Notícias

À descoberta das línguas

Dos livros aos CD's, passando por curso intensivos, são vários os métodos de aprendizagem disponíveis no mercado para melhor conhecer um idioma
29.09.2006


  PARTILHAR



Maribela Freitas

Aprender uma língua estrangeira não é tarefa fácil. Mas quem quiser lançar-se nesta aventura tem à sua disposição vários métodos de aprendizagem que podem facilitar o processo.

A Editorial Presença é uma das empresas do mercado livreiro que publica colecções dedicadas à aprendizagem de uma língua estrangeira sem mestre. “Os títulos da colecção ‘Curso prático de línguas' encontram-se organizados de modo a proporcionar conhecimentos básicos sobre um idioma, ideais para quem pretenda adoptar o método da auto-aprendizagem, explica Inês Mourão, responsável pelo departamento de comunicação e relações públicas da Editorial Presença.

Já as colecções ‘Curso de línguas' e ‘Novos manuais de línguas' desta editora estão divididas e esquematizadas em 30 lições, com o objectivo de colocar o estudante a falar uma língua estrangeira num curto espaço de tempo. Exercícios, explicações gramaticais, uma cassete áudio com diálogos, para testar conhecimentos e ensinar vocabulário, são alguns elementos presentes nestas obras.

“Tem-se registado um aumento na procura de títulos deste género, destacando-se em anos recentes uma maior aceitação de idiomas menos utilizados em Portugal, como alemão e italiano”, comenta Inês Mourão. Na sua opinião, enquanto método de aprendizagem, na perspectiva de ferramenta de trabalho isolada, é um género de literatura eficaz para um primeiro contacto com uma língua.

Também a trabalhar no mercado livreiro, a Didáctica Editora disponibiliza produtos multimédia da Auralog para aprendizagem de uma língua estrangeira por si mesmo ou sem mestre. “Estes produtos multimédia são os mais avançados ‘softwares' para aprendizagem de línguas em todo o mundo, pela sua tecnologia de reconhecimento de fala e percursos de aprendizagem personalizados”, refere Vanda Acates, directora do departamento de «marketing» desta editora.

O ‘Tell me more'avalia o progresso do utilizador e usa os resultados para sugerir actividades que se adaptam às suas necessidades. Contém um «software» que possibilita gravações áudio de diálogos, ditados e uma tecnologia de reconhecimento da fala, permitindo ao aprendiz avaliar a pronúncia e melhorá-la. A editora tem ainda os produtos ‘Talk to me', ‘Parle Moi' e ‘Tell me more kids'. “Devido à utilização das novas tecnologias, este tipo de produtos são cada vez mais procurados. Dão aos utilizadores uma excelente ferramenta de aprendizagem de uma língua estrangeira, sem que para tal seja necessário ter um professor”, afirma Vanda Acates.

Para Guilhermina Jorge e Cristina Avelino, docentes da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, o método ideal para aprender uma língua estrangeira depende sempre do perfil do candidato e da sua capacidade financeira. Contudo, avançam que o mais eficaz para desenvolver uma competência básica na língua é uma estada no país acompanhada por aulas ou, então, um curso intensivo em pequenos grupos com um método adequado de pedagogia por tarefas.

Quanto a métodos inovadores, Guilhermina Jorge — que é professora de linguística francesa e tradução —, refere que “em contextos institucionais, ou seja, escolas de línguas ou sistema educativo, as metodologias são predominantemente comunicativas, onde o aluno desenvolve competências, simulando situações da vida social ou profissional”. Já Cristina Avelino — que lecciona língua e didáctica do francês — explica que “as práticas actuais caracterizam-se por um certo eclectismo de meios e de técnicas que visam adaptar-se ao público-alvo e convergem para o desenvolvimento de uma verdadeira competência de comunicação”.

Quanto ao futuro do ensino e aprendizagem das línguas estrangeiras, estas docentes pensam que poderá abranger várias vertentes. Uma delas passa pelo ensino em função de diferentes perfis de competências. As tecnologias de informação e comunicação permitem aceder a «sites», comunicar oralmente ou por escrito, mas a presença de um professor é imprescindível para orientar, reajustar, tirar dúvidas ou dar vida à língua. Uma outra vertente é a dos períodos de aprendizagem — é bom começar cedo — e a cultura da importância de dominar várias línguas estrangeiras.

Conselhos para aprender idiomas

Para quem está ou quer aprender uma ou várias línguas estrangeiras, ficam aqui alguns conselhos e sugestões:

. Esteja aberto a todas as formas de aprender dentro e fora da sala de aula, utilizando os recursos humanos e tecnológicos disponíveis;
. Aproveite todas as oportunidades para comunicar nas línguas que está a aprender e não tenha medo de dar erros, o importante é fazer-se entender;
. Trabalhe regularmente para ultrapassar as dificuldades e consolidar as aprendizagens;
. Pode aprender uma língua em qualquer idade. Deve é definir o que quer aprender;
. Alargar o capital de comunicação com outras línguas é uma necessidade vital no espaço europeu, nomeadamente para viajar, fazer negócios, investigar, etc.
. As línguas abrem as portas do mundo e ajudam a compreendê-lo melhor.

Fonte: Guilhermina Jorge e Cristina Avelino





DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Área Jurídica

Assembleia da República

Business Development Assistant

ARC International Design Consultants