Notícias

Benefícios salariais sobem em 2011

Benefícios salariais sobem em 2011

A consultora Mercer divulgou os resultados do seu inquérito às intenções de compensação salarial para 2011 e concluiu que em média o próximo ano trará incrementos estimados de 1,67%.
09.09.2010 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



A conjuntura económica teima em manter-se adversa, mas apesar do panorama sombrio as perspetivas para 2011 apontam para um incremento salarial médio na ordem dos 1,67 e 2,01%. As estimativas são avançadas pela consultora Mercer, no seu estudo Total Compensation Portugal 2010 . Segundo a consultora os diretores gerais e administradores terão menores aumentos salariais e a empresa tem ainda boas notícias aos que temem pelo desemprego: o número de empresas que encara a possibilidade de uma redução dos quadros de pessoal para o próximo ano diminuiu face a 2010. Apenas 7% das organizações prevê despedimentos em 2010, contra os 14% perspetivados no mesmo relatório para o presente ano. 35% das empresas inquiridas fala mesmo em novas contratações.

Os benefícios salariais são vistos, cada vez mais, pelas empresas como uma componente diferenciadora do pacote de compensação total, tão importante como o salário mensal. Nesta perspetiva, Diogo Alarcão, partner da Mercer refere que “em Portugal há já uma tendência de flexibilização de programas de forma a adequar os benefícios concedidos pela empresa às necessidades de cada colaborador, como por exemplo, a atribuição de benefícios que permitam um maior equilíbrio entre a vida pessoal e o trabalho, promovam a saúde e bem-estar dos colaboradores e contribuam para o seu desenvolvimento”. O especialista acrescenta ainda que “é notório o desenvolvimento de novas políticas de compensação mais alinhadas com os objetivos organizacionais, levando a que as organizações introduzam o conceito de benefícios flexíveis em contraponto às tradicionais componentes fixas de remuneração, menos flexíveis e incapazes de responder à necessidade urgente de motivar e atrair profissionais mais conscientes, especializados e motivados”.

Fruto desta consciência, a Mercer perspetiva como tendências de compensação e benefícios para Portugal e para o resto da Europa, a uniformização a longo prazo dos incrementos salariais. Um comportamento que para Diogo Alarcão é motivado pelas baixas taxas de inflação, pelas regras de controlo e disciplina orçamental e por uma crescente integração dos mercados laborais europeus decorrente de uma crescente mobilidade laboral. “O conceito de incremento diferenciado, ou seja, a separação entre incremento geral (ao nível da inflação) e o incremento individual, apresenta-se como uma orientação cada vez mais seguida, de modo a premiar o desempenho. Este incremento individual é normalmente suportado por instrumentos de avaliação e gestão de desempenho”, explica o partner da Mercer.

Segundo o relatório, cerca de 90% das empresas atribuem formas de remuneração variável à totalidade ou a parte da sua estrutura. A prevalência deste incentivo de curto prazo vai diminuindo à medida que se analisam grupos com níveis de responsabilidade inferiores. A Mercer apurou ainda que a atribuição de incentivos de longo prazo ainda não se assume como uma prática maioritária, sendo apenas utilizada em 32% das empresas inquiridas, Cerca de 73% destes incentivos residem sobre a possibilidade de compra de ações aos seus colaboradores.

Entre os principais benefícios atribuídos pelas empresas estão os planos médicos (84%), com cobertura extensível ou não ao cônjuge e filhos, o plano de pensões, aplicado por cerca de 33% das empresas inquiridas e apolítica automóvel, aplicada em 90% das organizações. Paralelamente, merecem ainda destaque os seguros de vida e acidentes pessoais (45%), a comparticipação de despesas de educação (32%) e o complemento ao subsídio de doença, concedido em 35% das organizações.

O estudo analisou 78.889 postos de trabalho em 288 empresas presentes no mercado nacional, sendo 58% multinacionais, as 41% restantes de âmbito nacional privadas e 1% nacionais públicas. Em termos de volume de negócios, o estudo é representativo de pequenas, médias e grandes empresas. 62% da amostra tem menos de 50 milhões de euros de faturação e 25% mais de 100 milhões.



OUTRAS NOTÍCIAS
600 mil sem trabalho

600 mil sem trabalho


Portugal tem 95 novos desempregados a cada dia que passa. Os dados foram esta semana avançados pelo organismo oficial de estatística da União Europeia, Eurostat, que reviu em alta...

Business Angels apoiam projetos online

Business Angels apoiam projetos online


Chama-se E-commarketing Show e tem por meta ser um ponto de encontro privilegiado entre empreendedores e a maior rede de investidores privados: os business angels . O evento que chega a Portugal entr...

Ensino profissional já absorve metade dos alunos

Ensino profissional já absorve metade dos alunos


Cerca de metade dos alunos matriculados entre o 9º e o 12º ano nas escolas portuguesas estão em cursos profissionais. Uma meta que vem ao encontro das expectativas do ministéri...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


ACCOUNTANT - TREASURY - PSA BANK

Spring Professional Portugal

ACCOUNTANT BANKING SECTOR-PSA BANK

Spring Professional Portugal

ACCOUNTING MANAGER

Spring Professional Portugal