Notícias

Uma especialização crescente

Uma especialização crescente

Outrora associado ao desenvolvimento de actividades indiferenciadas, o trabalho temporário está hoje mais especializado integrando profissionais de áreas tão diversas como a saúde ou as engenharias.
20.05.2010 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Com a taxa de desemprego a superar a fasquia dos 10%, a ‘vida' dos centros de emprego não está facilitada e para as empresas privadas do sector do emprego os tempos adversos também obrigam a uma redefinição de estratégias. Em Portugal, há muito que a actividade privada de emprego já mostrou ser um sector lucrativo e cada vez mais especializado, ainda que a Lei permaneça, segundo os intervenientes no mercado, restritiva neste domínio.

Tal como a Lei a define, existe apenas uma agência privada de emprego, mas para ninguém deixa de reconhecer as empresas de trabalho temporário como uma importante e, cada vez mais, expressiva porta de entrada para o mundo laboral. Em 2008, a actividade privada de emprego já tinha superado a fasquia de um milhão de euros de facturação, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística, e tinha assegurado colocação a milhares de desempregados a nível nacional. Cada vez mais qualificados, e especializados e com mercados de actuação menos restritivos, os trabalhadores temporários estão hoje em quase todos os sectores de actividade. Administrativos, comerciais, mas também enfermeiros e engenheiros, entre inúmeras outras profissões. O mundo dos temporários cresceu e qualificou-se.

A expansão deste sector privado de emprego é, em larga medida, decorrente de uma necessidade de correcta flexibilização do mercado de trabalho. Ainda que não existam números oficiais e precisos sobre os níveis de colocação destas empresas, sabe-se que elas constituem hoje uma alternativa viável para muitos profissionais a quem a crise empurrou para o desemprego.

Os responsáveis pelas principais empresas de trabalho temporário (ETTs) enaltecem o seu contributo social enquanto catalizador de experiência profissional e enriquecimento curricular, sobretudo entre os recém-licenciados e camadas mais jovens da população. Mas as vantagens desta forma de emprego vão mais além. Facilidade no acesso ao emprego, aquisição de experiência em diferentes ambientes de trabalho, incremento da qualificação e da formação são alguns dos pontos fortes do trabalho temporário. Ainda que, numa altura em que o desemprego não para de fazer vítimas, esta seja mais uma importante porta aberta para se manter activo e apetecível no mercado.



OUTRAS NOTÍCIAS
Garra de desportista

Garra de desportista


O exercício físico é um bálsamo para a alma e para o corpo e apesar dos portugueses continuarem campeões do sedentarismo a nível europeu, a realidade é...

O poder do factor humano

O poder do factor humano


Para a líder da equipa portuguesa, Paula Baptista, o sector do recrutamento e selecção enfrenta grandes desafios e falta-lhe, por cá, uma legislação que ajude.O trabalho certo pode mudar a vida de uma...

“A precariedade é o maior inimigo do emprego”

“A precariedade é o maior inimigo do emprego”


Como avalia a actual situação dos trabalhadores, neste contexto de crise? É uma situação muito difícil… Estamos a viver um contexto em que as marcas dolorosa...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


ASSISTENTE JURÍDICA

Michael Page Portugal

BIM MANAGER

Michael Page Portugal

CONTABILISTA CERTIFICADO

Spring Professional Portugal