu caminho de crescimento, no sentido de se tornar um sector aliciante para os jovens“. Uma estratégia que é, de resto, uma das grandes prioridades até 2020. “Queremos conseguir captar jovens para o sector, não só para as áreas da produção como também para outras mais nobres como a logística, design, área comercial ou de marketing”, explica acrescentando que “a indústria do calçado está a criar oportunidades de carreira bem interessantes que carecem de ser aproveitadas pelos mais jovens”. As intenções de investimento em território nacional de empresas como a Ferreira e Avelar, Centenário, Macosmi, Abreu e Abreu, Kyaia, Carité, Ecco, demonstram-no. “Já foram criados mais de 900 postos de trabalho”, garante o presidente que assegura que mais estão previstos. 



OUTRAS NOTÍCIAS
Gfi aumenta centro e reforça equipa

Gfi aumenta centro e reforça equipa


A multinacional francesa de tecnologias de informação, Gfi, está a expandir o Centro de Serviços que detém em Lisboa, desenhado para servir de incubadora de inova&cc...

Calçar o mundo em português

Calçar o mundo em português


É um projeto colaborativo, on e offline, focado na promoção do calçado made in Portugal, mas que agrega também marcas nacionais, jovens designers, joalheiros, artist...

Jovens líderes reúnem em Lisboa

Jovens líderes reúnem em Lisboa


Matt O. Brimer, fundador da General Assembly, uma das principais plataformas educacionais do mundo que atraiu já junto dos investidores mais de 50 milhões de dólares em financiame...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


ACCOUNTANT BANKING SECTOR-PSA BANK

Spring Professional Portugal

ARCHITECT / PROJECT MANAGER

Michael Page Portugal

ASSISTANT ACCOUNTING CONTROLLER

Spring Professional Portugal