Notícias

Á espera da retoma

13.08.2004


  PARTILHAR





Maribela Freitas e Ruben Eiras

O ÚLTIMO trimestre deste ano e o início de 2005 vão ser marcados pelos primeiros sinais de reanimação do mercado de emprego. O EXPRESSO, em conjunto com a Hays Specialist Recruitment, apresenta as principais tendências laborais para que o leitor planeie a sua carreira para a retoma que se avizinha.


Engenharias e construção civil

De acordo com a análise da Hays Specialist Recruitment, no sector das engenharias e operações logísticas, é de prever um pico de recrutamento no sector da logística, devido ao facto de existirem empresas à procura de novos parceiros nesta área. "Os operadores logísticos estão em crescimento contínuo com a construção de novas instalações e com a optimização das operações já existentes", refere Hugo Domingues, consultor especializado nestes sectores.

Para este responsável, os sectores da construção civil e imobiliária são os que mostram maior resistência a empregar. "Isto deve-se ao receio de investir gerado pela estagnação da procura tanto no sector empresarial como no habitacional. Prevê-se uma ligeira retoma neste mercado com o surgimento de projectos ao nível das obras públicas de grandes dimensões, como por exemplo, o novo aeroporto da Ota, a terceira ponte sobre o Tejo e o projecto TGV", explica.

Quanto aos salários, no sector de engenharias e operações logísticas, a regra será cada vez as remunerações com base no cumprimento de objectivos. Mas, no geral, Hugo Domingues salienta que os salários não irão apresentar níveis de crescimento elevados "devido à recessão económica em que ainda vivemos".

No capítulo das competências mais procuradas, a preferência destes sectores recai sobre profissionais especializados. Outra tendência é o recrutamento de jovens e a introdução de planos de formação para colocá-los na frente das operações e com níveis de responsabilidade elevadas.

Marketing e comerciais

No segmento dos comerciais, segundo Duarte Ramos, consultor da Hays nesta área, as propostas de emprego já começam a abundar. Os sectores em crescimento são os da grande distribuição e do retalho, principalmente no sector do vestuário. Neste campo, o consultor refere que "há uma aposta emergente na especialização do atendimento e venda ao público".

Outro sector com o emprego em alta é a indústria farmacêutica, devido ao crescimento de novas áreas, como, por exemplo, os medicamentos genéricos. O sector das tecnologias de informação (TI) também regista um crescimento ao nível da entrada de novas marcas no mercado. Uma das razões para o crescimento na contratação de comerciais é o foco das empresas nos mercados que garantem uma agressividade comercial necessária para o aumento da sua presença no mercado.

Quanto à área de "marketing", o consultor salienta que o sector da publicidade revela ainda um lento crescimento. Os profissionais mais procurados neste sector têm uma formação-base em gestão ou uma especialização nesta área. "Normalmente, são gestores de produto com uma abrangência que vai desde o seu desenvolvimento e que se encontra fortemente interligada com a área comercial, um pouco por todos os sectores de mercado", observa. No entanto, os cargos de direcção de "marketing" e outros tipos de executivos ainda pautam por um lento crescimento, "por causa na iberização de algumas empresas e consequente extinção de alguns destes cargos em Portugal".

No que diz respeito às remunerações, Duarte Ramos indica que na área comercial começa-se a sentir um crescimento, fruto do dinamismo do mercado. Esta situação gerou um regresso a um maior equilíbrio entre a componente fixa e variável, quando no ano passado se observou um maior investimento na componente variável. Na área de "marketing", o consultor prevê que os salários chegarão, no final de 2004, a valores equivalentes aos da inflação, "o que são boas notícias se compararmos com os valores de crescimento abaixo de 1% registado no ano passado".

Financeiros

Para o mercado das profissões financeiras, Sandra Santos, especialista da Hays nesta área, refere que 2004 foi um ano de melhorias. "O mercado oferece oportunidades bastante interessantes para candidatos já com alguma experiência no que concerne aos sectores especializados e específicos", esclarece.

