Notícias

O método Google para a qualificação digital

O método Google para a qualificação digital

A Google quer combater o gap de competências digitais e o desemprego jovem entre os portugueses e acaba de lançar no país a plataforma de formação Atelier Digital. Francisco Ruiz, diretor de Assuntos Institucionais da tecnológica, explica o projeto.

10.12.2016 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR
LinkedIn Twitter Facebook Google+



O desenvolvimento de competências digitais é uma das prioridades estratégicas da União Europeia, com impactos económicos e sociais. Nos próximos anos, a Europa deverá assistir à criação de mais de 820 mil vagas de emprego que requerem competências digitais. O problema é que segundo as estimativas da Comissão Europeia (CE), pelo menos 80 mil destas vagas poderão ficar por preencher por escassez de profissionais qualificados na área. Em Portugal, a CE acredita que 50% população tenha falta de competências digitais. Foi para inverter este cenário e promover a qualificação dos portugueses nas áreas digitais, preparando-os para a empregabilidade, que a Google lançou esta semana em Portugal um projeto já implantado com sucesso noutros países, o Atelier Digital, uma plataforma de formação em competências digitais que combina uma vertente formativa online e offline. Ao Expresso, Francisco Ruiz, diretor de Assuntos Institucionais da Google Portugal e Espanha, explica que ao trazer a iniciativa para Portugal, “a Google está a contribuir para ajudar os jovens portugueses a terem um acesso mais fácil não apenas ao conhecimento, mas também à formação imprescindível nos tempos de hoje à empregabilidade e ao empreendedorismo”.

Setúbal, Leiria e Aveiro serão as primeiras cidades a receber, já em 2017, a formação gratuita presencial (offline), contemplada no Atelier Digital que a Google acaba de lançar em Portugal com o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos e da SIC Esperança. Os 23 módulos que compõem este projeto formativo online já estão disponíveis e em pleno funcionamento. Entre o público-alvo desta iniciativa, que em Espanha soma mais de 600 mil jovens em frequência e já atribuiu certificação a 120 mil, estão jovens e menos jovens, com o sem grau académico, desempregados ou no ativo, ainda que Francisco Ruiz confirme que “o Atelier Digital é para todos, mas sobretudo para jovens desempregados”. Isto porque, se por um lado o propósito do programa é combater o gap de competências digitais, a Google também chama a si a ambição de inverter os elevados números do desemprego jovem em Portugal e na Europa (ver caixa).

O segredo da qualificação digital
Mas qual é afinal a proposta da Google para alcançar estes resultados? A tecnológica partiu das estatísticas europeias e da constatação de que “as empresas com maior probabilidade de sucesso e crescimento são aquelas que possuem competências digitais” para estruturar um modelo formativo que contempla 23 módulos, orientados para o desenvolvimento ou reforço de competências digitais. Entre áreas cobertas pela formação estão, por exemplo, pesquisa, email, redes sociais, redes display, vídeo, e-commerce e web analytics.

A formação online é baseada em tutoriais em vídeo, seguidos de atividades que permitem testar os conhecimentos apreendidos. “No final de todo o percurso formativo, os formandos podem realizar um teste de competências que lhes garante o acesso a um certificado reconhecido pela IAB Europe”. Na sua vertente presencial, o Atelier Digital tem prevista a realização de cursos, em várias regiões do país, com duração de três dias, que incluem formação em otimização para motores de pesquisa (SEO), marketing para motores de pesquisa (SEM), marketing para redes sociais e mobile, análise Web e internacionalização.

“O propósito do Atelier Digital é formar jovens portugueses em competências digitais, dotá-los das ferramentas necessárias para aproveitarem as oportunidades da digitalização e da economia e a contribuir para fomentar o empreendedorismo em Portugal”, reforça Francisco Ruiz acrescentando que noutros países onde a iniciativa já está implementada e onde se conhecem resultados práticos, “muitos dos formandos acabam por criar o seu próprio negócio no final da formação”.

Entrevista

“Mais de 50% dos portugueses não possuem competências digitais básicas”
O Expresso entrevistou Francisco Ruiz, diretor de Assuntos Institucionais da Google Portugal e Espanha, à margem da apresentação do Atelier Digital. O gap de competência digitais na Europa está no centro das preocupações do gigante tecnológico que não descarta a possibilidade de virem a ser criados novos programas em Portugal para a capacitação de profissionais nesta área.