Todavia, a consultora sublinha que os empregadores têm sido bastante cautelosos nas suas contratações, registando-se alguns atrasos na fase final dos processos e uma marcada preocupação na garantia de qualificações, experiência e perfil adequado às funções em questão. "Apesar disso, podemos falar num aumento do volume de processos de recrutamento nos tempos que virão", assegura.

Quanto às tendências na retribuição, o comportamento é de crescimento salarial, mas só para "caçar" os trabalhadores mais experientes e especializados. Por outro lado, os perfis mais juniores continuarão com salários estagnados.

No que se refere ao perfil de competências mais valorizadas, contam-se mais uma vez a experiência e a especialização. Os perfis mais procurados são directores financeiros, "controllers" de gestão, contabilistas e profissionais especializados na área da banca nas funções de análises de crédito e reengenharias de processos.

Tecnologias de Informação

O mercado de emprego das TI começa a recuperar timidamente da ressaca do rebentamento da bolha tecnológica. Segundo Paula Baptista, algumas entradas directas de marcas e de "software houses" no mercado nacional trouxeram uma mais-valia aos técnicos deste sector. "As empresas têm solicitado serviços de recrutamento para intermediar na sua pesquisa e abordagem a estes candidatos", revela.

No sector das telecomunicações, Paula Baptista refere que o lançamento dos serviços de terceira geração está a ter algum efeito no mercado de recrutamento, "embora continuemos cautelosos em avançar com tendências de crescimento".

No plano das remunerações, a consultora prevê que não existam aumentos de salários substanciais nos próximos tempos, "mesmo no caso de uma melhoria continuada do mercado". Mas no caso de trabalhadores especializados em linguagens de programação emergentes, as empresas estão dispostas a remunerar com salários bastante atractivos.



Aproveitar bem as oportunidades

O VERÃO, período de férias por excelência, pode ser uma boa altura para planear o futuro do seu percurso profissional. Uma carreira faz-se no dia-a-dia, com trabalho árduo, mas pode-se sempre reservar algum tempo para pensar sobre o que se quer fazer e avançar em prol da concretização dos objectivos definidos. Isto sem descurar o factor sorte e aproveitando as novas oportunidades de trabalho que possam aparecer.

Para Fernando Neves de Almeida, director-geral da Boyden - uma empresa de "executive search" -, "numa carreira, são mais as situações que acontecem por acaso do que as que são planeadas e muitas vezes os grandes sucessos têm muito do factor sorte pelo meio".

A quem acabou recentemente a licenciatura e está à procura do primeiro emprego, este responsável recomenda primeiro um período de descanso e só depois se deve avançar na criação de uma carreira. "Primeiro há que definir o que se quer fazer, qual o tipo de trabalho e empresa onde se gostaria de laborar", refere Fernando Nunes de Almeida.

Acrescenta que "é muito importante o primeiro emprego que se procura, se é realmente o que se pretende, pois pode condicionar o seu percurso profissional no futuro". Nesta perspectiva e se não se conseguiu o trabalho com que se sonhou, deve-se continuar à procura.

No entanto, "é importante que se faça o melhor possível na função que se está a executar, uma vez que alguém pode reparar em si e dar-lhe a oportunidade de mudar", salienta Fernando Neves de Almeida.

Mas o segredo de uma carreira parece não residir apenas no seu planeamento cuidado, uma vez que o factor sorte está sempre presente na vida. O responsável da Boyden considera que "mais do que planear deve-se aproveitar as oportunidades que possam surgir". E para que essas oportunidades apareçam, aconselha a "pôr o melhor de nós naquilo que fazemos e dar-se bem com colegas e superiores, para que as oportunidades aconteçam".






DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


COLABORADORES

ERA BELÉM RESTELO & ERA ALCÂNTARA/AJUDA