O que levou a Google a criar a iniciativa Atelier Digital?
O projeto Atelier Digital é parte integrante de programa mais vasto da Google na Europa, pensado para alavancar o potencial digital dos cidadãos e ajudar a compater a falta de competências nesta área. Através dos nossos programas de Growth Engine alcançamos, na passada semana, o marco dos dois milhões de europeus formados com competências digitais, fruto de um investimento na ordem dos €42 milhões. Este marco foi reconhecido pela Comissão Europeia. É esperado que em 2020 mais de 80 mil vagas de emprego na Europa não sejam preenchidas por falta de profissionais com competências digitais e um estudo recente da Comissão Europeia concluí que mais de 50% dos portugueses não possuem as competências digitais básicas. O Atelier Digital ajuda, de forma inequívoca, a reduzir este gap de competências e contribui para eliminar o problema. Para o seu lançamento em Portugal acreditamos que conseguimos reunir uma equipa de sonho: o Governo português, o Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos e a SIC Esperança.

Este projeto já está já implantado noutros países. Que balanço é possível fazer do seu impacto?
Estamos satisfeitos com os resultados alcançados até aqui e de olhos postos no futuro. Temos pessoas que receberam formação em áreas hoje críticas para a economia, cada vez mais digital, e que no final iniciaram o seu próprio negócio, e pessoas que cada vez mais procuram oportunidades na economia digital. O projeto aterrou agora em Portugal com um grupo fantástico de parceiros e esperamos vir a encontrar casos portugueses entre os exemplos de sucesso internacionais que o programa já soma, demonstrando como é possível utilizar este tipo de programas para como oportunidades para inovar, criar e desenvolver projetos empreendedores e de auto-emprego.

De que tipo de cursos estamos a falar no Atelier Digital?
O programa abarca 23 módulos distintos, pensados para ajudar os formandos a melhorar as suas competências digitais: Primeiros passos para alcançar o sucesso online; Ajude as pessoas nas proximidades a encontrá-lo(a) online; Tire o melhor partido da pesquisa; Obtenha visibilidade com as redes sociais; Crie a sua loja online; Estenda-se a outros países ou Tire partido dos dispositivos móveis, só para enumerar alguns. O primeiro passo é sempre fazer o diagnóstico do formando e depois traçar o seu plano de aprendizagem. Nos cursos online, os módulos estão divididos por aulas disponíveis em turoriais vídeo. No final de cada aula, há atividades para testar os conhecimentos dos formandos. Depois de completar todo o plano de aprendizagem, os formandos podem realizar um exame final que lhes garante o certificado. Nos cursos offline, que se realizarão em diferentes cidades, os tópicos são semelhantes mas divididos por sessões de formação de três dias. Quais são as metas desta iniciativa a curto/médio prazo? Não gostaríamos de apresentar metas nesta fase. O nosso objetivo é formar o maior número de pessoas possível em Portugal e no maior número de regiões possível, dado que é um programa de âmbito nacional.

Que impacto acredita que o Atelier Digital poderá ter para os portugueses?
Acreditamos que quanto mais possibilidades existirem de formar jovens com competências digitais, melhor preparados os portugueses estarão para enfrentar as exigências do mercado laboral. Com o Atelier Digital ajudaremos os profissionais portugueses a adquirir competências digitais, dando-lhes as ferramentas necessárias para procurar oportunidades na economia digital, ou empreender novos e inovadores projetos empresariais no país. Por outro lado, o desemprego jovem é um problema latente que queremos combater. Com o Atelier Digital podemos ajudar os mais jovens a aceder a informação e formação na área digital e, assim, alargar as suas possibilidades de integração no mercado de trabalho, de inovar e ganhar experiência. Podemos, em conjunto com os nossos parceiros, ser parte da solução para este problema. A Google tem assumido como bandeira o combate ao gap de competências digitais e tecnológicas.

Além desta iniciativa, que outras podem vir a chegar a Portugal com a chancela Google?
Na Google acreditamos que a educação e a formação, especialmente em competências digitais, devido à falta de perfis qualificados nesta área, são fundamentais para o desenvolvimento do conhecimento e conferem novas oportunidades, não apenas no mercado de trabalho, mas também no empreendedorismo e auto-emprego. Estamos sempre a olhar para o futuro e a procurar mais e melhores formas de contribuir, mas não temos ainda nada a anunciar neste momento.



OUTRAS NOTÍCIAS
Contrafação elimina 790 mil empregos na UE

Contrafação elimina 790 mil empregos na UE


O Instituto da Propriedade Intelectual da União Europeia (UE), através do Observatório Europeu das Infrações aos Direitos de Propriedade Intelectual, conduziu uma s&...

Como se criam profissionais felizes

Como se criam profissionais felizes


O que leva um jovem profissional a trocar uma empresa por outra? E porque é que, na mesma empresa mas em países diferentes, o talento parece ser mais feliz, motivado e com maior grau de ...

Emprego tecnológico: o que procuram as empresas?

Emprego tecnológico: o que procuram as empresas?


“Há uma tendência natural por parte das empresas para procurar, cada vez mais, perfis com grande nível de especialização”, explica António Costa, l...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO




ÚLTIMOS EMPREGOS